Assediado no ônibus pela morena de óculos


Click to Download this video!
Um conto erótico de Podo Voyeur
Categoria: Heterossexual
Data: 05/12/2018 11:36:49
Última revisão: 12/12/2018 17:53:38
Nota 9.25

A gente sempre tem conhecimento de casos de assédio em mulheres, especialmente dentro do transporte público... Porém, a história do que aconteceu comigo foi inusitada e com um final bem diferente...

Meu nome é Marcus, sou paulistano, gordinho, com 1,67m de altura, 38 anos, tenho olhos claros e meus cabelos são loiros médios (no estilo “undercut”)... não sei se você já leu sobre mim (a minha vizinha Tatyelle publicou um conto relatando a nossa primeira vez como amantes fetichistas “Sodomizada e realizada pelo vizinho gordinho”) ... porém, esse meu relato é tão excitante quanto.

Diariamente, as 7:00h da manhã, saio para trabalhar usando o transporte público (para economizar um pouquinho do meu salário e deixar o stress do trânsito de lado); chego no ponto de ônibus, em frente ao prédio onde moro, lá para umas 7:10h e fico aguardando enquanto acompanho os horários e trajetos da linha por um aplicativo de rotas e proximidades.

Com o tempo, no cotidiano, fui constatando que algumas das mesmas pessoas compartilham do mesmo ônibus... e nessa “coincidência”, reparei que uma moça bonita (branquinha, 1,52m de altura, elegante, bunda e peitos médios e naturais, de uns 32 anos, cabelos castanhos, presos com rabo de cavalo, olhos igualmente castanhos por trás de um óculos de meia armação e estilo fino de roupas para o trabalho) se aproximava a cada dia mais de mim.

Sério... nem sou do tipo “fisionomia ideal” ... por algum motivo, que não explico, eu chamo a atenção das mulheres com as características dessa charmosa moça... Isabela (descobri o seu nome durante este acontecimento) começou a me abordar espontaneamente, investindo com um discreto bom dia e se mantendo em minhas vistas.

Mulher decidida, ela não se intimida com as circunstâncias, deixa claro o seu interesse... permanece discreta, mas sempre flertando e me inferindo os seus charmes (me olhando de soslaio em um tipo de expressão marcante, como se quisesse se aproximar).

Nem mesmo dentro do ônibus ela me perde de vista (fica atenta aos meus passos e movimentos). Eu procuro ser discreto, sou um cara casado, tento manter a linha (apesar do meu envolvimento com a minha vizinha Tatyelle... risos). Nestes últimos tempos, as tentações estão se acumulando e está bem difícil me privar das mulheres (elas abordam mesmo! Não disfarçam mais).

No final deste ano, estava aguardando o transporte, no ponto, quando vejo Isabela se aproximar usando uma blusinha branca de seda, calça social preta, sandálias trançadas pretas (de saltos finos), bolsa de couro preta, cabelos presos com rabo de cavalo e seu tradicional óculos de meia armação... Me vendo entrando no ônibus, ela deu uma corridinha e embarcou em seguida, logo atrás de mim.

Estava lotado... com um pouco de dificuldade passamos pela catraca (após nos esgueirarmos por entre os outros passageiros) e conseguimos um lugarzinho. “Coincidentemente” ela parou logo atrás de mim, próximo ao final do carro.

Vendo que a moça não alcançava a barra de apoio, ofereci que ficasse na minha frente, lhe concedendo acesso aos apoios metálicos dos bancos (como consigo me esticar até o travessão, me mantenho seguro, sem recostar nas outras pessoas... não vi impedimento para a gentileza).

Ela me olhou com aceitação e sussurrou: “- obrigada!”

Se pondo diante de mim, me observando de esguelho, com um sorriso bastante convidativo, continuou: “- Tenho dificuldade em me segurar nessas barras altas, ainda bem que você é prestativo...”

Respondi: “- Não por isso, temos que presar pela boa convivência nos meios públicos... atitude cidadã.”

O ônibus continuava no itinerário quando senti Isabela encostar a sua bundinha em meu quadril... previdente, afastei um pouquinho, achando que era um fato do acaso. Porém, ela virou o rosto para me olhar nos olhos, e com um sorriso safadinho, voltou a empinar as suas ancas para encostar nos meus genitais.

