Casa dos Contos Eróticos


Click to this video!

O dia em que virei corna mansa

Um conto erótico de Karynna
Categoria: Heterossexual
Data: 05/04/2016 04:17:56
Nota 9.82

O DIA EM QUE ME TORNEI CORNA MANSA

Tenho 37 anos, sou casada há 15 anos e com dois filhos, um de 13 e uma de 10 anos. Meu marido (vou chamá-lo de Cesar), três anos mais velho que eu, é um médico bem-sucedido, bonito e charmoso, se cuida bastante e não aparenta ter 40 anos. Eu também me cuido, apesar dos dois filhos me mantenho em forma, tenho 1,62 e 53 kg, seios pequenos e bunda durinha, sem barriga, coxas grossas graças a anos de musculação. Casamos muito jovens, ele era recém-formado e foi apenas meu segundo homem, tive um namoradinho antes dele que tirou minha virgindade, mas não me ensinou muita coisa além disso. Praticamente tudo o que sei sobre sexo aprendi com Cesar. Mas tem um problema. Ele sempre teve muito mais apetite sexual do que eu, era sempre insaciável, queria transar todo dia e de formas as mais diferentes possíveis. Mesmo quando chegava em casa cansado dos plantões, sempre queria “dar uma” comigo. Eu, bem, não é que não goste, o sexo com ele era sempre prazeroso, gozava sempre (às vezes mais de uma vez), ele fazia questão de me chupar e meter em todas as posições, a questão é que eu realmente tinha pouca necessidade de transar. Fazer uma vez por semana já me deixava satisfeita, mesmo que fosse só um papai-e-mamãe. Sexo anal era outro ponto de discórdia, Cesar pedia minha bunda desde os tempos de namoro, mas sempre tive resistência a isso, além de achar que ia doer, pensava que era um lugar sujo, sei lá... enfim, nunca permiti que a brincadeira com meu buraquinho passasse de um dedo enfiado enquanto ele me chupava ou metia na buceta. Com o tempo, a rotina do casamento e principalmente os filhos, ele foi entendendo (assim pensava eu) e diminuindo seu ímpeto sexual, e ficando mais parecido comigo. Atualmente transamos uma vez por semana, às vezes duas, e confesso que me satisfaz plenamente. Há algum tempo umas amigas minhas vieram me falar uns boatos, que Cesar andava de caso com outras mulheres, enfermeiras e até pacientes, mas resolvi não dar bola. Ele tem um jeito sedutor e deve certamente arrancar suspiros de diversas enfermeiras piranhas, mas, pensei que ir atrás disso e correr o risco de prejudicar o casamento, os filhos e mesmo a relação que tínhamos, que era muito boa, não valia a pena. Como diz o ditado, “o que os olhos não veem, o coração não sente”. Então preferi fechar os olhos.

Até que um dia, minha empregada pediu demissão para poder cuidar da mãe que estava doente. Fiquei desesperada, não tinha ideia de como ia dar conta de uma casa grande como a nossa, dois filhos e ainda trabalhar na loja de acessórios que tenho em sociedade com uma amiga. Ela então disse que tinha uma sobrinha que estava procurando emprego, e que queria vir para a capital para estudar à noite e poderia ficar trabalhando lá em casa. Não tinha muita experiência, mas segundo ela sabia cozinhar um pouco, fazia faxina bem e era educada e discreta. Aceitei, até porque não tinha outra alternativa. Na segunda-feira, Jessica chegou em casa. Morena, uns vinte anos de idade, tipo índia, um pouco mais alta que eu, rosto bonito mas nada espetacular. Mas uma bunda, meu Deus, que metade das mulheres que conheço mataria para ter igual. Para complicar mais, gostava de fazer as tarefas da casa de shortinho curto (moramos em uma cidade bem quente). Confesso que quis mandá-la embora logo, mas mais preocupada com meu filho adolescente, que passava cada vez mais tempo no seu quarto “homenageando” Jessica em suas intermináveis sessões de sexo solitário. Mas como não encontrava mais ninguém, ela estava dando conta do recado em casa e todos estavam bem, desencanei e fui deixando. Mal sabia que não era com meu filho que deveria me preocupar, e sim com meu marido.

