Série: O Amor por Meu Pai (Parte 10) - O pinto do meu quase irmão


Click to Download this video!
Um conto erótico de Julliana
Categoria: Heterossexual
Data: 10/10/2016 19:12:23
Nota 10.00

Oi galerinha, muito obrigada pelos comentários e pelo apoio para que eu possa continuar escrevendo, como sempre vou sugerir que leiam os capítulos anteriores para melhor compreensão de toda história.

Após a minha (frustrada) primeira vez com Raul, nosso namoro prosseguiu normalmente. Ele ficou ainda mais safado, e em toda oportunidade que tínhamos, ele me chamava para sua casa e transávamos. Bom, na maioria das vezes, ele transava e eu apenas “participava”. Muitas vezes tive que gozar no banho, o pintinho dele não me dava a empolgação necessária para eu chegar ao orgasmo e depois que ele descobriu a penetração parece que esqueceu todo o resto. Nunca mais me fez gozar nem com a boca, nem com a mão e muito menos com o pintinho. Então o fato era esse, eu simplesmente não gozava em nossas relações e isso começou a me deixar muito frustrada. Apesar do nosso problema sexual, eu gostava muito dele e da sua companhia. Ríamos e nos divertíamos sempre, ele era engraçado, um grande companheiro.

De noite eu ficava relembrando as cenas com meu pai, desejosa por sentir um pau de verdade igual eu sabia que era o dele. Minha bucetinha encharcava-se ao rememorar as cenas que passamos juntos. Mas ultimamente eu quase não o via mais. Nosso relacionamento acabou por esfriar novamente e a gente mal se falava, nem mesmo por telefone. Ele voltou a se envolver a maior parte do tempo com a Nicole, e eu mesma estava sem graça, sem jeito de chegar até ele e pedir para que cumprisse o nosso combinado. Passei a mão em minha rachinha toda melada... mas ela queria muito! Um pensamento rondava minha cabeça. Será que o pau do papai que era normal e o do Raul pequeno, ou o do Raul normal e o do papai bem grande? Eu não havia visto muitos paus na minha vida e não tinha base de comparação, e por isso às vezes eu sentia que estava sendo injusta com Raul, talvez o pinto dele nem fosse assim tão fora do normal.

Certa noite eu estava sozinha em casa navegando na internet de bobeira quando meu celular tocou. Era meu pai. Ele geralmente não me ligava naquele horário, era quando estava com a Nicole.

“Filha, tudo bem?” Meu pai perguntou do outro lado da linha quando atendi. “Tudo bem papai, aconteceu alguma coisa?” Perguntei com um tom preocupado.

“Na verdade vou precisar de um favor seu” Ele disse.

“Claro papai, pode falar!”

“Hoje eu e a Nicole vamos comemorar aniversário do nosso namoro, e marcamos de jantar fora, mas a babá que viria ficar com o Danilinho desmarcou em cima da hora! Será que se eu levar ele aí você cuida dele até a hora que voltarmos?”

Danilinho era o filho do primeiro casamento de Nicole que morava com ele. Era um garoto uns 5 anos mais novo do que eu. A gente nunca passou muito tempo juntos, apenas o vi algumas vezes em eventos em que meu pai e a Nicole foram e me levaram. Era um garoto tranqüilo, não me daria trabalho, e eu também não tinha nada pra fazer.

“Claro papai, tudo bem!” Respondi. “Ótimo, obrigado querida, fico te devendo este favor! Já chego com ele aí!”

Aproximadamente uns 20 minutos depois papai chegou com o Danilinho, deixando-o em casa e me dando orientações para que ele não ficasse até muito tarde vendo televisão, que ele havia levado roupa para dormir e que não era pra ele não esquecer de tomar banho e escovar os dentes antes de ir para cama. Concordei e disse que eles podiam ficar tranqüilos. Danilinho era bem educadinho, tinha crescido um pouco mais desde a última vez que o havia visto. Ele me cumprimentou sorrindo e olhando com seus enormes olhos azuis. Estava ficando um garoto bonito, com certeza, ainda era bem magrinho e um bocado menor do que eu.

Fiquei a noite toda praticamente vendo TV na sala e ele ao meu lado. Ele tinha levado um tablet, e passou a maior parte do tempo jogando alguns joguinhos. Tratei de fazer um lanchinho que ele comeu agradecido, mas a maior parte do tempo nem trocamos muitas palavras. Vi que já estava ficando um pouco tarde, e que ele já estava mais recostado no sofá, esfregando os olhos.

