Casa dos Contos Eróticos


Click to Download this video!

UM MENAGE NUMA NOITE SEM FIM

Um conto erótico de Kct69bcta
Categoria: Grupal
Data: 28/07/2011 14:03:28
Nota 9.00
Assuntos: Grupal

Saudações!

Falando com amigos mais novos, me indicaram esse site e após a indicação acompanho sempre as histórias postadas aqui. Acompanhou outros sites do gênero também, mas com certeza a Casa dos Contos é o melhor do gênero, por isso a escolha para a publicação.

O que aconteceu e que você, quem sabe?!, vai ler nesse relato é totalmente verdadeiro, ocorreu de fato. Não é como umas e outras histórias que, apesar de bem escritas e com muita pornografia vê-se que são apenas fantasias. Entretanto, aconteceu há vários e vários anos e somente agora posso relatar e oferecer a outros a oportunidade de ler, imaginar e quem sabe vivenciar experiências semelhantes, por isso minha memória poderá me trair em algum momento não relembrando alguns detalhes, mas vou relatar exatamente o que ocorreu, sem inventar nada daquilo que me lembrar.

Hoje estou beirando os 70 anos e já não estou mais na ativa, mas o fato ocorrido foi no final dos anos 1960 começo de 1970 em que eu tinha entre 25 e 30 anos. Demorei para expor publicamente a agitada vida sexual que passei a ter depois de me instalar em Curitiba, no Paraná, pois minha esposa nunca concordou com isso, infelizmente ela não esta mais fisicamente comigo e, portanto posso relatar e publicar nossas aventuras sem causar constrangimentos e problemas.

Nesse relato vou iniciar contando como tudo começou, tenho mais de vinte relatos escritos contanto nossas estripulias, nossas surubas, menages, transas loucas que tivemos com nossos amigos, amigas individualmente ou com casais e com o passar dos dias vou remetendo para leitura dos que acessam esse site.

Inicialmente, e somente nesse relato, vou contextualizar para que essa história seja entendida perfeitamente. Caso, você que está lendo, queira somente saber como foi o sexo, como foi a transa, poderá pular diretamente para ler a partir de UM MENAGE NUMA NOITE SEM FIM.

Bem, meu casamento modificou-se de uma maneira incrível e para deixa-los a par do que eu e a Lúcia, minha esposa, vivíamos vou contar alguns detalhes sobre nós.

Isso tudo porque o fato ocorrido foi inesquecível, mesmo depois de mais ou menos 40 anos revejo as cenas como se tivessem acontecido há minutos. Isso mostra o quanto foi transformadora, importante e contundente para mim e, como ela me disse milhares de vezes, para ela também. O quanto mudou minha vida, o quanto foi profundo!

Começo esse relato contanto o início da minha história com a Lúcia. Morávamos no interior do estado do Paraná, cerca de 70 a 80 km de Curitiba. Eu era comerciante e ela professora, nos conhecemos na única escola do município, namoramos desde a adolescência e nos casamos muito novos, eu com 20 e ela com 18 anos. Minha experiência sexual vinha de uma única ida a uma zoninha na rodovia que cortava a cidade. Ela casou virgem.

Nós éramos uns verdadeiros idiotas quando nos casamos, não sabíamos de nada, muito menos de sexo. Aprendemos um com o outro, mais tarde com revistas e filmes pornográficos que eu levava para casa fomos aprendendo um pouco mais.

Entretanto, ela não aprendeu quase nada com as irmãs e a mãe, afinal foi criada sob um regime católico muitíssimo rígido e conservador de cidade interiorana onde qualquer atitude de liberdade era reprimida e mal vista.

A Lúcia era uma pessoa muito recatada, muito mesmo, mas não tímida. Era sempre comedida, sempre se vestia de maneira a deixar pouco do seu belo corpo à mostra. Eu, também criado da mesma maneira, era um pouco mais rebelde, mais libertário, mais extrovertido também.

O tempo foi passando e nossa vida era bem rotineira. Casa, trabalho, casa nos dias da semana e casa, igreja, casa nos finais da semana. Vez ou outra uma festa de aniversário aqui ou ali de parentes e amigos. Bem sem graça, mais isso mudou e você vai saber como.

Com o passar do tempo a Lúcia foi estudando, fez faculdade em Curitiba. Eu também estudava, íamos e voltávamos juntos para a capital e fomos melhorando nossa condição. Foi quando, depois de concluir os estudos, surgiu a oportunidade de trabalhar num órgão público na área que eu havia me formado. Com a minha ida para trabalhar como funcionário público em Curitiba tive que me mudar para a capital paranaense.

Ficava nos dias de semana em Curitiba e nos finais de semana voltava para o interior, isso aconteceu durante um ano todo. Vez ou outra ela viaja para Curitiba para passar o final de semana comigo. Como eu morava num apartamento pequeno era muito ruim, ela reclamava muito disso.

Quando eu viaja para casa descontava tudo que podia, afinal nossa vida era bem rotineira como já disse e a rotina era sexo quatro vezes por semana no mínimo. Apesar da Lúcia ser recatada ela sempre gostou muito de sexo e, claro, eu a acompanhava nesse gosto, pois eu também sempre gostei muito, por isso fazíamos sexo com muita frequência.

Como ficava sozinho em Curitiba e ela sozinha em nossa casa no interior trocávamos alguns telefonemas que eram caros e difíceis, por isso eram poucos. Essa falta de contato nos causava imensa saudades em nós, uma grande vontade de nos ver e a cada novo encontro nos finais de semana era uma loucura pra tirar o atraso.

Assim que eu chegava em casa transávamos feito loucos, era algo muito muito bom mesmo. Transávamos de todas as maneiras possíveis. No banheiro, na cozinha, no quarto, na sala...não escapava nenhum cômodo da nossa casa.

Sempre que possível eu comprava um filme porno, em fitas Betamax ainda, eram poucos e difíceis de se encontrar mas eu conseguia vários devido ao fato de trabalhar num órgão público de destaque. Tentávamos as posições, tentávamos fazer igual ao que víamos nos filmes. Comprávamos sorvete, derretíamos chocolates para nos lambuzarmos...era muito bom. Passávamos sexta, sábado e domingo quase que só fazendo sexo.

Apesar de ser bom, era muito chato, muito ruim ficar longe durante a semana toda e assim que foi possível, a Lúcia pediu transferência para Curitiba. Vendemos o comércio, que eu já havia fechado, e nossa casa. Nos mudamos definitivamente para a capital.

Passamos algum tempo nos adaptando, apesar de eu já morar num apartamento alugado ela quando vinha reclamava de morar, de cozinhar, devido ao tamanho minúsculo da cozinha, de tudo...do barulho principalmente, por isso quando vendemos nossas propriedades no interior escolhemos um sobrado pra morar em Curitiba.

Não era o ideal, mas era o possível. Com excelente localização, ficava praticamente em frente a escola que a Lúcia trabalhava e a umas 5 ou 6 quadras do meu trabalho e foi a partir de quando fomos morar em um dos primeiros sobrados do bairro que tudo começou, de verdade, a mudar.