Um belo dia, Cesar saiu para trabalhar, eu saí para deixar os meninos na escola e depois iria para a loja. Quase chegando, lembrei que tinha esquecido em casa alguns papéis importantes que iria precisar para uma reunião com minha sócia. Tive que voltar. Ao chegar, vi o carro de Cesar na garagem, e não entendi o que ele estaria fazendo em casa a essa hora da manhã. Como a casa é realmente muito grande, não daria para ouvir dentro o barulho do meu carro chegando. A porta da frente estava aberta e fui entrando até o escritório para pegar os tais papéis, depois fui procurar Cesar. Quarto, sala, nada. Quando cheguei na cozinha, não vi quem deveria estar lá (Jessica) e ouvi uns ruídos vindos dos lados do quarto de empregada. Já desconfiando do que poderia estar rolando, fui devagarzinho, sem fazer barulho, pelo lado de fora para espiar pela janela. Era uma janela tipo veneziana que, para minha sorte, estava aberta. Consegui me esgueirar junto à parede entre as plantas e olhar para dentro sem chamar atenção, e quando ajustei a vista, vi algo que nunca mais vou esquecer: meu marido acabando de tirar a blusa de Jessica e revelando dois peitinhos durinhos de bicos empinados, tamanho médio, mais ou menos como os meus eram na idade dela. Eles dois em pé, Cesar a encostou na parede e mamava em um dos peitos, passava a mão no outro e ia alternando. A safada da Jessica dizia “Doutor, não faça isso” mais para manter a aparência, sem convicção nenhuma, e de qualquer forma Cesar não dava a menor atenção ao pedido dela. Meu primeiro impulso foi entrar em casa e flagrar os dois, mas resolvi observar até onde aquilo ia dar (como se eu não soubesse...). Procurei o celular para filmar, mas vi que tinha esquecido o desgraçado no carro, e tive medo de fazer barulho ao ir buscá-lo e alertar os dois. De onde eu estava, conseguia vê-los bem sem ser vista, então simplesmente fiquei olhando. E o que vi, amigos, não foi pouca coisa não...

Cesar, depois de chupar e apalpar bastante os peitos duros de Jessica, percebeu que não haveria mais resistência, e começou a tirar o short dela. Depois sentou na cama dela e a virou de frente para a parede, de costas para ele. A calcinha preta, enfiadinha no rego, ele rasgou com os dentes, revelando a bunda fenomenal de Jessica em sua plenitude. Quando viu aquele rabo, Cesar parou por um instante, admirando, depois cravou as mãos nas nádegas, abrindo-as e enfiando a cara no meio delas, fez Jessica soltar um gemido. Então meu maridinho querido se levantou, tirou as calças e botou imediatamente pra fora aquele pau que eu conhecia tão bem e que era o único que entrava em mim há dezessete anos. Não era de tamanho descomunal, pelo menos como os que eu via nos poucos filmes pornôs a que assisti ou que minhas amigas contavam, mas tinha uma cabeça larga e rosada que nesse momento já estava totalmente intumescida. Cesar ficou em pé e fez Jessica sentar na cama, invertendo a posição, e apontou a rola para sua boca, ordenando: “chupa, gostosa”. A putinha abriu a boca obediente e engoliu a tora do meu marido de uma vez. Depois tirava, lambia a cabeçona, descia a língua até o saco e vinha subindo de novo, até chegar na cabeça e abocanhar a pica. Cesar estava absolutamente deliciado, olhava para cima e segurava os cabelos lisos de Jessica, murmurando sons sem sentido.

Nessa hora, quando resolvi que ia tomar uma atitude e pegar os dois no flagra, percebi uma coisa: minha xoxota estava toda molhada! Molhada, não: encharcada. Eu estava tendo tesão de ver ali, escondida, meu maridinho ser chupado por uma menininha que por pouco não teria idade de ser minha filha. Entendi que o homem que é viril precisa disso, de carne nova de vez em quando, e compreendi que, na época em que minhas amigas vieram me segredar que Cesar tinha casos com enfermeiras e pacientes, ele ficou ainda mais atencioso e carinhoso comigo do que já era, inclusive na cama. Em vez de ir lá atrapalhar, fiz melhor: enfiei minha mão dentro da calcinha e comecei a tocar uma siririca bem gostosa...

