Sofia - Paizinho, cobre a Sandrine para mim... (I)


Um conto erótico de PauLuso
Categoria: Heterossexual
Data: 06/09/2011 09:33:41
Última revisão: 01/01/2012 20:53:12
Nota 10.00

Continuação da saga de contos de Sofia. Para perceber o enredo e o encadeamento, convém ler os relatos anteriores!

*************************************

Depois da sessão de sexo em que Sofia quis que eu comesse a minha esposa e sua mãe, na sua frente, enquanto ela se encontrava sob o efeito do sedativo, ficou a promessa da minha incomparável e insaciada filhota de que outras festas viriam e com surpresas.

Não era estranho que assim fosse, pois Sofia mostrava ser cada vez mais uma devoradora de caralho, sempre pronta para ser bem fodida, demolidora na arte de abocanhar o cacete, de engolir a vara naquela fenda anal, de cavalgar o alazão masculino até que as bolas quase fossem engolidas pela sua vulva ninfomaníaca.

Como sempre, o segredo era, para ela, a alma do "negócio", e a surpresa seria, para mim, como que um prémio para a minha entrega sem condições aos seus desejos e devaneios libidinosos.

Nem me passava pela cabeça o que me esperava, embora conjeturasse inúmeras hipóteses, que passavam por cenas bem ousadas em lugares públicos, numa sala de cinema, na escada do prédio... sabia lá o quê!

Um final de dia, tarde quente e bem luminosa, Sofia ligou para o meu telemóvel e, com uma alegria incontida, avisou:

- Paizinho... olha, já tenho a próxima sessão de foda organizada! Agora temos que garantir que a mãe não vai atrapalhar mesmo.

Fiquei pensativo a assimilar a informação recebida. Ela continuava a falar:

- Sabes, tem que ser tudo bem combinado, para não dar azar. Olha... quando é que podes ficar uma tarde livre? É que preciso saber para combinar tudo sem falhas.

Caí na real e percebi que a coisa iria decorrer lá em casa, num dia de semana, durante a tarde e que eu precisava, além de ficar disponível, de garantir que minha esposa e mãe de Sofia não iria aparecer de maneira alguma.

Senti um calafrio e ao mesmo tempo a adrenalina crescer. O risco tornava a coisa ainda mais saborosa, como sempre, mas a situação poderia levar a um estado tal, que, a qualquer altura, poderíamos ser descobertos. Era perigoso! Eu a comer a minha filha, sabe-se lá em que condições, e ser flagrado! E a fazê-lo, ainda por cima, em minha própria casa e, possivelmente, na cama onde eu e minha esposa dormíamos e fazíamos sexo... Era o deboche total e a maior das insanidades humanas. Era a força incontrolável do sexo, que dominava a ambos. Dum lado o tesão exacerbado da juventude, sentida por uma ninfa de pouco mais que dezanove anos, e do outro a virilidade animalesca de um adulto, pai, que não dominava a sua libido e se entregava à maior das sacanagens, sentindo-se o macho dominador.

De facto, não era dominador coisa nenhuma; Sofia sim, Sofia dominava como queria e a sua vontade era, ainda que questionada, lei sempre aceite e cumprida.

Sofia ainda não terminara a sua conversa, demonstrando uma ânsia de atingir rapidamente o dia e a hora para satisfazer mais uma das suas taras de fêmea, cujas hormonas fervilhavam intensamente:

- Ah, não te esqueças de tratar de ficar livre... Preciso de ti bem fresco e charmoso! Com um pau bem grosso e duro, a pingar de tesão. Vais cobrir que nem cavalo! Vais enterrar sem dó! A conaça até vai ferver de levar tanto caralho! Ah... até já estou a ficar toda ensopada na coninha. Que tesão, paizinho! Olha, logo falamos e vê se já me sabes dizer quando pode ser. Mas terá que ser para a semana! Sem falta!

Desligamos e eu fiquei a meditar naquela nova foda que Sofia estava a preparar. Uma foda que precisava de uma organização prévia, com detalhe. Que implicava ser cuidadoso e não deixar nada ao acaso.

Já tinha fodida Sofia de todos os modos possíveis. Na boceta, no cu, na boca, 69, espanhola, de pé, minete, à canzana, de cadeirinha, apenas os dois e até na presença de minha esposa e sua mãe (embora ela estivesse sob o efeito dum forte sedativo)... Que estaria ela a magicar agora? Porquê em casa, a um dia de semana, de tarde?