Respeitosamente falei próximo aos seus ouvidos: “- Desculpa o mal jeito, mas está bastante apertado e não estou conseguindo me desencostar de você... não me leve a mal.”

Isabela respondeu: “- Não tem problema, o transporte público é muito cheio mesmo... você não está me incomodando”.

As pessoas ao redor viram, ouviram e não se importunaram ... então, continuei encostado na bundinha de Isabela, entre as curvas e solavancos do caminho, encoxando aquela baixinha gostosamente e me concentrando para conter ao máximo a inevitável ereção.

Ela, danadinha, se movia provocante (como se tentasse se encaixar cada vez mais em mim). As calças sociais que ela usava eram muito finas, e provavelmente vestia uma calcinha bem estreita... eu sentia plenamente o formato arredondado do seu bumbum firme e natural.

Inevitável... o meu pênis começou a endurecer, buscando espaço entre as bandinhas do bumbum de Isabela (mesmo estando coberto pelas calças, é impossível conter a excitação em uma provocação desse tipo). Ao pé do seu ouvido, alertei pela última vez: “- Estou tentando me concentrar para não a deixar constrangida, mas existem particularidades masculinas que não conseguimos controlar inteiramente... você entende o que estou tentando te dizer?”

Isabela respondeu: “- Sim, eu sei muito bem disso (risos)... eu quero sentir de pertinho um pouco dessa particularidade... há tempos quero te conhecer mais a fundo.”

Mais direta que isso... impossível!

Olhando fundo nos olhos de Isabela, dei um sorriso e resolvi dar o que ela tanto queria... Envolvi as minhas mãos na sua cintura e travei de encontro a mim, pressionando o volume do meu pau bem apertado em meio ao seu rêgo.

Notando a minha ereção preenchendo a fendinha perfeita da sua bunda, ela suspirou e se apoiou na barra metálica dos bancos, aumentando a empinadinha de suas ancas, se movimentando discretamente em um bem curto rebolado.

Por sobre a minha calça jeans, eu sentia perfeitamente aquela bundinha (natural e redondinha) que acolhia a minha pica em seu entremeio... as bandinhas do seu popô envolviam o meu formato roliço por inteiro e excitavam, movimentando em círculos pequenos, com precisos esfregaços

Seduzido pelo calor central das suas nádegas, minha rola foi inchando e crescendo, abrindo espaço, latejando e recheando as nossas calças enquanto tateavam por toda a área interna da bundinha de Isabela.

Já bastante excitado, abracei romanticamente ela por trás e sussurrei no seu ouvidinho: “- Nem nos apresentamos ainda... eu não esperava tudo isso... eu me chamo Marcus... qual o seu nome?”

Ela novamente me surpreendeu: “- Eu sei quem você é... já estou interessada faz um tempo, e ouvi o seu nome enquanto conversava com outros passageiros da nossa linha... O meu é Isabela... estou muito a fim de descer desse ônibus com você em uns dois pontos na frente... topa me acompanhar Marcus?”

Fiquei admirado (Isabela parecia estar pensado em tudo) ... há dois pontos na frente se localizava um Motel do tipo prédio, discreto e bem arrumadinho (daqueles que passa despercebido pelas pessoas... parece muito mais um local de hospedagem do que uma alcova de relações íntimas e sexuais).

Descemos juntos, e rapidamente entramos no prédio... pegamos uma chave e nos alojamos em um dos quartos daquele bem disfarçado Motel de bairro (tinha uma cama King Size (alta e macia), rouparia branca e nova, travesseiros de qualidade, TV de umas 42 polegadas (rolando um canal erótico), ar condicionado perfeitamente climatizado e chuveiro de alta pressão... o quarto, de paredes brancas, é simplesmente decorado com espelhos, quadros com imagens eróticas e sancas abertas com LEDs multicoloridos).

