ANA DE FARIA É FINALMENTE DESCABAÇADA


Click to Download this video!
Um conto erótico de Ehros Tomasini
Categoria: Heterossexual
Data: 07/12/2015 11:19:20
Última revisão: 07/12/2015 11:36:12
Nota 10.00
Assuntos: Heterossexual, Anal, Oral

O CRIME DOS VIEIRA DE MELO - Parte 20

Nos dias que se seguiram, Ana de Faria viveu os melhores momentos da sua vida. André Vieira, seu marido, era o homem mais gentil e atencioso que já conhecera. Tratava-a com muito carinho e, quando ele não estava no quartel, os dois estavam sempre juntos. Recolhiam-se para o dormitório cedo e eram os últimos a acordar no dia seguinte. Ignoravam quando a megera Catarina Leitão lhes cobrava um neto. Ana dizia que não estava interessada em um filho tão cedo e o jovem a apoiava em tudo que dizia, principalmente quando ia de encontro à mania de controlar as pessoas que a mãe tinha. O velho Bernardo Vieira era mais discreto, mas não disfarçava a ansiedade de ver o filho provando sua macheza emprenhando a esposa. Com isso, calaria a boca das pessoas na Vila de Olinda que viviam dizendo que André Vieira não gostava de mulher.

No entanto, não era isso que ele demonstrava à jovem esposa entre as quatro paredes. Sabia chupá-la com maestria e Ana se sentia no paraíso quando recebia dele sexo oral. Ela foi também aprendendo a masturbá-lo e satisfazê-lo com a boca, e o marido adorava quando o lambia dos pés à cabeça, às vezes lhe mordiscando as bolas ou lhe engolindo totalmente o enorme pênis em riste. Foi penoso para ela, no entanto, a primeira vez que fez sexo anal com o jovem esposo. Principalmente que ele só costumava fazer algo diferente com ela quando estava visivelmente embriagado.

Certa vez André Vieira demorou-se no quartel, onde servia como alferes, e chegou em casa com os olhos injetados, típico de quem esteve bebendo. Ela ajudava umas escravas na cozinha e foi bem dizer arrastada dali pelo moço que disse em voz alta, diante dos serviçais, que daquela vez queria algo diferente. As negras ficaram rindo às escondidas, adivinhando o que o patrãozinho iria querer da esposa.

Sim, André Vieira viera disposto a enrabar Ana de Faria. Como estava visivelmente embriagado, dessa vez não foi nem um pouco carinhoso com ela. Assim que fechou a porta do quarto, lhe rasgou literalmente o vestido, impaciente com tantos panos. Ana pediu que ele fosse gentil, já que também adivinhara suas intenções, mas o jovem parecia não ouvi-la. Ela negou-se a ser estuprada pelo próprio marido. Conseguiu se libertar dos seus braços e fugir do quarto ainda nua. O jovem a perseguiu, furioso, mas foi barrado pelo pai que defendeu Ana da sua fúria animalesca. Depois disso, passaram vários dias dormindo em quartos separados. Arrependido, o jovem pediu perdão à esposa e prometeu não mais se entregar ao hábito de abusar da aguardente.

Ana cedeu ao pedido. Mas, em troca, queria ser finalmente descabaçada. Já iam se completar cinco meses de casados e o jovem ainda não demonstrara nenhum interesse em desvirginá-la. Ele sempre usava a desculpa de que temia que ela ficasse grávida e o pai finalmente pudesse arrastá-lo para a guerra, já que deixava a esposa emprenhada. Morria de medo da guerra, como já confessara à ela. Mas Ana de Faria estava desejosa de ter sua enorme rola metida em sua boceta e até sonhava com esse momento. No entanto, arrependeu-se amargamente por insistir nisso. O marido tinha um pau enorme e grosso e ela não conseguiu aguentá-lo dentro de si. Depois de várias tentativas, a moça não suportou a introdução de sequer um quarto do volumoso caralho. Doeu demais, sangrou muito ao ponto de ela ter uma hemorragia. A escrava Violeta teve de cuidar dela, que até desmaiou depois desta tentativa de coito. Lastimou-se à negra e essa jurou encontrar uma solução para o seu problema.