A mudança primeira foi com as amizades que a Lúcia formou. Muito diferente do ambiente vivido no interior na escola em que ela trabalhava. No antigo trabalho as pessoas eram bitoladas, velhas e rabugentas. No trabalho novo, na escola nova, as pessoas eram jovens como ela e eu, inteligentes, de bem com a vida e com as colegas professoras se mostrando muito liberais sob nosso ponto de vista. Os poucos professores homens do mesmo jeito.

Logo nos enturmamos, pois nós dois sempre saíamos juntos. Eram aniversários, festas e logo estávamos em bailes, discotecas, aproveitando tudo com uma turma muito legal.

A Lúcia, com tudo isso, foi ficando cada vez mais amiga de duas professoras, a Silvana e a Valquíria e com as novas amizades muitas mudança. A primeira mudança foi no visual.

Os cabelos compridos que a Lúcia cultivava foram cortados e ela ficou com o cabelo curto e jovial, pintou com mechas ou luzes, não sei bem o nome, mas ficou iluminada. Começou a usar maquiagem, mais adereços, ir a salão de beleza se arrumar. O melhor foi a mudança no guarda-roupas. Onde morávamos qualquer saia um pouco mais curta, uma blusa mais decotada ou uma roupa mais justa era motivo de comentários na cidade toda.

Peitos médios empinados, cintura fina, pernas grossas e um rostinho lindo a Lúcia sempre deseja vestir-se diferente do que tinha que usar, devido ao que se via na cidade, mas não era possível. Com a nossa mudança para Curitiba e as novas amizades da Sil e da Val ela começou a usar roupas mais descontraídas, mais soltas, pois as novas amigas a levavam para lojas e a acompanhavam impondo o novo visual.

As mudanças foram ocorrendo vagarosa e gradualmente. Eu estava percebendo e estava gostando muito do que estava vendo. Ela estava cada vez mais radiante, confiante, bela e madura. A Silvana ajudava nisso, mas a Valquíria além de ajudar no visual sempre dava orientações a Lúcia. Volta e meia eu ficava ouvindo as conversas delas quando a Val estava em casa. A Val falando sobre sexo com a Lúcia, falando como deveria me provocar e agir durante o sexo.

Quando estávamos trepando, eu e a Lúcia, sempre fantasiávamos a Val conosco, afinal essa menina era muito, mas muito linda e gostosa mesmo. Uma polaquinha de parar o trânsito.

Bem, a mudança no guarda-roupas ficou mais evidente quando fomos convidados para um casamento de um colega dela. Já havíamos ido a vários casamentos, mas sempre ela fazia os vestidos conforme os gostos da mãe, controladora e retrograda. Dessa vez, ela viu um vestido em uma revista que a deixou deslumbrante. Nada escandaloso, tudo normal para quem via, mas para nós e, principalmente, para ela era muito diferente.

Com um decote bem generoso, as costas toda de fora, a cintura bem salientada e mais curto do que ela costumava usar a Lúcia mostrava, pela primeira vez, muito do seu belo e gostoso corpo. Outra mulheres estavam vestidas mostrando muito mais, mas para mim aquilo era o máximo. Jamais havia visto a Lúcia se vestir daquela maneira. Ela muito alegre, sorridente, feliz, cheia de vida... estava realmente adorando aquilo. Sentia-se desejada, sentia-se mulher, estava confiante.

Quando estávamos saindo da festa fomos a um dos primeiros motéis de Curitiba porque não aguentávamos de tanto tesão. Foi uma noite/madrugada muito boa.

Esse tipo de situação foi ocorrendo mais vezes, ela gostando de se mostrar, usando roupas mais justas, mais decotadas. Como tudo acontecia devagar, gradualmente, tudo demorava para acontecer, mas estava acontecendo e isso era o que importava para mim.

Nas vezes que saíamos para nos divertir ela ia experimentando alguns tipos de roupas, às vezes usava uma blusa mais transparente, mais decotada. Em outra saída, uma calça mais justa, um saia mais curta, uma saia mais aberta nos lados eu não me dava conta dos olhares dos outros homens para ela quando isso acontecia.

Foi quando fomos a um bar, que tinha música ao vivo, que fui no banheiro e ouvi dois rapazes falando da Lúcia. Dizendo que tinha uma mulher linda e gostosa com vestido que tava deixando um deles louco. O rapaz falou que iria dar um jeito de mandar o contato dele para ela, mas tinha que ficar atento porque ela estava acompanhada. Os dois falavam muito da Lúcia, dizendo que os peitos eram gostosos e que queriam mamar naquelas belezuras, que eram empinados e grandes. Um deles falou para o amigo que a próxima punheta iria ser em homenagem aquela mulher gostosa e desconhecida para eles.

Demorei um pouco para sair do banheiro e quando saí vi um garçom entregando um papel para a Lúcia, procurei no bar e logo vi os dois rapazes sorrindo para ela e devorando-a com os olhos. Naquele momento foi que percebi o que estava ocorrendo. Fiquei muito puto da cara. Queria tomar satisfação com os rapazes. Parei, respirei e fui ao encontro da Lúcia e pedi que fossemos embora, afinal ela não gostava de escândalos e estávamos acompanhados de vários amigos.

Todos ficaram preocupados disse que estava passando mal e fomos.

Quando chegamos em casa ela não entendendo, perguntou logo o que estava acontecendo. Contei a ela o que eu tinha ouvido no banheiro do bar. Ela olhando bem para mim disse que não era para eu ficar com tanto ciúme porque aquilo acontecia sempre, que desde que começamos a sair para ir em bailes, discotecas, bares, festas sempre tinha algum homem olhando para ela, tentando alguma coisa. Disse que se sentia muito bem com aquilo, que se sentia desejada e que ficava feliz por aquilo.

Disse, também, que não comentava nada comigo porque sabia que eu era ciumento e que não queria que eu ficasse pensando “coisas” a respeito dela.

_Que coisas? perguntei.

Ela me disse que não era a primeira vez que recebia um bilhete num bar. A conversa fluindo e eu cada vez mais puto da cara com aquilo tudo. Então, ela me disse que se eu não fizesse nenhum tipo de escândalo ela mostraria uma coisa. Fiquei com medo e muito bravo com aquilo, mas me controlei e perguntei o que era. Ela disse que havia guardado vários bilhetes que haviam mandado para ela. Disse que tudo bem, que ficaria tranquilo.

Ela pegou vários bilhetes, alguns com data outros sem, uns amassados, uns bem escritos outros muito mal escritos, afinal eram mais de 30.

Os elogios que estavam escritos, as cantadas, as palavras obscenas eram muito estranho, muito diferente para mim, ao mesmo tempo em que eu estava lendo aqueles bilhetes e ficando cada vez mais bravo, mais nervoso eu fui notando, fui percebendo que a Lúcia estava com os olhos brilhantes, as mãos trêmulas, que se mordia nos cantos dos lábios rosados dela.

Ela ali com o masso de bilhetes e eu perguntei o que ela achava daquilo, o que ela pensava daquilo tudo, o que ela sentia e queria.