Sequer acabamos de trancar a porta, aquela mulher me atacou, se jogando sobre mim, de encontro à primeira parede, me beijando e já soltando com as suas mãos o meu cinto e o botão de pressão dos meus jeans... colocando a mão direita por dentro da minha cueca iniciou uma punheta ali mesmo enquanto veio sussurrando em meu ouvido: “- Marcus, temos que ser rápidos... tenho uma reunião daqui há uma hora em meu trabalho... não podia deixar você escapar hoje... nem que eu me atrasasse por uns bons minutinhos...”

Como o meu horário a caminho do trabalho também estava apertado, enquanto estávamos nos beijos e carícias, fui despindo Isabela e facilitando para que ela me desnudasse por completo.

Nossa, que moça gostosa! Seu corpo em formato de ampulheta, natural, com seios e bunda medianos e bem torneados (firmes na medida... com um leve caimento e normais “imperfeições”, presentes em qualquer mulher de 30, que para mim compõem sensualmente a sua individualidade) me deixaram completamente excitado.

Seus pezinhos, de uma perfeição deliciosa, em formato egípcio, são harmoniosos em seus dedinhos decrescentes do dedão ao mindinho, unhas feitinhas com esmalte preto (assim como as de suas mãos) estavam aumentando ainda mais o meu fetiche...

Completamente nus, deitamos na cama e começamos a nos beijar e acariciar... com as nossas mãos e pés, percorríamos os nossos corpos, nos tateando colados, explorando cada detalhe... enquanto isso, rolavam as masturbações de Isabela em mim, e dos meus dedos, estimulando o seu molhadinho clitóris.

Isabela começou a ficar altamente excitada... beijava e mordia meus ombros e pescoço, chacoalhando para cima e para baixo o meu pau, em um delírio ofegante, enquanto eu descia em beijos, até as auréolas e biquinho do seus peitos naturais, em chupões e mamadas delicadas para não a marcar e nem a machucar.

Me empurrando pelo tórax, me virou de costas para a cama, e acima de mim, desceu beijando desde a minha boca, pelo meu corpo, até engolir, em uma gulosa bocada, da cabecinha ao talo, todo o meu pau (branquinho, um pouco mais escuro que a minha pele, totalmente depilado, não circuncisado, cabecinha rosinha e tamanho médio “13cm de comprimento por 5cm de diâmetro”).

Pensa em uma mulher que sabe chupar... Que boquete maravilhoso! Ela engolia até o fim do meu pinto e subia até a ponta da minha glande em uma sucção ininterrupta e bastante intensa, como se tentasse absorver todo o meu extrato usando o meu falo.

Ela ia fundo, me fazendo contorcer na cama em cada investida daquela perfeita felação... Às vezes, quando seus lábios alcançavam o fim da minha cabecinha, ela soltava com uma sucção barulhenta e seguia usando a pontinha da sua língua bem na fendinha do meu pau.

Sério... é de ir a total loucura!

Isabela parecia querer sentir o gosto do meu esperma; estava acariciando o meu saco e as minhas bolas com os seus dedos, enquanto continuava vedando o meu pau com seus lábios, em vai e vem, sugando com uma força comparada àquela aplicada em um canudo de milkshake (quando a bebida, muito densa, teima em sair).

Senti o meu pau latejar e o sêmen subir pela minha uretra... até que, em pulsos e trepidações, comecei a ejacular densos jatos do meu esperma branco perolado dentro da boca e garganta de Isabela. A cada trepidada que meu pinto dava, pulsava para dentro da sua goela uma considerável quantidade de sêmen, imediatamente sugada e engolida, até que em seis a oito expulsões, se esgotava aquela minha primeira “reserva".

Isabela não parava... e continuando a sugar, estava retirando da minha uretra até as gosmas mais densas do meu sêmen residual, da próstata, e de todo o canal peniano (que delírio!) ... Retirando a sua boquinha em uma barulhenta sucção, me olhou e mostrou a sua língua coberta com o finalzinho da minha porra mais grossa e levemente amarelada.

Em um único movimento voltou a engolir (me mostrando a sua boquinha vazia)... deitada de bruços na cama, na altura do meu pênis, com as pernas cruzadas para cima, mostrando as solinhas dos seus pezinhos em pleno ar... respirou satisfeita e sussurrou me confidenciando: “- Que pau delicioso Marcus... como foi bom chupar uma pica assim depiladinha e com a cabecinha tão rosada... caí de boca mesmo! Ah... é a primeira vez que experimento e engulo sêmen.”

