Casa dos Contos Eróticos


Click to Download this video!

A dama na sociedade a puta na cama

Um conto erótico de Gland
Categoria: Heterossexual
Data: 10/04/2012 20:17:32
Nota 10.00

A dama na sociedade e a puta na cama

Sábado de tarde. Abril, ainda fazia calor. Eu estava bem à vontade. Com uma bermuda de algodão sem cueca. E uma velha camisa de malha, bem fresquinha — daquelas, de estimação — e tênis. Sou divorciado, cinquentão, em forma, moro sozinho e ia fazer uma caminhada pelo bairro. A cidade é do interior mineiro.

Quando estava abrindo o portão da rua escutei barulho de derrapagem de moto e um grito. Em frente minha casa a mulher estirada ao chão gemendo. Ah... ...e motoqueiro, já distante, saindo em disparada, sem prestar devido socorro.

A vítima era loura, tinha pele clara, lisa e bonita. Ela estava com algumas escoriações. A saia curta suja do tombo. A blusa rasgada no decote punha à mostra seus seios grandes.

Quando me aproximei vi que nós nos conhecíamos, já havíamos conversado algumas vezes e trocávamos sempre cumprimentos simpáticos. Era Luisa uma famosa professora de Faculdade, diretora de escola, palestrante renomada, cheia dos cursos e de prestígio naquela região.

Que mulherão! Porém casada. O marido empresário era um galinhão, que bebia demais, se achava e aprontava todas, vivia a botar-lhe chifres e a desfilar com garotas novas para se exibir.

A Lu tinha lá uns quarenta e tantos anos, filhos casados e netinho. Havia sido linda e gostosa e conservava ainda esses traços. Moderna, vestia-se bem. E sem o menor constrangimento de mostrar as grossas e bem torneadas pernas e os fartos seios. Isso para delírio de alunos. E olhares furtivos de homens até respeitáveis, entre os quais me incluía. Mas ninguém ousava cantá-la, devido à austeridade que sua forte personalidade impunha.

De fino trato, Lu era socialite e superelegante. Daí seu constrangimento de estar — e o pior, de ser vista — rolando na rua e de pernas pro ar! Que situação, coitada! Algo inimaginável. Para quem a conhecia podia supor que a cena lhe representava um vexame. E esse fato, em sua cabeça, era mais grave do que o próprio acidente. Ainda bem que somente eu testemunhei... ...e a bela vítima me tinha na conta de homem discreto.

Eu a ajudei a se levantar. Prontifiquei-me leva-la ao hospital. Ela sem graça, agradecia e recusava. Aí, convidei-a a entrar. E a mulher ainda triste, esboçou um sorriso dizendo da satisfação por encontrar uma pessoa conhecida. Relutou e acabou aceitando. Explicou o acidente. Seu carro deu defeito. E quando ela saía dele e se encontrava sob a sombra de uma árvore, na beira da rua, acionando o telefone celular para pedir socorro ao mecânico, foi colhida pela moto.

Lu não havia sofrido nada de grave. Como ela estava um pouco zonza passei os braços sobre seu ombro e a conduzi para minha casa.

— Charles, por favor, gostaria de ir ao toalete — disse-me.

Busquei sua bolsa no carro dela e juntamente com a toalha mais bonita que eu tinha em casa, bati levemente na porta do banheiro e lhe entreguei. Nesse ínterim liguei para o mecânico pedindo-lhe reboque. Logo, logo ela saiu. Dei-lhe água e uma caixinha de primeiros socorros. A mulher passou methiolate nos braços e nas pernas que ardiam. Ela me pediu licença e deitou-se no sofá. Estava exausta, dizia. Fechei as cortinas das janelas e deixei o ambiente na penumbra para que ela se descansasse. Seu rosto no escurinho, sob seu corpo uma facho de luz. Preparei-lhe um suco de maracujá bem geladinho, dizendo-lhe que era para ficar mais tranquila.