“Acho que chega de jogos por hoje Danilinho!” Falei sorrindo pra ele. “Vai lá tomar seu banho e escovar os dentes antes que você durma no sofá!”

Ele se levantou preguiçosamente, dando uma espreguiçada. “Tudo bem. Vou pegar minhas coisas.” Ah! Quem dera todo mundo fosse educado e obediente igual a ele. Ele se dirigiu ao quarto e voltou rapidamente para a sala segurando a toalha e um pijama. “Vamos?” Ele me perguntou.

“Vamos onde?” Retruquei sem entender.

“Ué... mamãe sempre me dá banho, você não vai me dar?”

“Você não toma banho sozinho menino?” Perguntei espantada, achei que ele já tinha idade suficiente para tomar um banho sem alguém por perto. Ele ficou meio envergonhado com a minha pergunta e balbuciou algo sobre ter medo de ficar sozinho no chuveiro.

“Tudo bem. Eu fico no banheiro com você.” Concordei um pouco desanimada de deixar pela metade o programa que estava assistindo na TV. Acompanhei-o até o banheiro. Segurei o pijama e a toalha dele. Ele estava de costas pra mim e foi logo abaixando as calças e tirando a camiseta, ri olhando aquele bumbunzinho branquelo. Ele era bem desinibido, não tinha muita timidez de ficar pelado na frente de outra pessoa, acho que por estar acostumado a tomar banho com a mãe e não ver maldade nenhuma naquilo. No momento em que eu dependurava a toalha e colocava seu pijama em cima da pia, ele se virou de frente pra mim me perguntando qual das torneiras era a água quente. A primeira coisa que reparei quando ele se virou foi sua linguicinha balançando. Era fina mas bem compridinha. Parecia que mesmo mole tinha o tamanho do pintinho do Raul duro. Era bonitinho, tinha uma penugenzinha bem fina de pêlinhos pretos bem em cima do pinto e ele não tinha aquela pelinha em cima da cabeça, aí a cabecinha rosinha dele ficava sempre pra fora. Eu reparei bastante, e veio aquela frustração em pensar que realmente o Raul estava bem abaixo do normal. Aparentemente o do Danilinho ganhava dele. Fiquei entretida naqueles pensamentos,e esqueci de respondê-lo, então ele me perguntou de novo me tirando de meu transe.

“Ah sim, é essa que tem a bolinha vermelha. A azul é a fria” Respondi ele engasgando um pouco. Ele se virou e entrou no Box para ligar o chuveiro. “A sua mãe toma banho junto de você?” Perguntei curiosa. “Sim. A gente sempre toma banho os dois de uma vez, porque?” Eu estava tendo uma idéia boba na cabeça. Fiquei curiosa se aquele pinto era mesmo maior que o do meu namorado, e queria conferir de perto. “É porque eu queria tomar banho também, tem problema se eu entrar para tomar com você?” Ele disse que não tinha problema nenhum. Fui logo tirando minha roupa e entrando no Box, que era bem espaçoso e cabia nós dois tranquilamente. Danilinho me olhou de cima abaixo um pouco curioso. “Que diferente.” Ele comentou rindo, enquanto eu entrava debaixo d’água. “O que é diferente?” perguntei curiosa.

“Você é bem diferente da minha mãe!”

“Como assim diferente?” Perguntei rindo, levando tudo na brincadeira. Ele se aproximou um pouco mais e encostou o dedo em um dos meus peitos. “Você é bem maior aqui!” E depois encostou o indicador no meu púbis “E bem mais peluda aqui!”. Ah, então quer dizer que a Nicole estava sempre depiladinha. Acho que eu deveria começar a me preocupar um pouco mais com isso, agora que minha vida sexual estava mais ativa, hahaha.

“Você também é diferente do meu namorado!” Entrei no joguinho dele, coloquei a mão em cima de sua cabeça “você é menor que ele!Mas em compensação...” Dei uma apertadinha de leve no seu pinto com o dedão e o indicador “é maior do que ele aqui.” E começamos a rir.

“Sério? Eu sou maior do que ele aqui?” Ele perguntou espantado mas rindo enquanto apontava para seu pinto.

“Acho que um pouco, não dá pra saber direito, porque geralmente eu vejo o dele diferente.”

“Diferente? Como assim?” Ele estava curioso.

