Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Susan (O início 2)

No dia seguinte eu estava no sofá da sala com meu celular novo. Era lindo pequenininho da motorola, mandava mensagens e tinha vibracall. Tinha uma promoção que podia ligar grátis no fim de semana para telefones da mesma operadora e eu estava ansiosa para o fim de semana chegar e eu poder usar essa promoção.

No entanto já estava quase na hora do colégio e eu precisava me arrumar rapidamente. Corri para o banho e depois, no quarto, ainda de toalha vi seu Paulo colocando a toalha no varal da área de serviços. Fechei a janela e a cortina e me troquei em segurança, em seguida almocei, corri para o ponto de ônibus, que demorou bastante, cheguei atrasada mais uma vez.

Uma coisa não saia da minha cabeça: o olhar do seu Paulo enquanto me olhava da janela, não era olhar de admiração, eu já sabia distinguir, nem era de deslumbramento, isso eu também sabia. Era de desejo. Ele me olhava como quem olha para um doce na vitrine de uma confeitaria. Depois veio com aquela história de pedir desculpas, claro, porque ele se sentia culpado pelos seus desejos.

Acordei animada, era sexta-feira e eu, já no dia seguinte, ia poder usar a promoção do meu celular novo. Mas dessa vez eu não ia me atrasar, terminei meus trabalhos e corri para o banho, resolvi me depilar completamente, deixei apenas um bigodinho ralinho, o resto ficou bem lisinho como a pele de um bebê.

No quarto, em frente ao espelho, tirei a toalha e fiquei me admirando, a pele lisinha ao toque da mão era uma sensação gostosa. Vesti o sutiã e a calcinha, minhas calcinhas eram pequenas, mas cobriam tudo. Quando me virei para pegar a calça, vi seu Paulo, mas ele estava de costas para meu quarto. Mesmo assim meu sangue ferveu, minhas olheiras esquentaram, eu havia esquecido de fechar a janela mais uma vez.

Fechei a janela e a cortina e vesti a calça, depois a camisa e fui almoçar, já estava atrasada de novo, precisaria de uma carona, mas com que cara eu ia pedir carona ao vizinho que estava me bisbilhotando?

Mesmo assim, ao ouvir o elevador sendo chamado, (nosso apartamento tremia suavemente quando o elevador era solicitado) corri para porta.

— Oi

— Oi — os três responderam quase em uníssono.

— Será que…

— Carona? — ele perguntou.

Eu balancei a cabeça positivamente.

— Claro.

— Vou só pegar minha mochila. — Respondi.

Eles já me aguardavam na entrada do prédio, entrei no carro e saímos.

Quando os meninos desceram ele me olhou com um olhar quase que de tristeza.

— Você estava lá de novo — eu disse.

— Eu me virei, assim que vi. Eu não podia.

Ele parecia se martirizar e eu passei a gostar daquela situação, me sentia poderosa. Parecia que eu tinha poder sobre ele.

— Você se virou quando viu o quê?

— Você. Eu não queria… juro.

— O que você viu dessa vez?

— Tudo, a parte da frente, dá pra ver perfeitamente pelo espelho.

— Você me prometeu. — Eu cobrei dele.

— Mas eu me virei assim que vi.

— Virou mesmo? Então não deu pra ver muita coisa? — Eu estava lhe provocando e ele parecia ceder.

— Vi que você mudou o estilo.

— O estilo de que? — Falei deixando a boca ficar entreaberta.

Eu não saberia explicar, mas eu estava sentindo algo novo, uma sensação que eu fui entender muito bem, tempos depois.

— Você estava constrangida por estar peluda da outra vez, agora você estava depilada, então mudou o estilo.

— Você gostou? — Nem sei como tive coragem de perguntar aquilo, mas saiu.

Ele balançou a cabeça afirmativamente.

O carro permaneceu parado.

— Susan — ele me olhou nos olhos e respirou, como quem cria coragem para fazer uma revelação — aquela não foi a primeira vez que te vi nua no seu quarto. Nem sei como eu estou falando isso. Mas é a verdade. Eu me arrependo demais, mas não posso negar que você é uma bela mulher. Foi a primeira vez que você percebeu, mas eu te vejo quase todos os dias e eu, embora me arrependa todas as vezes, sinto que isso é mais forte que eu.