O mecânico se anunciou no interfone. Fui a seu encontro e dei-lhe as chaves do carro. Disse à mulher que não se preocupasse que eu a lavaria mais tarde. Ela deu um largo sorriso de alegria por tanta presteza.

— Gosto de homem assim, decidido. Você é mesmo especial... Chegue até aqui, agache-se próximo de mim. Quero lhe dar um beijo no rosto em agradecimento por tanta amabilidade — disse-me Luisa.

— Você é uma mulher educada e bonita, merece ser tratada na palma da mão — eu respondi enquanto me curvava para receber seu beijinho.

Ela dependurou-se em meu pescoço, levantou o rosto, beijou-me a face. E soltando-se abruptamente de mim, como se escorregasse lambeu meus lábios os umedecendo com sua língua molhada.

— Hummmmmmm, desculpe-me quase beijo sua boca — ela disse com voz sacana.

— Fique à vontade, não precisa se desculpar senti-me premiado — eu respondi.

Luzia perguntou-me se eu podia passar o remédio em suas costas. Para atendê-la prontamente, sentei-me no sofá ao seu lado, relando-me ao seu corpo quente.

— Minhas coxas é o lugar onde mais dói, olhe os machucados... — ela esticou as pernas levantando mais a saia insinuando que eu olhasse.

— Pôxa, que hematoma! — Eu lhe disse me curvando-me e colando o corpo sobre o dela.

Em ato contínuo eu assoprei os ferimentos de suas coxas. Ela sentindo-se o alívio deu um suspiro de satisfação, agradeceu e disse-me que eu era muito gentil e carinhoso. E que naquele momento estava ainda muito assustada. Começamos uma conversa descontraída, inteligente e simpática.

— Eu me sinto carente, necessitando de atenção. Gestos carinhosos assim como o seu assopro me fazem bem psicologicamente. Preciso de um bom colo — disse-me Luisa com um sorriso e uma piscadinha de olho marota.

— Quer colinho? — sorri e continuei — então venha pro meu — eu disse-lhe, batendo a palma da mão sobre a coxa.

— É o que mais quero! E você caiu do céu para mim. Está me dando atenção especial e um carinho que me comove. Você é um gentleman — Lu falou olhando-me nos olhos.

Alisei vagarosamente seus cabelos louros e macios. A mulher de provocante blusa decotada e saia justa e curta, como uma gatinha remexeu-se. E mansamente pôs a mão sobre meu joelho e a deslizou sobre a perna. O toque me deu doce e incontrolável sensação acelerando as batidas do coração

— Ah que bom! Há quanto tempo homem nenhum me encosta. Estou carente de tudo. Quero literalmente seu colo — Lu simulou um tom safadinho.

— Venha, deite-se no meu colo, quero lhe fazer cafuné... — falei-lhe enquanto deslizava a mão sobre seu ombro.

— Estou até arrepiada de tão carente e emocionada — ela disse enquanto escorregava a nuca sobre minhas pernas.

— E seu marido? — perguntei-lhe.

— Há mais de ano não temos relações. Ele me esnoba e só quer menininha — Lu se lamentou.

E simultaneamente ao que falava, agia. Sua mão branquinha se agarrou à minha perna moreno-clara. Ali se escorou para pousar a cabeça sobre minha coxa. Senti o abdômen coberto pelos cabelos esvoaçados. Em gesto felino, Lu espreguiçou-se e se acomodou como se estivesse no ‘travesseiro’ de estimação. Ficou enconchada. Suas pernas roliças, grossas, de pele clara, contrastavam com a saia preta e com a calcinha de lingerie também preta. Via-se em destaque o bumbum arrebitado, no sinuoso corpo deitado sobre o sofá.

— Ah, que colinho gostoso. É tudo que quero meu amor! — Lu em voz docemente melódica completou com um suspiro de quem se sente em casa.