Naquele momento me dei conta que ela gostava daquilo e que eu não podia fazer nada a respeito. Ela me olhou bem nos olhos e disse:

_amor, a gente transa muito e é muito bom, mas eu tenho muitas fantasias. Eu sonho muito com sexo.

_Tá é normal, eu também tenho fantasias, mas e daí? Falei.

_Daí que eu guardo esses bilhetes pra ficar fantasiando sobre o que esses caras escreveram pra mim. Vou te confessar, não fique bravo, mas tem vezes que leio esses bilhetes e não me aguento e até toco uma siririca. Toco a siririca pensando, imaginando esses homens.

Naquela hora não soube o que responder, nem o que fazer. Fiquei parado olhando para ela que disse:

_Bom, já que comecei...azar...vou falar tudo! A Lúcia falou.

Quando ela falou que iria falar tudo pensei imediatamente que ela tinha me chifrado. Quase infartei e sentei na cama. Então ela me disse:

_Vou te pedir uma coisa: vamos comprar um consolo?

_ O que você quer? Repita que não estou entendendo.

_ Vamos um pau de borracha?

_ Aqui em Curitiba não tem!

_ A Val e a Sil sabem onde conseguir, a Sil até tem um!

Concordei para ver até onde iria aquela conversa.

_Se você quiser mesmo, vamos pensar...

_Não é só isso. Deixa eu brincar de falar umas besteiras quando a gente tiver trepando?

Falar umas besteiras, ela disse, eu quase infartei, o que ela estava querendo dizer?

_Que tipo de besteira? Perguntei.

_Deixa eu falar e depois você me diz o que achou, mas não me tire o tesão, tá?

Fiquei bastante preocupado com aquilo. Estava tudo muito confuso para mim, só olhei para ela e disse que a gente podia brincar sim, mas perguntei porque ela queria um consolo de borracha?

Ela respondeu que tinha vontade e curiosidade de ver como era e que quem sabe poderíamos melhorar as nossas trepadas com aquele brinquedo.

Nossa, aquilo me pegou mesmo. Tudo acontecendo rápido, eu sem ação porque não imaginava tudo o que ela havia dito para mim com algo possível, com algo saindo dela.

Terminamos a nossa conversa no chuveiro nos esfregando, fomos nos amassando e bolinando para cama e ela subiu em cima de mim como se fosse cavalgar e disse:

_Vou falar umas besteiras, não me corte o barato...depois você briga comigo, mas agora que se dane!

Então fale o que quiser...! eu disse. Ela começou a pegar no meu pau e depois foi lamber e chupar meu cacete quando ela disse:

_Acho que o pau do Marcelo é maior que o teu, como eu queria aquele gostoso deitado aqui pra eu chupar o pauzão dele!

Fiquei indeciso naquele momento. Não sabia se dava uns tapas nela, ou se gozava naquela boquinha gulosa. Senti meu pau ficar mais duro quando ela falou aquilo. Ela continuou quando ficou de quatro e pediu para eu meter forte nela, continuou falando do Marcelo.

Marcelo era um amigão meu que sempre estava lá por casa com a mulher dele a Sara. Igual a mim o Marcelo jogava um futebol e se cuidava. Tinha bom físico, quase atlético, ele sempre gentil e atencioso com a Lúcia. Era quase um irmão e eu sabia bem de quem ela estava falando.

_Puta que pariu como eu queria o pauzão do Marcelo agora...falava enquanto eu metia forte nela.

_Eu quero o pau dele entrando na minha buceta...ela repetia sem parar enquanto eu bombava forte na bucetinha dela. Eu sentindo algo estranho, ao mesmo tempo raiva, ciume e tesão. Estava quieto só bombando, então ela pediu para que eu falasse também, umas besteiras com ela chamava tudo aquilo quando se referiria aquela putaria.

Timidamente comecei a falar algumas coisas para ela, também. Falava que ela era puta e que iria levar o pau do Marcelo na buceta e o meu no cuzinho dela. Falava muitas outras coisas que nem me lembro direito, sei que no final das contas ela gozou umas quatro ou cinco vezes e eu gozei feito louco também.

Depois que nos acomodamos e nos restabelecemos ela olhou para mim e disse que aquela foi uma das melhores trepadas que nós tínhamos dado. Perguntei porque e ela disse que era porque tinha posto para fora muita coisa. Que tinha falado sobre as fantasias e que isso era tirar um peso grande das costas. Que tinha medo do que eu iria falar e que eu tinha toda a razão de brigar com ela se eu quisesse. Falou também que não tinha nenhuma intenção em me trair, nem com o Marcelo nem com ninguém, disse também que não passava de fantasia, não passava de imaginação e que não pensava em fazer nada do que havia falado de maneira real.

Depois de respirar fundo disse que falaríamos mais tarde a respeito de tudo que eu precisa de um tempo para digerir o que tinha acontecido e o que eu havia escutado.

Nos dias seguintes foi tudo normal, nosso dia a dia e nossas transas, nada demais. Até que a Lúcia disse que tinha uma surpresa para me mim, mas que nós deveríamos ir a casa da Val buscá-la. Ela não era muito disso e fiquei curioso.

A Lúcia ficou bastante animada enquanto nos dirigíamos atá a casa da amiga. Chegando lá ela pediu para eu esperar e entrou enquanto eu a esperei do lado de fora conforme ela havia pedido. A Lúcia voltou para o carro e olhando para mim e assim que entrou no nosso carro abriu a caixa que trazia nas mãos e tirou de dentro um consolo de borracha. Eu ri muito, porque era muito esquisito aquele pinto de borracha. Ela riu também, até dizer que não via a hora de voltar para casa para inaugurar aquilo.

Minha gostosa esposa contou que a Sil e a Val tinham consolo, mais que um até, e que tinham conseguido aquele consolo para ela com um amigo da Val que era aviador e trazia do exterior aquele tipo de brinquedo sob encomenda.

Enquanto estávamos indo embora ela disse que não via a hora de experimentar os novos brinquedos, pois junto com o consolo, na caixa havia um “ovo” que era um vibrador e que ela tinha encomendado também. Falou que daria um nome para o consolo, mas que não tinha nenhum em mente, sugeri Marcelo porque afinal ela tinha gozado muito quando falou o nome dele em nossa última trepada enquanto rumávamos para casa.

_Nem pensar...tem que ser muito mais gostoso pra merecer o nome ...vou pensar em um cara pra quem eu daria sem pensar...deixa eu ver...olha, acho que não tem nenhum porque o que eu queria mesmo era dar pra um diferente cada trepada...então vou chamar de Sultão. É por causa das Mil e Uma Noites – ela explicou – que ele trepava com uma virgenzinha diferente por noite e depois mandava matar pra não ser traído de novo como aconteceu antes, até uma delas começar a contar histórias e ele parar de mandar matar...

Eu ouvindo tudo aquilo meio surpreso, meio puto da cara, meio excitado, meio contrariado, tudo muito estranho. Porra ela queria dar pra um diferente todo dia, mas que filha da puta, eu pensava, pensando em me cornear e ainda por cima com um diferente a cada trepada, mas que merda, vou encher de tapa essa puta.