“Durinho.” Respondi rindo. “Ele cresce um pouco quando fica durinho né?” Danilinho olhou para baixo contemplando o pinto e segurou com uma das mãos.

“É, o meu fica bem maior quando está durinho. Mas isso só acontece na hora que eu acordo.”

“Bem maior?” Perguntei um pouco assustada. “Essa eu queria ver!” Falei rindo, aquela situação toda tava me deixando curiosa e um pouco excitada, mas eu sabia que não podia passar dos limites com o filho da Nicole. Então era um pouco estranho. Eu queria apenas matar minha curiosidade e sair dali. “Eu acho que consigo deixar ele durinho para você me mostrar, mas você não pode contar pra ninguém, promete?” Ele consentiu com a cabeça. Eu peguei o sabonete. “É só ensaboar aqui que ele cresce.” Falei chegando com as mãos perto de seu pinto e esfregando o sabonete, deixando ali com bastante espuma. Depois coloquei o sabonete de volta na saboneteira e comecei a mexer deslizando as mãos no seu saco e pinto. Ele ficou olhando pra mim rindo. “Isso é bom!” Ele comentou. Paus são sempre um mistério. Em menos de 30 segundinhos mexendo ali a linguicinha dele já estava com a cabecinha rosa apontada para cima e muito durinha.

Realmente tinha dado uma boa crescida, devia ter uns 13 a 14cm. Levando em consideração que a do Raul devia tinha uns 8cm dura, parecia quase o dobro da dele. Danilinho se assustou um pouco “Nossa, ficou dura mesmo, e está gostoso você mexendo, continua?” Vou confessar que quando olhei o bilau dele tive uma vontade enorme de ficar de 4 para ele e pedir que ele metesse fundo dentro da minha bucetinha. Estava sedenta por algo maior me preenchendo. Minha bucetinha estava meladinha, pedindo por aquilo. Eu mesma queria continuar mexendo, chupar e mandar ele meter em mim até ele gozar, mas sabia que isso seria errado então respirei fundo. “Não posso continuar mexendo, porque era só pra ver ele assim.” Ele ficou um pouco triste quando tirei (muito a contragosto) minhas mãos de seu pinto. “Eu posso passar a mão em você um pouquinho então?” Droga, era justo eu deixar ele passar a mão, mas achei que era errado, fiquei naquele dilema. “Pode, mas é só um pouquinho.” Antes de eu terminar de responder, sua mãozinha já percorria minha rachinha molhada, seu dedinho começou a roçar meu clitóris direitinho, e depois ele ficou enfiando, entrando e saindo com os dedinhos. Um, dois e até 3 dedos ao mesmo tempo. Meu tesão estava aumentando demais, minhas pernas começaram a bambear, segurei o braço dele, puxando sua mão o mais pra dentro possível, tentando socar bem fundo os seus dedos dentro de mim, fechei meus olhos, e foi incontrolável, minha bucetinha começou a latejar e piscar incontrolavelmente, a descarga elétrica percorreu meu corpo e soltei um gemido forte... estava gozando na mão do Danilinho.

Ele pareceu um pouco assustado, mas seu pinto continuava rígido feito pedra. Minha respiração foi voltando ao normal aos poucos. Ele me perguntou o que tinha acontecido. Eu respondi que foi algo muito bom pra mim e que eu iria ensinar ele, mas que ele não podia nunca contar pra ninguém, ele novamente concordou.

Fui para trás dele, passando meus braços em volta de seu corpo, meus peitos encostavam-se em seus ombros. Peguei a mão dele e coloquei a minha por cima. Coloquei a própria mão dele abraçando o pinto e comecei a guiá-lo no movimento para frente e para trás, aumentando aos poucos a velocidade. Depois tirei minha mão de cima da dele, e deixei que ele fizesse sozinho. “Tá gostoso?”Perguntei. “Muito!” Ele respondeu de olhos fechados, aumentando ainda mais a velocidade. Voltei para frente dele vendo ele brincando consigo. Em poucos segundos ele deu um grito abafado e agudo. A porra dele foi sendo atirada em jatos para frente, caindo um bocado na minha perna. Olhei para seu rosto, estava vermelho e com lágrimas nos olhos. “Isso foi muito bom!” Ele disse sorrindo pra mim. “Esse vai ser nosso segredinho, ok?” Ele concordou sorrindo. Terminamos logo nosso banho, limpei a porra dele que estava na minha perna. Ele colocou o pijama e coloquei-o na cama, esperando até que ele dormisse.