Respondi: “- Sério Bela? (...) Por coincidência é a primeira vez que me chuparam até o gozo. Nossa... foi delirante! Você me levou às nuvens... E você gatinha? Como foi a sensação com o meu esperma?”

Isabela descreveu: “- Má, o seu sêmen é denso e salgadinho... não senti o gosto forte que as minhas amigas reclamam quando falam da porra dos seus parceiros... Foi bastante excitante a sensação da pulsação e pressão do seu pau gozando em minha boca... engoliria mais se não acabasse.”

Ouvindo aquilo, meu pau voltou a endurecer como pedra... excitado, pedi para Isabela: “- Gatinha, agora é a minha vez de retribuir... deita aqui e abre as suas pernas para eu chupar gostosamente a sua xaninha...”

Isabela, então, me alertou: “- Marcus... eu estou em período menstrual, inclusive usando um absorvente interno na vagina. Adoraria ser chupada por você... mas acho melhor te dar um presentinho bem mais cobiçado (risos).”

Se esticando até o criado-mudo, Bela pegou um sachê de lubrificante íntimo, rasgou o topo da embalagem, espremeu o conteúdo na palma da sua mão, para, em seguida, espalhar uma boa quantidade do gel na parte interna da sua bundinha e nas preguinhas do seu cuzinho.

Enquanto ela preparava o seu butiquinho, me encarava de frente, acompanhando (com um ar sacana) o meu tesão por apreciar a sua sensual lubrificação... em seguida, retirando o finalzinho do gel do sachê, carinhosamente, veio besuntando o meu pau até conseguir uma espessa camada por toda a superfície.

Bela virou-se de costas, montando reversamente sobre mim, com as pernas flexionadas e as ancas na direção dos seus calcanhares, a bundinha empinada e as solinhas de seus pés contraídas (junto aos seus dedinhos), expostas na minha direção.

Afastando as nádegas, ela posicionou o meu pau no centro das suas preguinhas e foi escorregando para dentro do seu cuzinho melado, engolindo o meu pênis até o talo, preenchendo o seu canal anal por completo.

Nossa... Bela suspirava e gemia conforme cada centímetro daquela penetração avançava pelo seu reto... quando ela notou que eu estava completamente dentro do seu cú, posicionou as suas mão em sua bundinha, forçando as suas nádegas a permanecerem abertas, e começou um rebolado de contração e relaxamento, com o meu pau entranhado, forçando mais e mais fundo.

Eu já estava latejando dentro do cuzinho de Isabela quando só faltavam entrar as minhas bolas...

Ela aspirava por entre os dentes, gemia e iniciava um curto vai e vem, quicando em minha rola... Bela suspirava e rebolava, apreciando a nossa transa pelo espelho do teto, delirando fortemente, com o meu pau entranhado até a entrada do seu intestino.

Virando o seu corpo, com o meu pau atolado no seu rabinho, mudou de posição, cavalgando de frente, aproveitando para explorar toda a extensão do meu pinto em um vai e vem longo e bastante intenso.

Seu cú, relaxado, engolia e regurgitava o meu pau quase que inteiro, indo e voltando, abrindo e fechando, se moldando, no percurso, ao formato quase cônico do meu pênis (mais estreito na cabecinha até alargar no limite da base).

Seus seios naturais, e seus cabelos (em rabo de cavalo), saltavam no ritmo das cavalgadas... sua face rosada e olhos fechados, curtindo o prazer, me enchiam de tesão... Isabela começou a ter séries de orgasmos (tremendo, gritando e respirando ofegante) me pedindo: “- fica dentro de mim Marcus... ah... ah.... me faz a sua safadinha... sss... entala essa pica e goza dentro do meu cú... ah... sss... ah... goza dentro de mim...”.

Reclinando para trás, Bela se apoiou no colchão pelas mãos, usando os seus braços como amparo ao seu tronco, ao mesmo tempo que transferiu os seus pés para sobre o meu peito, me oferecendo a visão de sua bucetinha fechada com o absorvente e do seu cuzinho, sem pregas, ocupado pelo meu pau inchado em total ereção.