Mal chegamos em casa ela saiu correndo para tomar um banho. O que ela mais gostava era tomar banho e ficar bem cheirosinha antes de trepar. Até manobrar o carro e fechar toda casa e subir para o meu quarto ela já estava estreando o novo brinquedo. Com os dois ligados, tanto o vibrador – em forma de um pequeno ovo quanto o consolo – se alternavam no grelinho da Lúcia.

Depois de brincar um pouco com eles ela passou a concentrar mais o vibrador no grelinho e enfiar o consolo, que era bem maior que o meu pau na bucetinha dela.

A Lúcia estava se deliciando, não demorou quase nada para gozar freneticamente. Gozou tanto que molhou toda a cama. Enquanto isso eu ainda estava vestido e parado ao lado da cama, só observando, só olhando. Estava com o pau estourando de duro. A Lúcia depois que se acomodou um pouco pediu para chupar meu pau, mais que eu enfiasse o Sultão nela. Fizemos um 69 muito louco.

Enquanto ela mamava meu cacete duro eu lambia o grelinho dela e enfiava o Sultão na xoxotinha ela pedia para eu usar o vibrador também. Obedeci e com uma das mãos bombava o enorme consolo e com outra tocava uma siririca bem gostosa pra ela. A Lúcia gemia e mamava meu pau como nunca. Lambia, chupava, mordiscava e punhetava. Ela gozou muito, se contorcia de prazer, pedia pra enfiar mais e mais o pauzão de borracha nela. Continuou chupando e enchi muito a boca gulosa dela de porra. Isso não era comum, ela dizia que não gostava do gosto da porra e por isso eu não gozava com frequência na boquinha dela.

Essa foi a primeira vez de muitas e muitas brincadeiras. Ela usava no chuveiro, na cama, no sofá da sala. Enfiava, chupava...torrava uma boa grana em pilhas e baterias hehehe, mas se divertia muito. Gozava, tremia, gemia...falava nomes de artistas quando enfiava aquele enorme consolo na xoxota.

No começo eu ficava meio contrariado, incomodado, desconfortável com a Lúcia, porque ela parecia que estava mesmo trepando com outro homem. Com as brincadeiras ficando mais e mais frequentes, pois ela não podia assistir a um filme ou novela com um ator galã, como ela dizia, que na hora do sexo ela pegava aquele pau de borracha e logo o chamava pelo nome do artista e se divertia e gozava muito; fui meio que aceitando.

Havia vezes que ela pedia para que eu alugasse algum filme porno e assistisse ela brincando com o pauzão de borracha. Eu só assistindo ela se masturbar e se deliciar com o pinto. Ela dizendo que estava imaginando os caras que apareciam no filme comendo ela ...e gozava muito com isso.

Apesar de ela brincar com o pauzão o nosso sexo continuava a mil. Melhorou até, ela estava cada vez mais solta, se cuidava mais, tanto na alimentação quanto na forma física, além do modo de vestir-se. A amizade com as duas melhores amigas aumentou durante todo esse tempo, e...

bem, deixe eu fazer um a parte: escrevendo aqui parece que tudo isso ocorreu em um minuto, mas não foi nada disso. Desde a ida a casa da Val para buscar o consolo até o momento em que ela pedia para eu assistir ela se masturbando e enfiando o Sultão enquanto assistia a um porno passaram-se uns três ou quatro anos. Com a Lúcia as coisas aconteciam sempre de maneira gradual e planejada.

continuando... a amizade com a Sil e a Val ficou muito sólida, ficaram amigas mesmo. As três não se desgrudavam e de vez em quando pegavam um cinema ou restaurante juntas. Eu sempre servi de motoristas para elas. Então levava e buscava e ficava à toa enquanto esperava que se divertissem.

Além da Lúcia brincar com o Sultão de borracha ela, também, falava das amigas em nossas trepadas. Pedia para eu imaginar como seria bom a Val e ela me chupando ou a Sil e ela ou a Lúcia brincando com o consolo enquanto as duas me chupavam. Falava coisas assim e quando as amigas se juntavam a nós para assistir algum filme, pois gostávamos muito de assistir filme e sempre chamávamos as amigas, era um deus nos acuda, a Lúcia e as amigas tinham umas bocas-sujas que era de dar medo. Falavam obscenidades o tempo todo, nós ríamos muito.

Faziam vários comentários sobre o tamanho do pau dos artistas, me provocam falando várias sacanagens...quando iam embora a trepada era muito boa.. Muitas fantasias, provocávamos um ao outro e assim continuava.

Até que uma determinada tarde com os professores entrando em greve e eu com uns dias de folga ocorreu algo muito diferente.

Era uma tarde gelada em Curitiba, ! Nossa que novidade isso, não é mesmo?!?!?!? - as três amigas haviam ida a passeata da greve e quando fui buscá-las próximas ao local combinado somente a Lúcia e Silvana estavam esperando. Algo já meio estranho, pois – reforçando – elas não se desgrudavam. Logo perguntei da Val e elas me tranquilizaram dizendo que havia encontrado uma amiga que não via há anos e que ficaria com ela.

Rumei para casa e fomos preparar um jantar mais caprichado. A Sil iria dormir em casa, fato bem corriqueiro, inclusive sempre encontrava calcinhas diferentes, roupas diferentes pela casa e que se não eram dela eram da Val. Isso era normal.

Jantamos e eu havia bebido uma generosa quantidade de vinho, fui deitar e elas foram assistir a um filme água-com-açúcar, ou melhor, romântico que eu havia alugado.

Deitei e nem sei quanto tempo havia passado, meio que acordei quando a Lúcia estava mexendo no guarda-roupas na gaveta onde guardava o brinquedo preferido dela. Meio acordado meio dormindo ela saiu do quarto e eu logo fui ao banheiro quando ouvi:

_Você é louca, Lúcia! e logo após muitos risos. Ouvi também,:

_Quieta que eu vou ver se ele tá dormindo...

Voltei ligeiro para cama e fingi estar dormindo. A Lúcia entrou no quarto e pensou que eu estava dormindo, saiu bem de vagar sem fazer barulho.

Esperei um pouco e fiquei prestando bastante atenção, mas não conseguia ouvir nada, somente cochichos, sussurros e risos. Como eu estava meio dormindo quando ouvi as risadas achei que era do filme que elas estavam rindo, mas quando olhei para o relógio vi que passavam das 2 horas da madrugada e o filme deveria ter acabado há horas. Levantei e fui ver o que esta acontecendo, quando reparei que todas as luzes estavam apagadas, menos a do quarto de hóspedes que sempre era ocupado pelas amigas que dormiam ali. Fui normalmente me aproximando da porta e já ia entrando quando ouvi um som conhecido: o som do vibrador.

Quando ouvi o barulho parei. Ouvi a Sil falando baixinho:

_Tem certeza que ele tá dormindo?

_Tenho!!! tenho sim, você quer ir la ver?

_ Se eu for no teu quarto não vai ser só pra ver, te garanto! Risos e mais risos das duas.