Bem, o trabalho exigia concentração e, embora sempre voltasse ao assunto, acabei por chegar ao final do dia e voltei a casa.

Minha esposa havia chegado há alguns minutos, mas Sofia ainda não regressara da escola, o que não era normal nela, pois era muito cumpridora dos horários e quando se atrasava avisava sempre. Inquietei-me e o meu pensamento voltou ao telefonema que ela me fizera. Será que o seu atraso tinha a ver com a organização da foda que ela anunciara?

Disfarcei o embaraço e a preocupação e, em jeito de conversa para passar tempo, perguntei a minha esposa:

- A Sofia não disse nada? Não costuma atrasar-se sem avisar!!!

Minha esposa respondeu enquanto se deslocava para o WC:

- Não, nada! Mas não deve tardar, com certeza! Vou tomar um duche!

Fiquei sentado a ver um programa de televisão e, decorridos três ou quatro minutos, a fechadura rodou e Sofia entrou em casa, sorridente. Minha esposa continuava no duche.

Ao aproximar-se Sofia questionou, por gestos, acerca da presença da mãe. Também com gestos respondi que estava a tomar banho. Sorriu a danada e com os olhos bem fixos nos meus disse, a meia voz:

- Paizinho... Já está tudo combinado! Só falta tu dizeres quando é que podes!

E chegando-se a mim pendurou-se no meu pescoço e colando os seus nos meus lábios entregou-se num beijo de língua que me levou, de imediato, a uma rijeza sexual feroz. Ao sentir o meu caralho assim duro, Sofia apalpou com firmeza, abaixou-se e, sem qualquer pudor, abriu o fecho das calças, sacou o trambolho duro para fora e abocanhou-o ali mesmo, com desenvoltura e total gulodice, mamando-me com gosto.

Eu gemia, sussurradamente, enquanto lhe agarrava a cabeça estocando na sua boca a dureza do meu pau. Fodia-lhe a boca, como se lhe fodesse a coninha. Ela engolia até ao nó, deliciando-se com o broche que fazia. O tesão era tal que em menos de dois minutos senti que me ia esporrar e anunciei a explosão. Sofia levantou os olhos para mim e meneou a cabeça pedindo que lhe esguichasse o leite na boca e garganta. Não havia nada a fazer, estava já a vir-me em fortes golfadas na boquinha gulosa de minha filha. E ela, de joelhos, saboreava o esperma que lhe acabara de entregar, engolindo tudo e lambendo os lábios, mostrando a língua a escorrer o meu suco. Levantou-se e guardou o meu membro flácido, embora bem grosso e avermelhado da função, dentro das calças, que fechou. Sorriu e depositou nos meus lábios um beijo suave, com odor e sabor ao meu esperma. Levantou a saia, afastou as cuecas totalmente encharcadas dos seus líquidos vaginais e disse, em surdina:

- Estou pronta para uma foda, paizinho... Estou toda ensopada! Mas agora não podemos, eu sei! Mas esta noite vais ter que ir visitar-me ao quarto e pelo menos dar umas boas espetadas em mim. Quero sentir o teu caralho na minha cona fodilhona. Se não gozar não faz mal, mas tens que me enterrar na cona!

Abanei a cabeça em sinal de confirmação e Sofia foi até ao seu quarto para estudar um pouco.

Uns minutos depois minha esposa saiu do banho e, com uma toalha enrolada em redor das mamas e tapando o sexo, dirigiu-se ao quarto, tendo de caminho perguntado:

- Ainda há pouco pareceu-me ouvir uns gemidos aqui... O que era? Que se passou?

Fiquei atónito, embora tenha procurado disfarçar. Ela ouvira os meus gemidos, enquanto Sofia me chupava o cacete. Respondi, tentando ser credível:

- Gemidos? Aqui? Estás a ouvir coisas! A Sofia chegou, eu estava aqui a ver televisão! Só se foram sons da televisão! Gemidos? Que gemidos?

Ela não deu importância e foi à sua vida. Eu fiquei ali mais pensativo e angustiado do que nunca. A situação não podia continuar assim, sem controlo. Fui até ao WC e lavei as evidências do broche que acabara de me ser feito. Saí e fui até o quarto de Sofia que acabara de ligar o seu PC e falava com uma amiga no messenger. Fiz sinal e pedi que me ouvisse. Sofia voltou-se, de pernas abertas e mostrando a rata sem cuecas. Fiquei de novo em estado de sítio, mas falei.

