Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Doutora Ivete, 54 anos, médica, bucetuda e greluda – parte II

Categoria: Heterossexual
Data: 14/12/2016 10:43:52
Nota 9.62
Ler comentários (8) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Continuando...

Elas saíram e a dra. Ivete abriu uma fresta da porta do consultório e pediu que eu entrasse. Entrei e ela estava parada em frente a sua escrivaninha vestida apenas com o jaleco branco, todo aberto na frente, e uma minúscula calcinha preta, calçando saltos altos pretos. Seus seios avantajados desafiavam a gravidade, tal qual uma adolescente (levantados por cirurgia, afinal são 54 anos de idade e 3 filhos – soube depois). Era uma visão deliciosa. A dra. Ivete tem 1,58 m, 52 kg, pernas bem torneadas, barriga chapada, coxas grossas, braços musculosos por causa da malhação (mais de 2 horas diárias), bunda grande e redonda, embora não seja bonita de rosto. Meu pau endureceu na hora, de uma forma incrível.

Ela falou:

- Ainda dá tempo de desistir.

- Jamais. Suas fotos me deixaram louco, e esse seu traje fez meu pau endurecer tanto que está quase estourando a calça.

Eu me aproximei e dei-lhe um beijo quente, molhado, com uma necessidade premente de engoli-la inteira. Ela retribuiu e parecia que sua vontade era ainda maior. Desci para seu pescoço, beijando e mordendo. Ela se afastou um pouco e pediu que não deixasse marcas. Estendeu a mão para a minha gravata e começou a afrouxá-la até tirá-la por cima da cabeça, sem desfazer o nó. Tirou minha camisa de dentro da calça, começou a soltar os botões de baixo para cima e a beijar meu peito conforme abria cada um deles. Desafivelou o cinto, abriu minha calça e libertou meu cacete de dentro da cueca, já se agachando e abocanhando o bicho. Reclamou que era muito grosso e que não conseguiria enfiá-lo inteiro na boca, mas não deixou de chupar. Lambia a cabeça, descia por uma lateral até a base e voltava pelo outro lado, deixando-o todo babado. Conforme ia chegando na cabeça, punhetava o resto com as duas mãos, apertando bem. Que delícia. Virava meu pau para a direita e para a esquerda para fazer essas manobras. Tirava a boca e batia com o cacete em seu rosto dizendo que aquilo era uma maravilha.

Estava uma delícia aquela chupada, mas eu queria ver ao vivo aquela buceta enorme. Tentava me livrar dela para tirar a calcinha e chegar até sua xoxota, mas ela me impedia. De repente a safada puxou aquela pecinha preta para o lado e começou a masturbar o grelão com uma rapidez incrível. Deslizava a mão, subindo e descendo do grelão para a buceta e dessa para o grelão novamente. Percebi que ele cresceu ainda mais, com a cabecinha ficando totalmente exposta. Os lábios de sua buceta (os 4) balançavam de uma forma que nunca vi na vida. Enormes, carnudos. Não aguentei a visão e pedi que parasse de me chupar, pois senão gozaria. Foi a senha para a mulher enlouquecer. Ela acelerou ainda mais sua masturbação e a outra mão se concentrou numa punheta igualmente rápida e sincronizada, sugando a cabeça do cacete com uma força incrível. Claro que não resisti.

- Ai, sua puta gostosa, eu vou gozar. Puta que pariu, como você chupa bem.

Ela tirou a boca e disse.

- Goza na minha boca. Me dá seu leitinho. Quero sentir ele quentinho na minha boca.

Gozei como nunca havia gozado. As veias do meu pau latejavam tanto que achei que iam arrebentar. Minha porra começou a escorrer pela boca da doutora, que engasgou um pouco e levou os 2 últimos jatos no rosto. Ela passou a mão na porra que havia escorrido e lambeu a mesma, sem largar meu cacete. Eu a empurrei e a coloquei sentada na escrivaninha. Com incrível rapidez, tirei aquela calcinha pequenininha e os sapatos. Lambi a calcinha para sentir seu delicioso e viscoso néctar. Aí foi minha vez de chupar. Abaixado, comecei lambendo seus seios, desci para a barriga chapada e dura e fui para a maior atração: o grelão. Meti a língua dentro da buceta, passeei com a língua até o grelo novamente. Mordisquei. Chupei forte aquele botão enorme. Ela estava louca. Puxava meus cabelos, forçava meu rosto, gritava, gemia, urrava. Pedia mais. Eu sugava aqueles lábios enormes, enfiava a buceta inteira na minha boca. Levantei um pouco as pernas da vadia e passei a língua no seu cuzinho. Percebi que ele piscou e forcei a pontinha da língua na entrada. A mulher ficou mais louca ainda. Voltei a sugar o grelão, que estava muito vermelho e inchado e enfiei o dedo médio na buceta o mais fundo que pude, percebendo que era bem apertada. Aquilo me deixou com o pau ainda mais duro (ele havia amolecido um pouquinho depois da gozada). Fiquei sugando o grelão, e fazendo um vai e vem com o dedo na xoxota que parecia que ia derreter, tal o volume de liquido que escorria dela. Tirei o dedo da buceta e forcei no seu anelzinho. Fui rodeando, rodeando, forçando e enfiei o dedo no cu da safada. Em seguida introduzi o indicador naquela buceta apertada e passei a fazer o movimento com a mão, num vai e vem frenético, com o indicador na bucetona e o médio no cu, enquanto sugava o grelão. A safada começou a berrar.