Ele reassumiu o controle e meu plano de deixá-lo constrangido foi refratado pelo meu súbito constrangimento. Eu não me entendia. Às vezes parecia que eu gostava daquele joguinho e às vezes, eu ficava extremamente constrangida com aquela situação.

— Você precisa fechar aquela cortina.

Eu sorri. Ele ligou o carro e fomos até a porta da minha escola. Ele parou e eu desci. Não dissemos mais nenhuma palavra.

Quando eu contei a Luciana ela fez um drama. Disse horrores sobre mim. Mas tudo coisas que amigas de verdade falam. E era verdade, eu estava provocando aquele homem.

— Agora ele vai pensar o que de você?

E eu concordei, eu tinha ido longe demais, mas era tão boa aquela sensação de poder que eu estava sentindo...

Eu estava conversando com uma prima do interior com meu celular novo na varando do meu apartamento quando vi seu Paulo descendo para piscina com os filhos. E de repente bateu uma vontade de pegar uma piscininha. Despedi-me da minha prima, vesti meu biquíni mais novo e um shortinho. Peguei a toalha e desci.

Seu Paulo estava dentro d’água com os filhos e eu na beira da piscina, virei de costas e tirei o short, vi que ele me olhava, mas não me importei, deitei na cadeira de sol e fiquei olhando através dos óculos escuros para ele.

Vez ou outra ele dava uma olhadinha discreta para o meio das minhas pernas, mas tirava os olhos bem rápido. Resolvi me molhar um pouco já que o mês de outubro no Rio de Janeiro é um calor insuportável.

Falei com ele e com os meninos e ficamos relativamente perto. Os meninos foram mais para o fundo e seu Paulo ficou mais próximo de mim.

— Tá um dia quente hoje né?

— Muito, nem consegui pegar um bronze, tive que entrar na água para me refrescar.

— Acho que bronzeou um pouco sim — ele disse.

Eu afastei a alça do biquíni e constatei que a pele estava mais escura mesmo. Ele acompanhou meus olhos e emendou:

— Essas marcas de alça de biquíni são um pecado.

Eu ri.

Não dava mais pra disfarçar as nossas insinuações. Mas havia muitas coisas na nossa “relação” que a tornava complicada. Ele era casado, eu era muito nova, ainda virgem e, agora eu vejo, muito imatura e ingênua.

Eu queria continuar aquele assunto, mas não me ocorria nada.

— Será que embaixo tá com marquinha também?

A pergunta ficou no ar.

— Eu vou sair ele disse, os meninos já ficaram tempo demais. A gente se vê — ele disse com maldade no tom da voz.

— Eu vou já subir também, pra tomar um banho — eu disse e nós dois sorrimos. Sabíamos o que podia acontecer depois do banho.

Ele saiu com os meninos refutando todos os protestos deles e eu fiquei mais um pouco, nadei e curti aquela água gostosa o quanto pude. Depois juntei minhas coisas para subir.

Tomei um banho demorado, lavei o cabelo e passei creme. Minha cabeleira estava abaixo da cintura e era bem volumosa um longo cabelo liso e negro como a asa da graúna.

Quando terminei o banho, fui para meu quarto e para minha surpresa, seu Paulo estava sem camisa com parte de cima do corpo para fora da janela, consertando a tubulação que trazia o cabo da antena de tevê.

Ele me viu entrar no quarto e sorriu, eu retribui o sorriso, fiquei na dúvida se fechava a cortina ou não, mas pensei que deixá-la aberta podia parecer muita oferecimento da minha parte. Então fechei. Meu coração estava disparado, eu nem me conhecia direito, mas já sabia que alguma coisa estava mudando dentro de mim.

Na segunda-feira depois do banho costumeiro, ele não estava na janela, ainda assim fechei tudo para evitar qualquer coisa. Peguei carona com ele e conversamos trivialidades até ele deixar os filhos no colégio. Em seguida se dirigiu à minha escola.

— Você nem me disse se ficou a marquinha do Sol embaixo também — ele disse.

— Ficou — respondi — o Sol estava muito quente naquele dia.

Chegamos no meu colégio e eu queria que esse trajeto fosse mais demorado, mas infelizmente eu já tinha que descer.

— Quem sabe você não vê amanhã — eu falei. Eu estava cada vez mais ousada e as nossas insinuações já não estavam mais tão veladas assim.