Duas semanas após o ocorrido, Ana já se sentia disposta a uma nova tentativa. A negra Violeta disse que, se ela quisesse ser ajudada a ser desvirginada, deveria permitir que a escrava estivesse com eles no momento do coito. Ana tinha vergonha de trepar na frente de alguém, mas falou com o marido que incentivou a companhia da escrava naquela noite. Porém, ninguém deveria ficar sabendo. Muito menos sua mãe, D. Catarina.

Quando todos estavam dormindo, a negra Violeta bateu de leve na janela do quarto do casal. Esta encontrava-se apenas encostada e ela logo estava dentro. Trazia nas mãos um pote contendo uma seiva cheirosa. Disse ser babosa misturada com essência de flores. A pasta era usada por escravas virgens quando iam trepar pela primeira vez. Pediu que Ana subisse na cama e ficasse de cócoras sobre o marido, depois de ambos tirarem as roupas. Então, lambuzou a xereca da moça com muita seiva e também o pau já endurecido de André. Untou todo o cacete dele como se o estivesse massageando. Ana pediu para fazer isso, mas a negra a impediu, continuando o trabalho.

Na verdade, Ana estava com ciúmes. Mas a escrava se fez de desentendida e continuou a massagear. Depois, meteu um dedo untado da seiva na racha da sinhazinha e começou a friccionar ali, vez por outra pressionando o pinguelo. Não demorou muito ao casal ficar excitado. Aí a negra pegou o caralho do jovem e ficou pincelando com sua glande a entrada da vagina da moça. Quando percebeu que Ana estava ansiosa por pica, apontou o pau do sinhozinho para o meio da racha e conseguiu fazer passar a cabeçorra por entre os lábios vaginais dela. Antes que Ana pudesse se preparar para a dor, a negra espalmou as duas mãos na base da coluna da jovem, que já engolira entre as pernas a glande mais uns cinco centímetros do pau. Forçou o corpo da moça para baixo, de surpresa, fazendo com que ela se estrepasse no caralho enorme do marido.

Ana quase não sentiu o cacete lhe rasgar as carnes, de tão escorregadio que estava. Seu rosto ainda expressava a surpresa, quando sentiu o membro lhe invadir as entranhas e topar na entrada do útero. Ficou frustrada, achando que o pênis iria lhe trespassar a boceta e alojar-se em seu ventre, mas ele não adentrou-se além de um terço do seu tamanho. André tentou aprofundar a penetração, mas Ana gemeu de dor. Ele parou. A moça ficou suspensa sobre o corpo do marido, respirando com dificuldades. Aí sentiu a negra lhe lambuzar o ânus com aquela pasta escorregadia. Violeta tirou a roupa e posicionou-se atrás dela, encostando a ponta do seu longo clitóris no cu de Ana. Ela espantou-se com o formato e tamanho do sexo da escrava. Antes que dissesse algo, porém, André puxou a negra pelo braço, fazendo com que ela caísse deitada na cama ao lado do casal. Saiu debaixo de Ana e a posicionou sobre a negra, fazendo com que a esposa engolisse na boceta o grelo avantajado da escrava. Então, aproveitando que ainda estava untado da seiva, enfiou o pau lambuzado entre as pregas da mulher. Não precisou fazer muito esforço: o cacete duríssimo escorregou entranhas adentro, até o talo, deixando Ana embasbacada com a sua capacidade de esconder dentro de si uma trolha tão enorme e grossa. O pinguelo quente de Violeta também pulsava dentro da sua vulva, e ela experimentava uma nova sensação. Num instante, estava gozando pelos dois lados.