_ E você quer mesmo isso, Lúcia? Sabe que eu quero muito e faz tempo, mas e você? se você quiser de verdade como a gente fica depois? Vamos continuar amigas na boa? E você promete que não fala nada pra Val ?

Eu estava ouvindo aquela conversa toda e não estava me dando conta, só quando a Lúcia disse:

_porra, Sil...pare de falar e venha aqui!

Dei um pequeno passo a frente e pela fresta da porta que estava entreaberta vi uma cena que me arrepiou, que vejo nítida com se fosse agora há pouco. Literalmente me arrepiou, começou nos pés e foi subindo até a nuca. Senti arrepiar o corpo todo. Senti e vi os pelos do meu corpo arrepiando como nunca havia ficado antes. Foi incrível.

A Lúcia e a Sil sentadas na cama uma de frente para outra com as pernas entrecruzadas nuas. Beijavam-se enquanto se abraçavam e as mãos passeavam pelos corpos nus. Uma chupava a língua da outras mais e mais, pareciam que brigavam para ver quem engolia mais a língua da outra. Mordiscavam os lábios, chupavam as línguas, lambiam-se.

As mãos não paravam, passeavam por entre os seios, por entre os corpos enquanto continuavam a beijar-se, a morder pescoços, ombros. Até que a Lúcia foi beijando o pescoço da Sil e foi descendo com beijinho até chegar aos peitos gostosos da amiga. Foi incrível ver a Lúcia primeiro mordiscar os peitos da Sil, beijar todos os lugares dos peitos e por ultimo fazer um biquinho e chupar os bicos duros dos peitos gostosos da amiga.

Silvana empurrou com força a Lúcia nos ombros que caiu para trás na cama e meio balbuciando, meio sussurrando ouvi:

_Você quer me matar?! É isso?!?!?

Caiu por cima da amiga beijou-a com força e pegou forte nos peitos dela, olhou bem para a Lúcia separou as pernas da amiga com força e literalmente caiu de boca na bucetinha que eu chupava há anos.

No mesmo momento a Lúcia tremeu, apertou com força as mãos nos lençóis. Estava gozando. A Sil continuava enfiando a língua na xoxotinha da Lúcia, lambia e chupava o grelinho. A Lúcia ainda gozando disse:

_ Eu também quero, eu também quero....venha ….venha...rápido!

A Sil então virou-se e ficaram na posição 69, logo começou a lamber e chupar a buceta da amiga. As duas chupavam-se como loucas, estavam totalmente descontroladas, gemiam alto e com certeza estavam mais que gostando do que estava ocorrendo.

Tudo isso estava acontecendo e o consolo estava ligado, mas não estava sendo usado. Foi quando a Lúcia falou para a amiga:

_Nossa, quanto desperdício de pilha... pega logo esse pauzão e enfia na minha xoxota!

Não precisou falar duas vezes, Sil pegou firme o pauzão de borracha e começou a passar no grelinho da Lúcia. Continuava a beijar, lamber e chupar a bucetinha sem pelos da amiga e agora brincando com o consolo. Foi enfiando bem devagar aquele pauzão e a Lúcia rebolando e gemendo. A Sil saiu debaixo da amiga e segurou a Lúcia por trás. Começou a bolinar a amiga com o consolo no grelinho com uma das mãos e com a outra se ocupava de pegar nos peitões gostosos da Sil, até que a Lúcia falou alto: _ Vou gozar, sua puta...vou, gozar.... [e mais alto ainda].... to gozando. A Sil enfiava aquele pau na buceta da Lúcia com vontade, sem dó!

Quando a Lúcia acabou de gozar pegou o Sultão das mãos da Sil e disse:

_ agora é a tua vez! Vem cá cadelinha!

A Lúcia beijou a Sil e foi enfiando o pau na amiga. Enfiava com gosto também, sem parar e a Sil não se aguentando gozou tanto que molhou toda a cama.

Eu...bem, eu desde o primeiro segundo que vi as duas abraçadas e fiquei arrepiado, meu pau ficou duro quase instantaneamente. Fiquei com muita, mas muita vontade mesmo de entrar naquele quarto e me jogar no meio das duas. Mas fiquei paralisado, fiquei embriagado com o que estava vendo. Pensei que se estivesse me entrometido provavelmente poria tudo a perder e elas não teriam feito nada. Talvez até o desfecho fosse ruim para todos, por isso fique parado.

Olhava, babava, ficava com olhar fixado, estava totalmente parado, me cuidando para não fazer nenhum barulho, nem me mexer muito para não ser visto, mas pelo que estava ocorrendo acho que poderia tocar bateria, estourar alguns fogos de artificio que elas não me notariam.[ depois de alguns anos fiquei sabendo que não notaram mesmo e que poderia mesmo ter feito o maior agito que elas não notariam, a Lúcia também falou que foi muito melhor eu não ter aparecido naquela hora].

Com o pau duríssimo, pois para ser perfeita a cena só faltava eu no meio das duas, quando a Sil enfiou o pau na Lúcia, não só a Lúcia gozou, mas eu também. Melequei o pijama todo, e melequei com muita muita porra. Gozei muito mesmo.

Logo após gozar, ainda fiquei vendo a Lúcia fazer a amiga gozar também e então sai bem devagar tirei a roupa e deitei novamente, toquei uma mais punheta e fui dormir. Deixei o pijama mais melecado do que nunca. Dormi e no outro dia quando acordei a Lúcia não estava na cama, já eram umas 9 ou 10 da manhã e ouvi risadas vindo do pavimento térreo do nosso sobrado.

Tomei banho e desci as duas amigas estavam muito sorridentes, muito risonhas uma com a outra conversando e tomando um café. Perguntei porque a Lúcia demorou para ir para cama, pois não me lembrava dela deitando [ claro, joguei uma isca] ela disse que depois do primeiro filme viram mais um e que o segundo foi muito melhor.

Quando a Lúcia falou isso, as duas se encararam e riram alto. Eu fiquei de pau duro na hora, e elas nem desconfiando que eu havia visto toda a diversão delas na madrugada anterior.

Depois dessa aventura, a Lúcia continuou bem ativa, acho que até mais. Mas ela usava o pauzão e falava muito para que eu imaginasse ela eu e Sil ou a Val transando. Mas falava coisas que não costumava dizer, falava que estava com vontade de lamber, chupar e morder a buceta das amigas. Que queria mamar os peitos da Val e da Sil, e isso ela não costuma falar com muita frequência, falava mais no geral, sem dar muitos detalhes, mas agora estava diferente. Agora ela falava muitos detalhes. Detalhes que eu sabia que eram muito bem conhecidos dela, que ela sabia que aquilo que estava pedindo para eu imaginar, na verdade era a descrição do que havia ocorrido entre ela e a Silvana.

O tempo passou e tudo era mais ou menos a rotina de sempre. Transávamos três a quatro vezes por semana, às vezes assistíamos a um porno, as vezes usávamos o brinquedinho preferido dela – que depois de algum tempo trocamos por um novo e mais grosso, fazíamos constantemente isso. Também quando saíamos em um bar, sozinhos ou com as duas melhores amigas, voltávamos e transávamos imaginando casais que víamos nos lugares... ela falava de colegas de trabalho eu das estagiárias e assim estávamos levando.