Enquanto isso, a coisa ia esquentando no quarto. Jessica se mostrava uma excelente boqueteira, e ia mamando a vara de Cesar de forma tão competente que logo aconteceu o esperado, e ele gozou na boquinha dela com vários jatos de porra, aquela porra quente e grossa que eu conhecia bem (na buceta, pois nunca tinha deixado gozar na minha boca). A safada da Jessica levou algumas esguichadas na cara, mas engoliu tudo e lambeu a pica inteira depois, não desperdiçando nada. Meus dedos passeavam entre meu grelinho e a buceta, o líquido tava pingando e eu também gozei, trincando os dentes para não fazer barulho. Minhas pernas amoleceram, não sei como consegui ficar em pé enquanto tinha um orgasmo que fazia tempo não sentia. Mas quem disse que o pau de Cesar baixou depois disso? Ainda de rola dura, ele se deitou na cama de Jessica, mandou que ela viesse por cima e encaixasse nele. O desgraçado não ia usar sequer uma camisinha, ia comer aquela vadia no pêlo!! Bem, agora não havia mais o que fazer... Então considerei que aquela bucetinha de vinte anos deveria ser bem mais apertadinha do que a minha, principalmente depois de dois partos normais. Se eu fosse homem, também não ia querer meter ali encapado nem fodendo! Ela veio por cima, vi sua xaninha depilada só com uma listinha fina de pentelhos pretos no meio, e na posição em que estava pude ver até os lábios meio abertos e úmidos enquanto ela pegava no pau de Cesar e orientava para dentro de sua grutinha. Agachou em cima dele e desceu de uma vez só, com força, sentou com gosto e enfiou até o talo o cacete. Cesar deu um urro abafado, e ela começou a subir e descer de um jeito que parecia estar (e estava) possuída. Montava como quem entende de rola, eu já tinha feito diversas vezes aquela posição (era a que mais gostava), mas nunca daquele jeito, com aquela velocidade e os movimentos de rebolar o quadril, o que visivelmente estava deixando Cesar a ponto de enlouquecer. Ficaram assim uns minutos, até que Jessica virou de costas para ele sem tirar o pau de dentro da buceta, e recomeçou os movimentos, mas antes pegou a mão do meu marido e a levou ao seu reguinho. Entendi que ela queria que ele estimulasse seu cu enquanto ela rebolava na tora. E foi isso que meu marido fez, enfiando um dedo, depois dois, naquele buraquinho apertado e fazendo movimentos de entra e sai, ajudados pelo rebolar frenético da bunda em cima dele. Eu via as costas de Jessica escorrendo suor, queria ir até lá para agradecer o trato que ela estava dando ao meu macho, mas em vez disso comecei a me masturbar de novo. Tirei a calcinha para facilitar, e recomecei a esfregar meu grelo ainda inchado do primeiro gozo, cada vez mais rápido, até que senti a onda de prazer quente saindo da xoxota, descendo para as pernas e subindo para a cabeça. Nesse exato momento Jessica joga a cabeça para trás, grita: “caralho! Fode mais, meu Doutor gostoso! Vou gozar! Ai meu Deus!” (nunca entendi bem como Deus entra nessas coisas, mas...) e seu corpo começa a ter espasmos. Nessa hora, também gozo, com uma intensidade ainda maior que o primeiro, tanto que acabo me mijando sem querer. Meu marido conseguiu fazer duas mulheres gozarem ao mesmo tempo, embora não soubesse disso.