FIM DA VIGÉSIMA PARTE

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
07/12/2015 16:20:23
Delicia de conto muito bom adorei




Online porn video at mobile phone


contos eroticos feminino ajudei o porteiro negro a fuder eu e minha irma juntopornô marido broxa uma mulher dá para Oivideos porno mulher goza muito se afrouxa as pernasXvidio minha conhada so usa curtinhotia camisola sem sutiavidio de sexo munhe da ocu sem camisinha que senti a porra espiralpegei minha tia no banho buseta carnudacontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgeevangelicas na zoofilia com cachorrovidio pomo anunhe de qratoa mulher e amante apertalas bolas pornonegro pisudo comendo transex lisinho de calcinhahomossexualidade e voierxvideo roubadinha do namoradocontos eróticos de incesto uma competição entre a minha filhinha e a sua amiguinhatranzando no onibus com papai durante a viagen inssestoTia Selma o sobrinho já com rabo de fora vídeosporno doido extaziadas de prazercasada com o cu desmanteladocontos eroticos viajando junto com irma da igrejaconto erotico huntergirls71Contos eroticos sapatao machaocontos-a menina se confessou e deu o czinho para o padrexisvido prisioneraloria magria rosando napicaContos de casadas sendo estrupadas no morro baile funktio pega sobrinho debrusos pelado e enrabaflagra mulheres espiam homens pelados e se masturba até gozar de esguicharsobrinhogostoso ficando no colo do tio sozinho em casa dando o cucontoerotico namorada e mae putas do tio jorgecontos eróticos putinha dando o xiri e o cú primeira vezxxvideosabusando da virgem novinhacontos eroticos irma separada vem mora comigo comiporno das contos erotico de puta querendo rolaxvideos com mulheres seios fragidosCasada enegao anal marra contodona de casa dando o rabo subo bem dotado vídeo mostrar o vídeofilme de sexo com a minha sogra de remédio por meu sogro dormirxvideos mulher gpstosa por baixo da saia gg kkautor do conto erotico cunhada amamentandogarota dozela tocado xirica gemedoConto de incesto de ferias com meu pai na prai de nudismofilme de sexo homem transando com a irmã formatando computadorcontos eroticos gaysogromorena branquinha loirinha e azul viagem com a bumbum mais bate com a bumbum mais pulamenina que nao tem peito masgoza no pau gradeporno grátis cm gringa dando ate se amoleserContos erotico madrasta de biquini sem raspar o bucetao e o enteado hiper dotado fica doidovideo porno irmã bricano com seu imão e apiroca escurrega etraContos eroticos de sogras submetidas a dominaçao pelo genropauzudo fode bucetamenorcontos eroticos de mulheres ricas tendo o cu arrombado pelo borracheiropunheta da zefacontos eróticos de mulheres se vingando de rivalver video de porno brasileiro pedrero peludao suado comendo a patroua safadameu tio me  contos eroticos sete anosdei minha buceta no reformatório contos eróticos de incesto uma competição entre a minha filhinha e a sua amiguinhaXVídeos da Luz Sementinhawww. xvidius de cazadas sendo entre marido e i amigocontos eroticos verdadeiro minha namorada so deichava eu surra o pau na sua bundaporno de professora na forretaContos eróticos- bem novinha é desvirginada e grita de dorsamara tirando a virgindade da bucetaxisvedeo mae bebacorno veno esposa dano cu e falano que nao guenta pornodoidopornô perguntando se a esposa aguenta duas rolassexo pregando no fagarcontos eroticos uma doce de cunhadaassistir vídeo A Escrava tem a bunda toda cortada com chicotecontos soniferocontos sou rabuda e trai contosSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhaxvideo negao esfregando uma pica ezajeradaCONTOS GAYS ACABEI DANDO O CU PRO MEU INIMIGOconto erotico novinhado dando pos priminhos novinhoscunhado comendo o bucetao da cunhada de frango assadocontos.eroticos avo.peludo idoso bigodeMinha namorada seduzida pelo papo do pagodeiro contos de mulheresRelato de cornos submissovídeo de pornô senta na minha pica rebola Dodôvideos de sexo pratoa pegado a enpegada batedo uma xiriricaelq sentou ebsima do meu paucache:O_fz-T5lnJcJ:zdorovsreda.ru/texto/201202304 xvideos.com novinho.comda.comroka gostosavideo de cigano cacetudo fudendo outro homemxoxota XVídeos tio comprinhaszoofiliacontos erótico arrombada por um gorila