Mesmo com toda essa putaria de falar isso ou aquilo, de ficar falando, fantasiando, usando brinquedos, a Lúcia não gostava quando eu pedia sério, para ela, que fizéssemos de verdade, na real, um menage com a Valquíria ou com a Silvana ou com as duas. Ela ficava meio brava até. Teve uma certa vez que viajamos para uma estancia mineral próximo a Curitiba e as amigas levaram biquínis que deixavam muito à mostra dos corpos gostosos delas, a Lúcia nem tanto. Como na ida já estávamos falando mil obscenidades, quando chegamos na estância eu entrei nas piscinas com elas e estava mais que me divertindo.

Foi o que bastou para a Lúcia ficar emburrada e brigar com as amigas. Ficou quase um mês se transar comigo. Ficou mais de uma semana sem falar com elas. Só por causa de umas esfregadinhas aqui e ali.

A Lúcia não concordava com a ideia de levar adiante a história de menage. Certa vez quando eu falei sério e propus um menage com meu amigão, o Marcelo que ela fantasiava frequentemente em nossas transas com ele usando o Sultão, ela brigou muito comigo. Ela sempre dizia não.

Eu, às vezes, insistia mas quando fazia isso ela não gostava nada nada, então continuávamos como sempre. Bem, alguma hora isso deveria mudar, eu pensava. Lembrava do velho ditado: “água mole em pedra dura...” mas acho que a água era muito mole mesmo, porque por mais que continuasse batendo nada de furar...

Acontece que o Marcelo, que era quase um irmão para mim, tinha a família morando no interior, próximo a região de Toledo, no Paraná. Foi quando ele recebeu uma notícia numa segunda-feira que mudaria a ditado da água mole. Infelizmente, foi uma notícia triste para ele, o pai dele havia falecido. Ele imediatamente rumou para a cidade natal e eu fiquei para organizar os amigos e familiares para ir para lá dar suporte para o amigo Marcelo. Aprontamos tudo e partimos para o interior, fomos em uma caravana de amigos para o acontecimento. Claro foi tudo muito triste, mas o Marcelo superou, e como.

O que ocorreu foi que o Marcelo precisou ficar uns dias para resolver os problemas com documentos e tudo mais, principalmente, porque era único herdeiro dos bens. Depois de uns quinze dias afastado ele retornou a Curitiba. Foi até em casa e conversamos muito. Logo ele falou que iria por a venda os bens que havia recebido, mas que gostaria que passássemos um final de semana no sitio para aproveitar um pouco. Concordamos e a Lúcia e a Sara ficaram muito empolgadas.

Passados quase quatro meses dessa proposta em mais um churrasquinho em casa combinamos de aproveitar um feriado prolongado que ocorreria nos dias seguintes para visitar o sítio. O sítio estava bem cuidado pois o Marcelo havia deixado um caseiro que já morava lá cuidando do espaço muito bem.

Partimos em dois carros para o interior para passar o feriadão, mais ou menos 7 horas depois chegamos ao destino. Nos acomodamos facilmente, pois a casa principal do sítio estava bem organizada e preparada para nos receber. Nesse dia, devido a viagem cansativa e umas garrafas de vinho dormimos feito pedras, isso era uma quarta-feira, ainda teríamos quatro dias para aproveitar.

Eram aproximadamente 7 da manhã fomos acordados devido a um tumulto na cozinha da casa e uma pequena discussão entre o Marcelo e a Sara. O que ocorria era que a Sara foi chamada as pressas para retornar para a capital, pois ocorreu um problema seríssimo no local de trabalho e ela precisa retornar imediatamente.

O Marcelo não ficou nada contente em ter que retornar no mesmo dia para Curitiba, por isso a discussão. Levantamos e fomos a cozinha e conversamos até que a Sara disse que voltaria sozinha para Curitiba e retornaria na sexta ou sábado, esse foi o desfecho da conversa entre nos quatro, depois de várias e várias sugestões.

Marcelo, a contragosto, ficou meio distante o dia todo, eu e a Lúcia passeamos pelo sitio, colhemos frutas, entramos num riacho – águas cristalinas – nos divertimos bastante. Passado o dia a Lúcia foi preparar o jantar e eu e o Marcelo fomos conversar na varanda. O Marcelo estava bem aborrecido e eu achando que era devido a lembranças do recente falecimento do pai ou algo ligado ao sítio, mas que nada.

O meu amigo estava mesmo aborrecido porque tinha planejado muito a ida aquele sítio para por em dia o grande “atraso” no sexo deles. Ele me contou que as coisas estavam muito mal...pela primeira vez em todos os anos de nossa amizade o Marcelo falava da vida sexual dele e da Sara. Eu e o Marcelo falávamos de sexo, mas nos referindo a outras mulheres e não as nossas. Eu sabia de todas as escapas dele e, inclusive, acobertava algumas delas.

Ele me contou muitas coisas, mas eu fiquei na defensiva não abri nada, muito menos a respeito da Lúcia e as fantasias dela. O Marcelo não, se abriu mesmo comigo, fiquei muito surpreso mesmo quando ele me disse:

_Rapaz, vou te contar uma coisa que não sei como você vai reagir, mas pela nossa amizade, por favor, espere eu te falar tudo, sei que você é meio cabeça-dura e não sei se vai aceitar numa boa.

Nesse momento mais uma vez aquela sensação estranha tomou conta de mim, sentindo um frio na barriga esperava que ele me contasse que ele e a Lúcia já haviam transado, pois havia algumas passagens, alguma situações que não estavam bem claras, havia uma pequena dúvida no ar. Mesmo a Lúcia sendo 100% sincera e ele também, e eu sabendo de tudo deles – isso separadamente – eu tinha uma pulginha atrás da orelha.

Mas voltando, me lembro bem daquele momento, ele disse todo trêmulo:

_a Sara fez eu comprar um consolo pra ela, você não sabe o trabalhão que deu pra encontrar aquilo...

_tudo bem Marcelo, isso faz parte da diversão do sexo, não vejo nenhum problema, porque tanto nervosismo por causa dessa besteira?!

_não é isso, rapaz! É que cada vez que a gente transa ela pede pra eu usar o troço nela, às vezes faz eu ficar só olhando ela enfiar aquele troço na xoxota dela e eu nem posso ficar perto. Tenho que ficar tocando punheta de longe!

Nessas alturas eu tava com meu pau estourando, mas ainda não tinha coragem de contar que eu e a Lúcia fazíamos o mesmo, mas continuando...

_o pior, é tem pior... [ eu com cara de quem estava surpreso] é que ela colocou um nome no caralho de brinquedo.

_ Olha Marcelo! Eu disse, - não tem problema nenhum rapaz [ rapaz era como nos tratávamos sempre] você tem que relaxar! A gente sempre fala que sexo é diversão, mas parece que você tá isso é só da boca pra fora, o que tá acontecendo mesmo, Marcelo?

_ Rapaz, ela deu o teu nome pro bicho.