Sou um podólatra... e tendo aqueles pezinhos 34, de formato egípcio, branquinhos e com as unhas dos dedinhos (curtos e gordinhos) pintadas de preto, apoiados em meu tórax... comecei a ter picos de prazer.

Bela, reparando, subiu o seu pezinho direito até a minha boca, oferecendo os seus dedinhos para serem chupados, enquanto reiniciava o seu insinuante rebolado com o meu pau inserindo em seu ânus.

Essa mulher não esperava reagir tão ardentemente... seus desejos afloraram naturalmente, em orgasmos anais, durante a nossa sessão de sexo e fetiche... As preguinhas se inflavam “abocanhando" o meu pau conforme engoliam e emitiam naturais peidinhos no descontrole do prazer.

Eu lambia o meio dos seus dedinhos e chupava os seus deliciosos pezinhos enquanto sentia Isabela dando uma surra de bunda e esculacho, esfolando nas “garras" de suas pregas a pulsante ereção, no limite, do meu pau.

Ela trocou o pé, pedindo mais carícias e me oferecendo insaciável relação em sua bundinha... Variamos mais algumas vezes os seus pés e a intensidade das bombadas, quando, a ponto de explodir, anunciei em voz delirante: “- Bela, vou encher o seu cuzinho... ah... vou gozar... ahhh... vou... gozzzz...”

Senti o meu pau inchando e esvaziando em densos turbilhões de esperma... pulsando de cinco a seis jatos de sêmen por todo o reto daquela mulher delicada e gostosa

Ela gritava, em fortes orgasmos, a cada contração e espasmo do meu pênis, conforme aconteciam as ejeções, quentes e cheias de pressão, do meu esperma branco perolado. Foram deliciosas e longas ejaculadas, até esvaziar os meus testículos, dentro do seu arrombado e ardido cuzinho.

Quando ela desencaixou do meu pau, o seu cuzinho, totalmente aberto, não segurou... foi vazando o sêmen do seu reto, por suas arrombadas preguinhas, em cima do meu quadril, saco, virilha e pênis...

Bela expeliu o restante do esperma do seu cú em cima de mim... em seguida, se prostrou e começou a lamber, sugar e engolir todo aquele sêmen... terminando por chupar os últimos resíduos do meu pau, esvaziando também a minha uretra, sem desperdiçar sequer uma gotinha.

Satisfeitos, permanecemos desabados na cama, nos beijando e acariciando até abaixar a adrenalina... Fomos juntos para o chuveiro e tomamos uma rápida e relaxante ducha... reparamos que a água fazia arder a bundinha assada de Isabela eu o meu pau esfolado por nosso intenso sexo anal...

Bela, em período menstrual, retirou o seu absorvente interno encharcado e inchado de sague (acho que a pressão do meu pênis durante o ato sexual estimulou o aumento do fluxo) e trocou por um branquinho e limpinho...

Recolocamos as nossas roupas, saímos do quarto, pagamos em dinheiro o Motel e nos despedimos, atrasados, partindo para os nossos trabalhos usando carros separados, de aplicativo.

Ainda hoje, encontro Isabela no ponto de ônibus em frente ao prédio... e ela continua a flertar e me assediar no transporte público. Como mantemos secretamente a nossa “amizade colorida"... relembramos, de tempos em tempos, as nossas aventuras.

Bela comenta que esporadicamente dava o seu cuzinho, sem gostar muito, para agradar o seu noivo... mas que, depois de mim, o sexo anal alcançou uma exigência muito maior durante as suas relações.

Agora... ela diz que preserva o seu butico como uma joia, muito bem lapidada, disposta somente ao bom sexo casual que mantemos... se guardando, ansiosa, e só para mim...

Será que devo acreditar? (risos).

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
14/12/2018 01:17:40
Muito bom, comer um cu de uma mulher que curte uma penetrada anal, não tem preço
06/12/2018 03:31:41
Uiiii! Muito bem escrito!!!
uem
05/12/2018 17:01:16
muito bom conto
05/12/2018 12:50:24
Boa estreia! Sexo casual é sempre muito bom!