- Sofia, a mãe ouviu gemidos enquanto tomava banho. Temos que tomar cuidado, filhota. Isto ainda nos vai sair mal. Não podemos ser tão impulsivos. Temos que parar com estas loucuras.

Sofia, sentindo-se triunfante, sorriu e subindo a saia disse apenas:

- Não te esquives logo. Ela está pronta para engolir o teu alazão tesudo. E não te preocupes... Vai! Vai lá fazer companhia à tua esposa, que eu vou acabar de combinar aqui uma coisa, com uma amiga!

Voltou-me as costas e continuou a escrever no messenger. Eu saí meio angustiado, mas a babar de vontade de saltar de novo para aquela cadelinha no cio, que ainda agora me mostrara o seu tesouro - o meu tesouro róseo!

O tempo passou e o jantar chegou e decorreu sem contratempos.

Depois e até cerca das onze e meia da noite assistimos a televisão, enquanto Sofia, fechada no quarto, estudava ou preparava alguma das suas. Quando o sono chegou, dirigimo-nos ao nosso quarto de casal e deitámo-nos. Antes passámos no quarto de Sofia a desejar boa noite. Sofia, comportada, retribuiu. Mas não deixou de piscar-me o olho, em sinal de alerta para que não me esquecesse do que estava combinado. Disfarcei, mas não me tinha esquecido. E como poderia?

Lá pelas duas da madrugada levantei-me, como se fosse ao WC, e dirigi-me ao quarto de Sofia, que continuava agarrada ao seu PC, digitando mensagens com amigos. Logo que me viu sorriu. Levantou-se e lançou-se num abraço. Ao meu ouvido falou:

- Queres foder-me agora, paizinho? Estou prontíssima. É só encostar e espetar que escorrega todinho. Já estive aqui a coçar o grelo para o manter lubrificado. Estava ansiosa para ficar de cadelinha e tu encravares em mim essa ferramenta grossa e dura. Vem! Vou desligar com este meu amigo. Já me fodes, pai!

Dito e feito, em um minuto Sofia estava agarrada ao meu pau e punhetava com gosto. Mamou por breves segundos para o deixar lubrificado e foi colocar-se, de pé, curvada sobre a sua cama, oferecendo-me a greta, por trás. Tomei-a pelas ancas, encostei nela a estaca endurecida e latejante e mandei fundo, com ambição e desejo.

Sofia gania baixinho e pedia:

- Mete, pai, mete todo até aos colhões. Quero-me esporrar todinha nessa estaca! Estou a tremer de tanta tesão! Ah, caralhão bom! Fode, cavalo! Goza comigo, vai! Goza!

Em breves estocadas Sofia anunciava que ia atingir o clímax e eu, perdidamente envolvido naquela sacanagem incestuosa, segurando a presa pelos quadris, e estocando nela com força e sem dó, anunciei esbaforido, mas fazendo por conter-me quanto ao barulho:

- Ah, caralho... Vou-me esporrar todo nessa greta quente e fodilhona! Toma esporra! Toma leitinho do paizinho, filhota! Toma, minha putinha, gulosa!

Sofia desengatou de mim e, enquanto colocava um toalhete entre as pernas, abocanhou o meu caralho que pingava e chupou as sobras do meu gozo, olhando-me deliciada.

Rapidamente me recompus e, depois de um beijo suave nos lábios, despedi-me:

- Dorme bem, meu amor!

Sofia meneou a cabeça e disse, visivelmente satisfeita:

- Vou dormir, sim, meu macho! E amanhã quero saber novidades, quanto ao dia da nossa festinha! Não te esqueças!

E lançou-me um beijo com a mão aberta e melada do meu esperma.

O novo dia traria mais novidades e outras alucinantes aventuras.

(Continua)

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
07/09/2011 09:38:14
Adoro uma mulher safada. Daria tudo prá ter uma mulher assim ao meu lado! Como daria. Qq mulher interessada num cara liberal, de Belo Horizonte/MG, imune a ciúmes e amante de uma mulher que ande com a buceta fervendo de vontade de dar, faça contato. Adoro dividir uma mulher numa transa...rs...
07/09/2011 05:20:11
Caramba! Vai ser ninfomaníaca assim lá longe... E o pai é que tem que ser forte nessa hora para poder aguentar tantas fodas seguidas, né?