_como assim, Marcelo? Perguntei.

_ É, rapaz, o teu nome. Eu sabia que você não iria entender, agora não via mais dar certo nossa amizade...

Nesse momento interrompi e disse que estava tudo bem e que eu estava entendendo e que nossa amizade iria continuar, que não era para ele ficar tão nervoso.

Então ele continuou falando e contando sobre a Sara, dizendo: _Cada vez que ela pega na mão aquele pau de borracha ela te chama, diz que tá pegando o teu pau e diz que quer foder com você ...nossa nem sei o que to falando …. deixa pra lá tudo isso.

Nesse momento vi que o Marcelo estava confuso e nervoso. Ele levantou e saiu desnorteado. Nem fui atrás nem nada. Ouvi ele gritar próximo a garagem que iria para o centro dar uma volta. Ligou o carro e saiu.

Fui até a cozinha falar com a Lúcia que estava quase terminando de preparar o jantar e ela perguntou do Marcelo. Contei tudo para ela e ela ficou morrendo de ciúmes. Xingou muito a Sara e eu ri muito.

_ Ah! Então você pode pegar aquele vibrador enfiar na xoxotinha e chamar de Marcelo que acha bonito, mas quando sabe que tem alguém fazendo o mesmo só que com o meu nome fica toda nervosinha... eu ria muito e no final das contas ela riu também.

Mas ela disse para eu ir atras do Marcelo que ela não queria nenhum acidente, que estava preocupada. Eu concordei porque ele saiu bem transtornado mesmo.

Peguei o carro e encontrei o Marcelo parado na porteira do sítio, ele nem havia saído do sitio, estava sentado ao volante e pensativo.

_oh, Marcelo! Vamos conversar, não tem porque ficar assim! Vamos voltar pra casa e conversar por lá.

Ele disse que me considerava um irmão e que estava com muita vergonha de tudo aquilo, que se arrependeu de ter contato tudo aquilo para mim.

_Então é minha vez de te contar umas coisas. Eu disse.

_ Não, não! Eu não acabei de te contar tudo! E agora vou te contar, ele falou.

_ Então, é seguinte – começou o Marcelo – cada vez que a Sara manda eu ficar vendo ela enfiar aquele pau de borracha no buceta dela e eu ficar tocando uma com ela falando que é você que ela quer foder e que o que ela quer mesmo é teu pau de verdade e não aquele de borracha, rapaz, eu gozo fácil. Não por causa de você, nem pense besteira, mas porque fico imaginando você comendo a Sara e isso me dá um tesão danado. Nunca te falei nada porque você é um amigo, um irmão pra mim e não quero perder a tua amizade, mas agora que to falando tudo isso que se dane. Ainda mais, porque ensaiei te convidar várias vezes pra ir lá em casa e foder com aquela puta da minha esposa. Volta e meia ela pergunta pra mim se eu já te convidei de verdade pra foder ela. E eu sempre digo que não tive coragem. Dai ela pega aquele pauzão e faz eu ficar vendo ela se divertir sozinha. Rapaz, não quero que nossa amizade acabe por causa do que to te contanto aqui, mas agora to desabafando mesmo. E vou te contar mais...depois de muito planejamento, deu certo da gente vir pra cá e pode ter certeza, eu iria dar um jeito de você comer a Sara nesse feriadão. Sei que ela já se insinuou pra você várias vezes e que ela já chegou a te dar um selinho, aliás, um não, vários né? Foi aquela vez que ela se fingiu de bêbada numa festa de aniversário

_ claro que lembro – interrompi o amigo, mas deixa eu te falar...

_não, não ...deixa eu continuar. Falou o Marcelo – Sei que você sempre cortou a Sara, sempre me respeitou e de um jeito isso é perfeito, não esperava menos que isso de você, mas por outro lado não queria isso. Queria mais que você agarrasse a Sara e fodesse muito ela e de preferencia comigo olhando tudo isso. E pode saber, nesse final de semana seria assim se não fosse essa merda que aconteceu em Curitiba e ela tivesse que ter voltado. Mas deixa eu te dizer: ela falou que sexta ou sábado está aqui de novo. Então, você vai ter que dar um jeito com a Lúcia e vai ter que comer a Sara de qualquer jeito e eu vou ficar olhando e não tem como você dizer que não, agora que se dane, já falei e não tem como voltar atrás. Pronto agora quero saber se continuamos amigos ou irmãos, que é o que te considero, se você vai rir da minha cara, se vai espalhar que quero ser corno manso...o que você vai fazer?

Eu respirei fundo e disse sorrindo: Vamos jantar que a Lúcia caprichou. Depois a gente fala disso meu irmão que no fim vai dar tudo certo!

Ele respirou fundo, parecendo aliviado com a minha resposta. Levantamos e fomos jantar. A Lúcia, que estava terminando de por a mesa e preparada para nos chamar, disse:

_ Nossa, transmissão de pensamento! Ia chamar vocês agora mesmo! Sentem ai e vamos comer.

Nesse instante ela parou e notou as nossas caras, estávamos mesmo diferentes. O Marcelo já sentou e foi comendo sem falar nada e eu, também quieto. A Lúcia sentindo que algo estava estranho e pensando que havíamos brigado começou a falar bobagens, fazer gracinha para rirmos e tentava nos descontrair. Fomos relaxando e em pouco tempo já estávamos conversando normalmente. Ao final do jantar, no início da noite, estava tudo tranquilo e estávamos bem sossegados.

A Lúcia disse que era para deixar que ela limparia a bagunça do jantar, mas me chamou para conversar e perguntou o que estava acontecendo. Disse que nunca viu eu e o Marcelo que aquelas caras e queria saber se estávamos bem, se não havíamos brigado, afinal o que tinha acontecido, sobre o que nós conversamos. Disse para ela que já voltaria e conversaríamos e eu contaria tudo, mas antes eu iria falar com o Marcelo um pouco.

_ Marcelo, vamos bater um papo – eu disse – e chamei para conversar na sala.

_ Olha, meu amigo, fique bem tranquilo que você está mais meu irmão que nunca. Fique tranquilo, também, que dá minha boca tudo o que conversamos vai ficar somente, eu disse somente, entre nós, ninguém vai saber disso nunca. E vou te dizer: a Sara é bem gostosinha e pode acreditar, já toquei umas pensando nela, já comi a Lúcia imaginado ela, também. Ela tem uma bundinha bem gostosinha e os peitinhos dela são bem chupáveis, e pra te informar já vi várias vezes os peitinhos dela. Você mesmo já me disse que ela joga um charme pra mim e eu já tirei minhas casquinhas com ela. Acontece que eu não sei como dar um chapéu, como fazer com que a Lúcia se afaste porque se você quiser mesmo, eu vou gostar muito de foder com a Sara. Mas de jeito nenhum a Lúcia pode ficar sabendo se não é o fim do meu casamento, você sabe disso! A Lúcia é muito ciumenta e não vai aceitar algo assim.

Enquanto conversava com o Marcelo pensei em contar o que acontecia comigo e com a Lúcia em nossas transas e que aquilo que ele tinha acabado de contar para mim sobre ele era igual ao que ocorria comigo, mas deixei passar porque imaginei outra coisa.