- Vou gozar. Vou gozar. Tá muito bom. Tá muito bom. Que delícia. Vou gozar.

Ela começou a gozar e eu acelerei os movimentos com a mão e aumentei a pressão na sugada do grelão. Ela afastou o corpo, derrubando os papeis que estavam naquele lado da mesa, e da sua buceta (uretra) começou a jorrar aquele líquido incolor, característico desse tipo de gozada. Fui atingido no peito e ainda deu tempo de direcionar a boca e me deliciar com o liquido quentinho que saía daquela puta safada.

Ela ficou deitada de costas na mesa, com as pernas penduradas para fora. Tendo espasmos e balbuciando. Tentei abrir as pernas dela, mas ela me afastou e implorou que não lhe encostasse, pois estava muito sensível. Aproveitei e tirei a calça, meias e os sapatos e novamente tentei abrir as pernas dela. Dessa vez ela não resistiu. Coloquei a camisinha e tentei introduzir o cacete, foi difícil, apesar de toda lubrificação. Pincelei e consegui colocar a cabeça. Ela voltou a gemer. Fui empurrando para o fundo e ela pedindo que fosse mais devagar, porém, não havia como. Eu estava alucinado para agasalhar minha vara inteira naquela buceta. E comecei a penetrá-la rápida de profundamente. Ela gemia, gritava, urrava, dizia que estava doendo, mas que estava muito bom. Ela enlaçou minhas costas com as pernas, arqueou o corpo para frente, abraçando meu pescoço, o que fez com que a buceta dela forçasse meu pau para baixo, parecendo que iria quebrá-lo. A cadela passou a sugar meu cacete com a buceta, quase impedindo o meu vai e vem. Sua pressão era incrível, eu quase não conseguia fazer nenhum movimento. Estava literalmente à mercê dela, que começou a tremer e dizer que ia gozar, porém, eu quase não mexia o cacete devido à alta pressão exercida pela xoxota no meu pau. Não consegui aguentar. Aquele clima, o local inusitado, o cheiro de sexo no ar, a gritaria da safada. Tudo isso fez com que eu gozasse novamente, menos de 10 minutos após ter introduzido o cacete. Gozamos juntos. Ela berrava e puxava meu pescoço para baixo, serpenteava sobre a mesa como uma doida, apertava minha cintura com as pernas, quase me quebrando ao meio. Após gozar ela me soltou e pude respirar. Tirei o cacete de dentro dela ainda duro e latejando. Foi uma gozada deliciosa. Como há muito não ocorria.

Tive que me apoiar na mesa e sentei na cadeira, pois estava esgotado, com as pernas bambas e a ponto de cair. Ficamos daquela forma por uns dois minutos, quando ela levantou e me pediu que lhe ajudasse a arrumar aquela bagunça. E havia muita bagunça mesmo. O pior foi limpar a parte de baixo do vidro que reveste a mesa, pois havia, entre o vidro e a mesa, muitos vestígios de seus líquidos.

Depois de ajeitarmos tudo, fomos ao BWC para nos limparmos, com ela me conduzindo pelo pau. Eu me vesti. Ela se vestiu (sem a calcinha, pois estava sem condições de uso novamente), trocou de jaleco (que ela não havia tirado durante toda a transa). E eu fui embora. No corredor do prédio encontrei uma das secretarias que voltava do almoço.

Ainda tenho outras boas histórias com a doutora, inclusive, depois de um tempo cheguei a comer a Michele, uma das secretárias, na maca de exames e na mesma mesa da dra. Ivete (sem ela saber, é claro), mas isso fica para uma próxima oportunidade.