Comecei a fazer-lhe um cafuné. Ela seguidamente respirava profundamente e soltava o corpo. Alisei-lhe as costas peladas, a nuca e os seios. Seus mamilos ficaram enrijecidos, sua pele arrepiada e sua respiração ofegante! E incontinente meu pau ficou duro.

Em busca de posição mais confortável, ela mexeu com o corpo. E empinou mais a estonteante bunda a oferecendo-me. Eu a alisei e ela rebolou em minha palma. Sua mão segurava minha perna, apertando-a e soltando-a rapidamente. Com a nova posição sua boca relou em meu pênis sob a roupa. Sentia sua respiração sobre ele. Em seguida seus lábios o tocaram e o beijaram. O pau deu umas estocadas e ela lhe deu umas mordidinhas sobre a calça, cujo tecido senti gostosamente úmido de babado.

— Nossa! Que pau gostoso você tem! — Lu exclama.

Enquanto eu passo as mãos sobre sua bunda e desço-lhe a calcinha, alisava seu reguinho ela piscava o cuzinho em meu dedo e abaixava minha calça para lamber meu pau.

— Delícia de cacete! Totalmente ereto, sem nenhuma curvatura, liso, perfeito, obra de arte: escultura, perfume francês... ...vou chupá-lo e admira-lo — a mulher estava em transe.

Eu tirei sua roupa, ela tirou a minha. E nus, deitamo-nos na posição de 69. Lambi seus lábios vaginais e em seguida introduzi a língua em sua bocetinha quente e molhada. Enquanto isso ela mamava meu cacete com maestria. Meu pau entrava e sai, deslizando-se sobre sua língua que o babava freneticamente em som característico e que me causava êxtase.

— Chupa meu clitóris, meu bem. Faça-me gozar! — Lu, grita.

— Lamba e saboreia meu caralho, ponha-o inteiro na boca e engula o melzinho que sai, minha putinha — eu lhe falei.

Seu grelinho que estava duro e ereto era lambido e sugado. A boceta encharcada.

Eu pus camisinha ela abriu as pernas e o cacete entrou xoxota adentro. Ela mexia, remexia, gemia de prazer. Eu dava-lhe estocadas e ela as sentia movimentando-se. Pedia mais, mais.

— Mete, mete, ponha tudo em minha boceta, amor! — ela pedia.

Ficamos alguns minutos gemendo, sussurrando, suando até gozarmos.

Fomos tomar um banho e voltamos. Combinamos de descansar, tirando um cochilo. E assim fizemos.

Ela deitou-se em posição fetal e eu a abracei pelas costas. Fiquei alisando seu rosto e seus cabelos. Ela relaxou-se. Fizemos silêncio e adormecemos.

Acordei com sua bunda relando em meu pau. Ela peneirava as nádegas sobre meu cacete que ficou duro.

Passei os dedos em sua boceta que estava transbordando de mel e untei bem meu caralho e também a porta de seu cuzinho. Ajeitei bem. O cacete deslizava no reguinho se molhava na boceta e se posicionava no rabinho adentrando o anel que se abria e fechava num pisca-pisca eletrizante.

— Rebole meu bem, meu pau está entrando em seu cuzinho enquanto eu vou tocar-lhe uma siririca — eu disse-lhe com voz ofegante.

— Coma meu cu, meta, meta, meu macho! — ela respondeu enquanto mexia os quadris.

Foi uma das grandes fodas que tirei. Uma grande mulher, quente, sexy, carinhosa e que gostava de meter.

Na manhã seguinte encontrei-me com seu marido no supermercado. Comentei com ele sobre o acidente da esposa. Ele com um riso desinteressado deu de ombros e respondeu-me:

— Ela se encontrava em boas mãos. Naquela hora eu estava com a namoradinha — e completou com uma gargalhada irritante.

Telefonei para Luisa e marcamos novo encontro. Com discrição eu e ela mantivemos um relacionamento a partir daí. Saía até faísca.