Mal Jessica parou de se sacudir, Cesar saiu de baixo dela e levantou. Pude ver seu caralho ainda em riste, parece inacreditável, mas lembrei que nos nossos anos de namoro e início do casamento ele era assim: demorava para gozar e tinha sempre pique para dar pelo menos duas, eu é que não acompanhava... Pegou Jessica pela bunda, levantou-a e a botou de quatro. Ela sequer esboçou reação, estava totalmente entregue e quem sabe ainda vendo estrelas, então meu marido atolou a pica sem dó, arrancando gemidos. Meteu mais um pouco e diminuiu o ritmo, acho que para não gozar já, e perguntou: “vamos dar esse rabinho agora?”. Jessica arregalou os olhos, disse que não, que ia doer, mas estava visivelmente fazendo charme. Ele insistiu mais um pouco e ela disse: “Doutor, faz devagar, tá? Se não, machuca!”. Meu homem disse: “confie em mim, tô acostumado”. Ela perguntou: “a patroa faz muito com o senhor?”. A resposta dele foi cafajesticamente genial: “faz direto! Ela adora, fala que goza mais pelo cu do que pela buceta!”. Com isso, o canalha quebrou o medo e a resistência dela, e de quebra atiçou a rivalidade que existe entre mulheres que dividem o mesmo homem. Então ele tirou o mastro da buceta que já estava pingando, enfiou dois dedos na xana que saíram molhados, e passou o líquido na entradinha do cu. Depois encostou a cabeça do pau, segurou o quadril dela com uma mão e falou para ela: “relaxe! Faça uma forcinha pra fora como se fosse cagar!” Eu sabia que isso era para abrir a musculatura do ânus, ele tinha me dito isso numa das vezes que tentou comer minha bunda. Ela obedeceu, e ele foi enfiando a tora pelo anelzinho adentro, devagar e sempre, sem parar para pensar. Jessica, de quatro, soltou um grito abafado pelo travesseiro, mas aguentou a vara todinha até as bolas baterem na xoxota. Cesar começou o vai-e-vem, fodendo o cu devagarzinho e foi aumentando, aumentando, até que de repente seu corpo se crispou todo enquanto puxava a bunda mais para si, como se quisesse entrar todo pelo buraquinho apertado. Finalmente gemeu, enquanto eu só podia imaginar os jatos de gala que ele estava despejando dentro do rabo da nossa empregadinha arrombada. Ficaram um instante engatados como cachorros no cio, e quando meu marido tirou o pau já meio mole ainda pude ver o furico de Jessica entreaberto e um filete de esperma descendo. Se ele não usou camisinha – pensei – pelo menos gozou no cu e não vai engravidar essa putinha, para não me aparecer com um filho bastardo daqui a nove meses. Ela desabou na cama, ele pegou as roupas no chão e saiu. Fiquei parada um instante, até Jessica se levantar e entrar no chuveiro. Dei a volta na casa e escutei pela janela do nosso quarto o barulho do chuveiro aberto também, então me apressei e saí aproveitando que eles não escutariam o barulho do carro e do portão. Fui para o trabalho, minha sócia estranhou um pouco eu estar atrasada e de cara afogueada, mas dei uma desculpa qualquer e pronto. À tarde, antes de ir para casa, comprei alguns presentes: umas cervejas importadas especiais para meu garanhão e um shortinho e uma calcinha fio-dental preta para Jessica.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
24/07/2017 18:38:03
Muito bom
28/06/2017 10:13:54
Muito bem escrito...
22/05/2017 14:00:12
Gostaria de retribui o chifre no seu marido com vc!
03/02/2017 13:35:39
acho que depois dessa lição vc, aprendeu a dar o cuzinho para seu marido, passou a tomar a gala dele, e isso que todos os homens gostam, os que não gostam, tambem será chifrudo,
01/01/2017 10:11:16
Simplesmente DEZ
07/06/2016 08:28:41
Gostaria que minha mulher foesse compreensiva igual a você mas não é eita marido de sorte manda fotos da sua empregada pra mim e porque não suas com certeza são duas cachorras no cio bjs ótimo conto nota 1000
27/04/2016 03:16:42
De mais sua delicia escreve para mim
20/04/2016 16:04:19
eu quero te fuder vc quer? me add
19/04/2016 21:46:21
minha querida eu tambem gozei. manda mais desta para mais vezes minha putinha gostosaaaaaaaaaa
07/04/2016 07:28:28
Entra em contato comigo vamos trocar experiências hotmail. Com
06/04/2016 22:16:05
Conto perfeito delicioso
06/04/2016 18:27:05
mto bom
06/04/2016 17:38:19
Primeira vez que vejo uma esposa escrever um conto assim e confesso pra vc que foi o melhor que li até agora!!! E forma como vc escreve, as palavras de um modo chulo mas sem vulgaridade deixam o leitor de pau duro!!! Parabéns
06/04/2016 13:55:42
Karinna, o seu conto é sem duvida nenhuma um dos melhores que já li! Parabéns, muito bem redigido, detalhista, mantendo a volúpia e o tesão a cena! Adorei.
06/04/2016 11:55:27
Ler o conto por uma mulher da mais tesao ainda e ser corna mansa entao, foi o primeiro que li um desses e simplesmente pirei aqui nota 10 e pouco. Da uma olha no meu tbm bjoss
06/04/2016 10:55:22
Muito bom!
06/04/2016 02:20:49
Que delícia de conto. Nota máxima
06/04/2016 00:51:17
Uhum ótimo conto, podemos conversa meu email tenho 22 anos sou do RJ, quem sabe não faz seu marido de corno também
06/04/2016 00:30:33
Karina conta aí oque aconteceu qdo você deu os presentes
05/04/2016 23:56:23
Show.merece continuação