Online porn video at mobile phone


conto erótico de novinha q transou em acampamento evangélicoPomba gira gostosa cavalas MTcontos de sexo depilando a sograwww.xvideos festas esposa branguinha mini saia preta corno manda amigo da drnks e sexofaminta engole a piroca do padrastoconto erotico de nora e sogro acanpandocontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgemulheres da bunda grande dando cu de bruço pro kid bengalaquero ver um cara de pau de 90cm pegando uma novinha e fazendo ela gritar e gemerso conto erótico corno humilhado pela esposa peituda no casamento delesesposa buceta escorrendo camisinha estoura cabine erotica corno narravidros prno insetos fodendo mae emprensadamulher passa margarina ela pelada e no cu bem gostosocontos eróticos minha esposa se confessando com padrevídeo pornô com Edinalva com a b***** bem cabeludaContos porno com motoristafiquei de camisola e sem nada por baixo e levei varaperdendo a virgindade com o meu namorado e elearromba minha bucetacontos meu genro adora cuTravesti fica olhando sua amiga recebe crempe analvirei mulher conto eroticonalvinha fudendo com homem mas velhorcontos de novinhas iniciada na webpau grande o rabãoxvideo.comConto porno ui ui ui meteconversa com coroa carente cellTias fodendo na sala com subrinho e marido outro comodoconto erotico puteiroxxvideo mae deis filho mao goza denta bctconto garotinho de sorte tranza com vizinhaSearch gosano na buceta da irma na piasexotc.comcontos de crossdresser forçadosou virgem porque meu tio so chupava minha bucetinhanovinha magrinha mija na pica grandePernambuco que as mulher que tira o short bem curtinho se oferecendo Boys novo aquelas coroas tambémempresários do pau grande transando com homens mais lindo do mundo e musculosos e gostosos na pisina mete o pau grande que sai sangue misturado com gala gostosasmae gostosa malanhao a buceta deixando filho de pau durovirando gay no pique escondedopei a irma da minha namoradapornocontoincestossobrou muita pica pra fora da xavasca da crioulaComo se escreve “ manda video porno ” em inglesContos eroticos no sitio mas meu cunhado safadoContei para meu marido que ele é um cornocontos erotico abusando da irma pequenaVamp19- Casa Dos ContosMenina pedendo cabaçoxxvideoconto erotico estuprado pelo lobisomemcontoseroticos/comadre rabudaCarol tentroquero ver um pauzao numa buceta e o negao batendo com uma pinhola p dar o cu gostosoautor do conto erotico cunhada amamentandobaixar xixi pornô caseiro marido vai trabalhar mulher chama mecânico arruma carrocontos eiroticos leilapornxvideo shortinho golado reladojumento racudo comendo xota da mulher zoofiliacontos de sexo no carro com um cara aiii metiii maishttp://comto erotico massagista erotica colocando dedo no cú da menina virgemconto erótico Eu e o meu marido no bar da perdiçãobiba boqueteras pornofilmes pornodoido marido da sua esppsinha magrinha par a um negrap do pau enorme tora ela ao meionovinha brasileira encara pau enorme e chora ponodoidoporno secretaria aser estupprada no escritorio e gozada dentro da vagina sem ela querercorno frouxo contoContos erotico pai gay viaja com o filhoconto erotico gay macho dominador gosta de maltratar viadofeira zendo fudida em xvedeoscontos eroticos carona gostosa com a filhinhavídeos porno caseros esposinha fazendo suruba com 3homvideos porno boquete em purando a cabeça xvideos.commeu bundao esta seduzindo meu filho filmechupando buceta e colando velcox videmulheres dos bicos dos seios bicudos tratantes pornôwww.xvideo.garoto fas sexo com propria tia virgebucetinha apertadinho arregassano xvideovaldir.piricudocontos de zoofilia com macaco bem dotadoxvideos de puta arrolbadacontos eróticos irmao roludo arrebentou meu cabaçoconto erotico no prontosocorrotravest rabuda d ginasioso conto erótico corno humilhado pela esposa peituda no casamento delesconto erotico dentista carinhosaponodoido comendo a cabeleira enquanto a esposa arruma o cabelo completomenina tranzando escodido de nove anosporno piruca cabeçuda na novinha