Enquanto escrevo o texto ela está me chupando, gemendo e babando em meu pau...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
02/05/2018 19:59:07
Parabéns pelo conto nota 10
06/02/2013 15:33:41
Adorei, parabéns. Obrigada pelo comentário no meu conto. Bj
26/01/2013 11:04:15
O conto é excitante pela realização da fantasia e pelo inesperado. Um cenário propício e convidativo. minha mulher ficou com inveja. dez, com louvor.
26/01/2013 05:52:51
Caralho que delicia de conto tire fotos dela e mande pra nós. Sigilo
13/04/2012 15:57:38
Parabéns pelo conto,e nota mil por vcs dois,boa sorte pra vcs...bjss




Online porn video at mobile phone


dois negros de 40cm de pau no rabo da intiada e sublinhaconto de comi o cuzinho da minha neta com a pica grandegostosas minisaia enos debaixodelasmulhernopaudo boixvideos.com Juquinha comendo a jumentaben10 estupando a gwanDepois de uma pessima massagem uma transa muito quente-pornodoidoconto erotico dos mauricinho ricos com gaydesdobrando para depois comer XVídeosmarisa chupando meu paux vodios popas e bosrtonaContos eroticos de mamae e filhas gulosas mamando nos pauzao grandao grossao dos cinco filhos numa suruba em casaxvideosdificil pra vc lukashopar moto fazer campo grande msjaponesa novinha no ginecologista fica excitada no examevidios porno mae dilinhocasa dos contos "eu mudei por ela 4" marisbucetas beiçudas de sogragueixa mijonacasos amad fragra i gosand ponh casaprofessora safada falando putaria pro donzelorelatos eróticos porca nojentaPorno xisnvidio podolatria lesbicas por pesmorena d********* de ladinho atropeladaeuconfessosograxxvideo pai chama enteada para passa sabonete no corpoporno so vidio reral tiramo a vingidadecontos erotico flagrado pela a sogra no banhoseminarista transa colega de quartoContos sou casada e chupei dois caralhos ao mesmo tempoenpregada safada acedia filho do patrão e coloca sua filha para participar do sexo xvideoCasa dos contos eroticos.lambendo.escondidaconto erotico gay perseguiçaoroselena insaciávelconto hot meu bisneto mamavaestuprei amenina e rasquei cu zinho delaContos eróticos noviças gostosonas dando o cuzinho no conventon********* tomando esculacho de pica brutamonte da tardewww.relato erotico mulher cazada gemeu na pica glande.com.brcontos masexitantesxvideo porno filme erotico de traisao esposa infiel traino com melho amigomulher chupa priquito de amiga sa empreme vou gosamundobicha ver tres brasileiros novinhos se cumendo em casaraoa loira do olho azul me chamou de Zé tacudo e eu falei assim vai tomar no seumulherzinha gostinho se exibindo na praia só de biquínixvideos. buçetá de eguacasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetaquanto a mãe tava cantando a repressão a novinha tá f****** com padrasto quero ver no vídeovideo belmiro o caseiro caralhudocontos eroticos gay virei chupeteiro dos senhoreconterotico o penis do ev irmaonao sabia q seu pau era tao grosso assim meu cu ta doendo xv incesto evangelicavideo a "crente bundeira"contos de incesto cumadrecontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgever filme pornô comendo a b***** da minha cunhada rosanes e gostosaConto erotico sou madura vadia e filhofatima encarando um caralhaoestupro esposa contos eroticosde calsinhamocaContos sogra safada e fogoza seduz e se apaixona por seu genro e trasa eleirmanzinhas novinhas peladinhas no quarto d irmao1minuto xvideosfruta porno fudendo a sogra gordinha com rachavídeo porno amadores encostano a pica na buseta cabeluda da intiada durmidoContos eróticos tarados na madrugadaxxxxxvideios minha irma doida lor paudominando um casalconto desconsido arebentou meu cuvideos de sexo de travestis com cheiro a chule