Online porn video at mobile phone


minha mae me iniciou na zoofiliamae tira i cabaço do filho oica do filho nivo nicu chorarelato erotico uma madame na reformacontos estrupada por agiota minha filhaXVídeos irmã brincando com pênis do irmão baleia orca baleiamae e filho trazando ele goza detro delascontos eroticos de senhoras peidadocontos eroticos eu e meu amigo batemos uma punheta bem gostosanegao roludo aregassando o cu da travestis de 20 anos nno motel pornodoidosexo soumenti com corno chupando porra de macho na buceta da esposacacetudomonstrocunhada chupando a língua do cunhado injeçãoconto erotico evanjelica comida por um velhoirma da pra irmao de causinha de lado e de bermuba e pretimhavideo de prono doido com loiiraasxvideogay foram acampar e so tinha uma cobertaconto erótico aprendendo a dirigirAs novinha que adora chupar i tamar a porrasites porno contos eroticos de incesto mae ver o pau duro do filho fica com tesao com a buceta toda meladacontos desvirginando a mulher do cornoxvideos morritoecontos eroticos rabuda enganadanó do cachorro incha zoofilia dicasacordei galada de tanto gemer sonhei com uma ponba que me fez gemer video porno baixarconto conto minha esposa jogar bola na boca dela na minha boca fede filmeSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhaAliviando os funcionarios contos eróticosfudendo so o cu delazinhaeu era bem gordinha muito novinha meu padrasto acha minha xoxotinha linda contosesposa bem dotado contos sandrameu padrasto me arretava gostosovideo mendingo pau gigante come coxuda de minisaiaconto erotico molestada usando leggingver video porno mae gts malhando em casa sem calcinha seu pai vercasada coroa casera do buctaoatacada em estrada deserta pornodoidosexo mulheres 80klsGt25 fode menina nuasWww.osflagas.com.br/fotodetia bucetas gosmadasXVídeos a comadre com pai transando na Noite EscuraBlog atualizado da casa dos contos eroticos paguei ´pra deflorar a filha do caseiromulher enfiando um pepino enorme na buceta fazendo barulhoSexo com fucionaria buceta apertadinha relatoscomida por um cavalo de verdade conto erticomorri de pornô com a Gretchen chupando uma pista de um homem no vídeo pornôMulher cagando na calsinhavideo pornoconto erotico corrompendofrede e barnei pega vilmachupei as rolas dos moleques da minha rua; contos eróticoscontos eróticos com fotos esposas estupradas submissasfotos de homem por trás da mlh fudendo ela dentro do banhero em pémagrinhas soquem pauzao. de 30 cm colica o pinto na buceta com saiapai pegou eu e meu irmao gay no sexo e entrol no sexoconto marido comeu meu curelato erotico uma madame na reformafilhinha provocando o pai e mostrando a piriquitinha só de calcinhabaxinha cochuda casada vingando xvideosbaixar as brasileira dois munto xnvdeodoce nanda parte IV contos eroticoscontos eroticos chantagiei minha tia e comi elaboafoda.comfarofasacolinha da bundonaezibi vizinhas goistozavídeo pornô eu estava dormindo a bunda e 20:13 me comeu na marraVendedora gostosa do shoppingcontos eronticos batedo uma quando a vizinha viuPinto do filho contos eroticosconto isso Júlia peida 2018contos eroticos - an american talex videos.com enrolando o priquito da novinhagatinha carinhosa sentando gostoso xvideos.comas irmazinhas putinha da cidade de Catanduva sp.monlne da boseta grande gosando sozinha da boseta bem traquinhacontos eróticos mamãe deixa o papai me comervídeo de sexo de Osasco heloisa dando o cu para doisminha mulher me arrombou com um pau de borrachaporno lesbicas forcam colega a lambelasvarios roludos comendo a mocinha no campomorena.gostisa.gosando.de.isguinxoscontos eróticos minha mãe greludacontos eroticos gay os adultos me dizia filhinho vai chupa é o pirulitaorabudas brasileiras pedio arego no cu pitudosTema VampiroCasa Dos Contos Eroticos zdorovsreda.rusou encanador sexofilho.come come.ame.em.galdo.comdormi.em.pornoVídeo mulheres grávida de nove mês com homens bem dotadominha mãe irmã vovó conto eróticonifetihha loira levado no cu amarada sei dogostosas com traseiro largo de biquinesaceitei ser corno blogDormindo e pai comendoxx.comcontos incesto filho adora ver mae mijarCasa de Contos fodas a uma cadela pitbull da vizinhacontos de filho encoxando mae no onibusminina. bricandu con celula. caio na neti de calcinhaobreiro da universal punhetando