Quem quiser ver as fotos da dra. Ivete, ou quiser me mandar fotos de bucetas grandes, beiçudas, greludas, meu email é [email protected]

Comentários

14/02/2018 03:01:32
30/12/2017 11:53:16
Puta historia meu amigo!! Agora eu quero conhecer essa doutora hahaha. Mande-me as fotos [email protected]
02/11/2017 19:14:00
Hummm, apesar de não ser médica, me encheu de vontade... Achei delicioso essa aventura com a doutora e fiquei excitada! Ah, e também obrigada pela visita, Alex. Um beijo!
11/02/2017 17:15:16
Hummm...Puta merda.... Que médica... minha prima Helena médica que ia adorar...
01/02/2017 07:17:21
Querido, tesudíssimo! O que mais dizer. Essa doutora sabe mesmo o que quer. Quem acabou numa cachoeira aqui fui eu, me imaginando no lugar dela. Muito obrigada pela visita ao meu conto. Bjs babados.
27/12/2016 16:17:48
Excelente
15/12/2016 14:13:01
Maravilhoso .. manda foto [email protected]
14/12/2016 13:27:16
Maravilhoso se alguma gata quiser tc chama no whats ONZE.NOVE, SEIS, NOVE, NOVE, SETE, TRÊS, SEIS, NOVE,NOVE MARCOS BJS NAS PEPECAS....

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


conto eu so tinha dez aninhos e meu tio ja chupava minha xoxota que era carnudinha eu ia a loucuraminhas condiçoes imposta para o corno contos eroticogosano na buceta griloda da novinhavanessa traindo com irmao do corno douglas spcache:l8GXVIQm83sJ:zdorovsreda.ru/texto/2015051116 zoofilia mulher da esguinchada com lmbidas de cachorroconto no cinepornovidiopono.molekaconto erotico gay playboy e o plebeuCerto ou errado?meu irmao amado contos gays cap.07Contos eroticosPerdendo as pregas bem novinhacomendo amiguinha da entiada de 15anosNovo vidio di reprotuto dicavalorsobrinho e tio pentelhudos sozinhis na fazenda contosfui uma menina malcriada e como castigo tive que chupar o pausao do padrasto exivideoprofessora da a bucertar na sala de aulamenina ve rolona pendurada mijando e fica tarada contos eroticosvidios pono sohenteContos etoticos filha rabudacontos eróticos a irmã de minha espoza bunduda e coxudaporno serena ali doeu"submisso" esposa conto eroticoxisvideo.pragas.do.cu.de.casadasXvideos shortinhos desfiadinhosbelo sexo dormindo de conchinha com a titiacasada corno.dirigindo ela aprontou contoscontos de sexo no carro com um cara aiii metiii maiswww xidios comtos d casadas bebendo porrahomem com tesao a cordano com a cabesa do pau toda meladaCovidei meu amigo pra toma uma cerveja em casa depois comemos minha esposa casa dos contosporno com novinha goszando na buceta na boca da outrax vidios coroa coloca sonifero no cafe do sobrinhotia camisola sem sutiaConto erotico 25cm grosso na colega de escola a forcarevista private relatosmamador de buceta contos eróticosimagens de mulheres infiandos objetivos na bucetaquero ver 100 foto de morena cavala e coroa deitada na cama pelada com as perna aberta e segurando ho calcanharcontos eroticos cheguei casa escorrendo porra cornoscontos eroticos sou mulher e transei com minha sograminha prima nechupando gostososou puto e quero comedor em esteio rscarolzinha na surubanegona dizendo no cu naovinha perdendo a virgindadebrincando escanchada contos pornoxvideos baixo o ziper empurro a rolaTias fodendo na sala com subrinho e marido outro comodoContos irronicos fodendo a minha namoradovidios pornnou que mae e filha tranza com o meismquero baixa contor d bixinha azulbrotheragem capitulo 5pau extraordinariamente grande e grosso gozando dentro e arrombando a bucetinha apertadinha da menina novinhaporno muito beidona no pauxvvidio padrasto fasendo a enteada gosar d tesao.pornô comendo a cunhada crioula do lado da esposa dormindoporno zoo contos em quadradinhos dupla penetracao insestoMeu amigo viado bundudo liso vestido de mulher conto gaybaixa videos anal com loiras rabudas dos vidros boa fodas do dowlades para o selulavídeo pornô mulher que faz a outra gozar e da Paz e líquido saindoxisvideo d buceta s cadela piscando n ciofui so dar uma alisadinha nao deu mandei pra dentro video casero pornogozanu gostozo na bucita da irma dominu xvidesnovinha dando pra velho rabuchentovídeo pornô com palavrão tipo comer sua b***** f****** o c****** todinho te quero sabe dançar para mimcontos eroticos o padre taradofilme amiga convida amiga para funder com seu sogrocotos.eroticos.de.coroas.com.muleki.jegiContos éroticos taradão caralhudo arrombando uma prostitutacontos gozar no cu da empregada e feiocalcinha rendada minha mãe que me iniciou