Quando ele pegou no sono, fui até a sala, e sentei-me na frente do sofá, fiquei zapeando os canais, relembrando o que havia acontecido hoje. Na minha mente apenas um pensamento “O pau do Raul era realmente muito pequeno, e eu não iria agüentar isso por muito tempo. Precisava fazer alguma coisa...”

Continua...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
08/11/2016 16:44:20
Vai ter continuação ???? Na espera ok.
29/10/2016 18:34:52
Continua!!
12/10/2016 01:07:57
Mto bom mesmo
11/10/2016 02:11:50
Espero que poste logo a próxima parte! Muito bom!!!
10/10/2016 21:18:31
Continua logo.




Online porn video at mobile phone


XVídeos marido com enxaqueca mulher transa com outroContos etoticos filha rabudaquero ver foto bucetao beicudas e hrandeminha mulher domestica comida pelo cacetudoBaixa grátis pornô zoofi!ia.comcontos de viadinhpsefiou a pica todinha no geysinho sem camisinha ele gostouquero ver um filme pornô a mãe transando com filho e a mãe forçando para transar com ele pedindo para o fiscal na b***** dela que ela tá lindamulher cachorro cavalo buceta borbulhandovideos sexo incesto filha novinha reda calcinha de lado pro pai fude elaclitóris gigantes arrombando cu gigante rola brancafilha minha femea contoxvideo montadord moveismontei um armario pra uma coroa ela me atacou e chupou meu pau tv bucetaCai debocanomeu buset setaoconto erotico peido e mijoxvideos tonhao pe de mesacontos fui encoxada no onibus e meu marido nem percebeucontos estuprei a obreira da igrejaTia Selma o sobrinho já com rabo de fora vídeosindo embora achei um viado e fui comer seu cuzinhoXVIDEO CRIOLA VIUVA PIRANHAconto erotico punheta raptosou neto mas tenho muito tesão na minha avó vontade de f****Sou bi e sou louco pra d o c pro meu primoenfianp atr o talo no cuirmão no Maranhão tentando enfiar o p******** da irmãzinha bem novinha XVídeosputa.impinadiha.baiana.so.fode.apanhando.muitoMeu pai quebrou meu cabaconó do cachorro incha zoofilia dicasincesto com meu vô contosfuderao a gostoso na prainhaBundinha lisinha da filhinhaJoce boqueteiroa Ponta Grossa entrou todinha na tabaquinha delasexo com irma inploradoconto porno amor em londrescombinamos chupando os peitos da mulher fazendo sexo ela gritar onlinecontos eroticos minha esposa ficou excitada quando viu o negao pauzudocontosgosandodentroxvhideo mijando toda hora 32 segundocontos de sexo depilando a sograela e nossapara foder contosXVídeos irmã brincando com pênis do irmão baleia orca baleiaMarido bota consolo e bomba na buceta da esposa ela nao percebicomtos eroticos de mulheris que gostom de dar o cucasada coroa video fotocorno secretomuher tento fujir negao roludo empuro tudoContos eu e minha comadre desfilando de calcinha para nossos maridosouvir contos eroticos narrados de gueis tranzando loucosmullheres fodem tarado apulso como vingancatraisao na cozinha muile de camizoloXVídeos a despeito amiga da negraconto erotico curradanovinha magrinha nao consegue ci controla de quatro e goza em 1minutoWESLLEYWEST-CASA DOS CONTOS EROTICOS |zdorovsreda.ruhistoria erotica pronhomem gozarchantagiu a irmã e gosa dentrohomens ensinando como puchar punhetaBjss na bunda q na boca.da sdssgortavo trasandoconto sexo madruga com frorindasenti um bafo quente na buceta zoofiliacristina loirinha sem juizogostosa se masturbando com pinto de borracha solta p**** falsachantagiei a filha e a mulher do meu caseiro que cuida do meu sitio contoscontos zoo dalmata.meu machovelho safado trepa com sua intiadsbuceta de evangelica arrombada na igrejaContos e relatos incesto 12anod minha vó me ensinou a gostar de cu e buceta pirocudimundobicha médico usa consolo no pacientemuler m as calcinhas lancesda xoxotascontos dormindo com meu padrasto picudomae beba fas fiho chupa putariabrasileirapadastro de 35cm de pica no cu da intiadapornô mãe dando o cuzão dando para o filho de regaço combinação pelo cão carinhocasadoscontos casal adora negros comedor de cu c/fotos reais