Ele sorriu. Eu desci do carro e fui para aula. Preferi não comentar nada com Luciana

Comentários

24/04/2018 03:48:57
excelente conto
20/04/2018 13:12:29
Muito bem escrito. Parabéns!!
17/04/2018 02:04:02
Muito bom esta segunda parte! Vivenciando cada palavra, cada parágrafo, cada cena... Muito bem escrito! Parabéns!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


ensinei meu filho de dez anos a bater punhetafilha pede para o pai soca a pica uma cenora junto no cuconvenci minha irmã fuder comigo e gozei dentromulher muito gostosa pedi varios para gozar no cuzinho muoto apetardomeu namorado quer fazer sexo comigo menstruada conto eroticoquero ver mulher g****** gostoso monografia g****** gostoso XVídeosfilha a reda causilha e pai empura rolagozou na bunda da irma lavano loucavídeo pornô a novinha tomando banho com gosma e sanguecrossdresser saindo montadamulher bebada foi tamar banho e acordou ebgatada pelo cunora safadas descobri que sogro tem a pica enormecontos eroticos primo billabong28incesto lendo no colo do papaipés chulé contocontos eroticos namorado de mamãe tem piça ggContos eróticos flaguei o pastor arrombando minha linda noiva santinhacasa dos contos de nick malconconto um mulato superdotado para minha esposinha branquinha e magrinha b*******sexotesaogostosoccrioula dando o cuzaoposo enchuga o meu priquitoxvideos cangáceiras eroticasxvideo oadrato olha etiada domino i depois comi elagatinhas gostosas e perversa .porno de foo dental metendo gostosovigem alilado bucetasconto erótico tesao em raxinhas minúsculasbbw q curta peidar contos reaiscontos contos meu marido me arrumou um novinhovídeo pornô acontece que eu tava ouvindo agorinha cabeludoyeezus ana casa de contos eróticosconfissoes de siririca de freiraXVídeos pornô padrasto comendo enteada ela me procurou e eu não resisti vídeo brasileirocache:SYwHO_7iEWYJ:zdorovsreda.ru/texto/201607485 mulher goza varias vesis com outra mulher efiandu a mao na busetaflagra convecendo a enpregada fazer sexogay bebezão putãosiririca em horas inoportunasevangelicas na zoofilia com cachorroXxvidii ela vai toma ni cuconto eroticos lésbico putinha vadia vagabunda piranha fuder tapa na cara buceta xoxotacontos eroticos vesti uma mini saia para meu sogroxvideos paacas.com.peconto erotico casada crente no tremsunjando o forrò do motel de merda xvideotransou q suou xxvideospornô grátis só contos eróticos sogra cozinhaprensada no colchão pornFredzoo pornoporno irado sexo no salã de belezacontos eroticos tia bucetuda no onibus e menino casetudocifra o marido no banheiro com amigo dele levantou a saia e o amigo do marido meteu no cu dela vídeo pornô doidomulheres estupradas por varios homens roludos ao extremovideos porno ana estruprada kkklminha mãe me surpreendeu contos de incestocontos eróticos gays,uma amizada aguenta tudo,MarcosDEI PARA MEU FILHO NO SOFAgey dando pro cavalo enchendo o cu do gey de porraconto cumendo irmao de pau cabecudo irma. virgemContos eroticos de mamae e filhas gulosas mamando nos pauzao grandao grossao dos cinco filhos numa suruba em casaTranzando com as velilhas tetudas debicos grandexvideo entiada gozando e perdendo a vidadevídeos porno de bonecas de prático gigantesxxvideo mae fazendo gimatica e filho comi elaconto marido comeu meu cuposicao frango assado putaria brasileira pra salvar no celularmontei um armario pra uma coroa ela me atacou e chupou meu pau tv bucetameu amante haitiano tem pau muito grosso e gostosoxvideo ela esguichou porra quando cumi o seu cujebas veiudasconto erotico gay colega de quartocoroa pelada toda melada de margarinaporno brasileira pequei miha irma toma banho e tirei a virgindade delaFamília Sacana Tufos -comendo as irmãs safadinhasconto erotico gay vagejada capb******** cabeluda gemendo e chorandoconto erotico filha novinha de chortinho curto postado no dia 22 02 2018assistir vídeo pornô anal de sogra com genro gravado em Ribeirão preto d*********contos eroticos tomei tudinho a porra do meu cunhadoboafoda.comfarofa