Online porn video at mobile phone


conto meu marido virou minha putapirocas grossas veiudas babando fotossexo mulher e homem laranhando(sexo)xvideo menino trocando cu por bola de gudeNem respondi e fui metendo naquela bucetinha encharcada, até sentir meu pau tocar o fundo, quando ela soltou um gemido alto e gostoso.gozando.na.loirinha francyfoi tirar foto e acabou impolgando pornoquero ver lindas travestis entrando em enormes rolas ate gozarem nelas videos boas fidasescreve palavra enrabardocontos herotico ela peido perto de mi comi o cusinho delaquero ver o vídeo da mulher da enxadinha perdendo a virgindade dela mulher beijandoConto dei a buceta para o meu pai i eli gozo dentrocurrado na borracharia de beira de estrada conto erótico gaynegao a maior rola do mumdo fodendo eledesmaioumuler badedo pueta pro nego gozauma mulher transando com cavalo a outra olhando e focou com votade de entra debaixo e ela ficou com medo da peroca do cavaloloirinha de 18 anos com a b***** raspadinha grelo arrepiadocontoeróticoguri conto gay o meu sonho de consumocontos-a menina se confessou e deu o czinho para o padremenina peituda louco por rola cabecuda fotonovela eroticapornô b***** grilada da novinhaegua no cio carameteurelatos sexo chupando irmazinha 8 aninhos ate gozarcasado sendo penetrado no seu cuzinho pelo amigo,devagar e suave.Padrasto dorado fodi enteadaprica cavalaler contos eroticos de incesto pai carente filha safada short curtoesposa levantando o vestido para o pedreiro comer lá em casa reforma vídeo pornô doidoxvideocaraspegandoairmandaoutraxvideofoto de pozisoa vedadeira xesuaisVamp19 O doce nas suas veias - (Capitulo 8) | zdorovsreda.rupauzao para meu marido e eu, exibidavideo de sexo afrosa com netadagaby de touros-rn transandoeu juro que meu sogro me fudeuconto porno sequestrada e arrombafaa gordinha do c**** grande de camisola de Calcinha Preta mostrando os peitos multiplique tudofatima encarando um caralhaoescondendo atrás do Paiol pornô cliente fica de p******* e depiladora Bate uma p****** contos eróticosencoxando sem querer na minha enteada nas ferias vídeos pornô flagracontos eroticos gay x negao 40cmcontos eroticos comeu eu minha filha e sublinhaporque os atores de porno ficam mais tempo enrijecidosirma fudedo coma irma no esguinchodei viagra a minha prima e fudi com ela vom um pau de borrachaxiriricas so com gatas turbinadascasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetasou virgem porque meu tio so chupava minha bucetinhagorda bundona caida gozando na frente do cornoIncesto wattpad de netas e vos tranzandoirma chama o irmao par tarnze xvideospegadinha mulher se anfregando em dotadopuxar o courinho da piça pra mijar x videoconto cu colo a onibuspediu carona irma evagelica pornofudedor de viado vorais e tarado fudendo xvideos gayvídeo de Kid Bengala transando com mulher brigona XVídeosvideospornobrasileiroscom famíliaas navia perdebi cabacoos videos de sexo os lolitos da picaoContos eróticos gay comi meu tioContos eróticos de incesto soníferonovinha inosente foi da pra um pareseu tressexo tórrido de desejo e paixão com padrastoxxx dalmata engatado no cu da velha safadaamigas chantageadas depois de furta pornoquero bate papo com casada fogozaDuda senta na cabeça do pau do filho e dá uma reboladinhasobrinha virando os olhinhos e g****** muito no pau do tiorevelação de filme pornô com minha mulher transa com meu jardineirovizinha Ritinha gemendo bem alto na minha varaxvideo tara com apacoteiramoleque moleque transando escondido dos pais moleque moleca dentro do mato moleque moleque transando com medo dos Pais para pegar elesCOROA japonesa FOI PARADA NA RUA E ACEITOU FUDERXsvideos dotado nu na punheta novinha com agua na boca