_ Vamos dar um jeito! Marcelo falou _ Vamos dar um jeito!

Disse que iria conversar com a Lúcia e disse que depois conversaríamos mais. Ele foi para o quarto e eu fui falar com a minha gostosa esposa na cozinha.

_ você não vai acreditar! Falei pra Lúcia.

_ o que? o que? Me diga... ela estava bem ansiosa.

Comecei do princípio e contei tudo para ela. Desde quando o Marcelo começou a contar sobre ele e a Sara até a nossa conversa na sala.

A Lúcia me olhou e disse que eu não estava bem da cabeça, que esse negócio de transar com a Sara era uma coisa impossível de acontecer e que ela não iria admitir uma coisa daquelas e eu sabia bem e não sabia porque eu tinha falado que iria transar com ela.

Claro que a Lúcia me disse tudo isso querendo me bater, querendo torcer meu pescoço e eu me divertindo, mas ai falei para ela.

_ Lúcia! Vamos aproveitar e fazer exatamente o contrário. Você que sempre imaginou o Marcelo fodendo você, então tá na hora. Deixe der ser cu doce e vamos aproveitar. Viu o que ele me contou, o que nós conversamos? Vai ser só diversão? Daí esquecemos essa história da Sara comigo.

Só para lembrar, a Lúcia nunca aceitava essas propostas sérias, nem deixava eu falar muito quando fazia uma proposta de participar de uma suruba de verdade. Mas aquela noite ela ficou quieta e depois de alguns momentos disse que não e que não tinha o porque ela fazer aquilo.

_ Então vou ter que te chantagear! Eu disse.

_ não tem como me chantagear, não tenho nada pra te esconder, nem tem como você fazer nada, então você não tem como me obrigar.

_ não é bem assim! Eu tenho sim! Se você transou com a Sil, na nossa casa! Se vocês transaram a noite toda, fizeram de tudo, enfiaram o consolo uma na outra e gozaram pra valer é não ter nada, então não tenho nada mesmo!

A Lúcia estava vermelha, de boca aberta e olhos arregalados quando terminei de falar.

_ você tá louco! De onde tirou tudo isso?

Falei para a Lúcia que tinha visto tudo o que havia acontecido numa noite há tempos, contei detalhes, falei palavras que elas trocaram. Então, ela se convenceu, e disse:

_ vou pensar!

_ você pode escolher: menage com o Marcelo ou com a Sil, mas um dos dois vai acontecer, pode ter certeza!

_ tá, me dá uns minutos! E saiu para o quarto.

Fiquei me distraindo na varanda pensando em tudo o que havia acontecido até aquele momento, já havia passado algumas horas do jantar e a Lúcia não tinha aparecido, mas de repente o Marcelo apareceu.

_ Rapaz! Acho que falei demais.

_ Então, agora é minha vez de te contar... Eu comecei falando, mas foi só eu começar apareceu a Lúcia na porta da casa que dava para varanda dizendo que tinha preparado um lanche para nós na sala e que era para entrarmos.

_ Depois eu continuo, mas é coisa boa – disse para o Marcelo, e ele ficou bastante animado.

Ingenuamente, entramos conversando e rindo na sala. Paramos para ver o ambiente juntos porque nos assustamos em ver como estava decorada aquela sala. Cheia de velas acessas, taças e vinho sobre a pequena mesa de centro, um colchão de um lado da sala, o sofá virado de frente para o colchão como se o colchão fosse um palco e o som sobre um armário ao lado do colchão. A Lúcia gritou parecendo que estava no quarto, para que entrássemos, fechássemos a porta nos acomodássemos no sofá e ligássemos o som que ela tinha uma surpresa.

Então, fizemos o que ela disse. Pela segunda vez na vida tive um sentimento inexplicável como a primeira vez que a Lúcia usou o brinquedinho dela falando o nome do Marcelo. Misto de tesão, ciúme, raiva, euforia...tudo ao mesmo tempo porque estava acreditando que nos próximos minutos aconteceria algo que eu sonhava há anos e que sabia que ela sonhava há mais tempo ainda.

Com a música iniciando ela gritou lá de dentro: _ Vai começar um show, se preparem. Agora com vocês a

UM MENAGE NUMA NOITE SEM FIM

Lúcia entrou na sala com a música do filme 9 ½ Semanas de Amor tocando aquela mesma em que a Kim Basinger faz um strip-tease. Entrou dançando vestida com uma capa e um chapéu, igual ao filme. Eu e Marcelo nos olhamos incrédulos! A Lúcia toda maquiada, batom vermelho, cabelo arrumado!

Começou a dançar aquela música e imitar o filme, foi se despindo, foi fazendo um strip-tease sensacional. Jogava as peças de roupas em nós. O Marcelo quis perguntar o que estava acontecendo e eu disse para ele calar a boca e aproveitar. Ele não disse mais nada, começou a passar a mão no pau, ainda sobre a calça, sem piscar acompanhando cada movimento da Lúcia.

Eu já estava com o meu pau latejando de duro, já antevendo o que iria acontecer. Um frio na barriga, suando nas mãos, sentia um calorão indo e vindo.

Lúcia rebolando, provocando, se mostrando e passando a mão em mim e no Marcelo, também. Foi tirando tudo. A capa primeiro, a blusinha decotada, a minissaia, as meias que iam até as coxas grossas, o sutiã até ficar só de calcinha e sapato de salto. Uma calcinha preta de renda que contrastava com a pele branquinha dela. Bem enfiada no maravilhoso bumbum dela. A música finalizando e ela terminando de tirar o sutiã. Pareceu que foi bem ensaiado, parecia que ela era profissional naquilo.

A música acabou, começou outra e ela olhando com olhar penetrante que pedia algo para nós, com os bicos dos peitos bem durinhos apontados para nós, mãos na cintura, pernas cruzadas convidou com gestos provocantes para que fôssemos dançar com ela.

O Marcelo olhou para mim meio sem saber o que fazer e esperou que eu tomasse a iniciativa. Fui ao encontro da Lúcia e beijei-a longamente, a Lúcia pediu para eu ficar atras dela. Chamou o Marcelo esticando os braços na direção dele. Marcelo levantou do sofá e veio em nossa direção. Eu comecei a tirar a roupa e a Lúcia abraçou e começou a beijar o meu melhor amigo. Eles se beijavam como se fossem engolir um ao outro. Beijavam, mordiam os lábios, chupavam os lábios um do outro sem parar. O Marcelo além de beijar com loucura a Lúcia estava dando o maior amasso nela. Passava as mãos nos peitos, na barriguinha lisinha dela, nas costas, por cima da calcinha, na bunda e na xoxota.

Lúcia empurrou o Marcelo e começou a tirar a camisa dele. Ele tomou a ação e logo tirou a camisa enquanto ela já tirava a calça. Eu já estava de cueca apenas e estava tirando quando ela pediu que não tirasse. Pediu para o Marcelo também ficar só de cueca. Eu, a Lúcia e o Marcelo vestidos apenas com a parte de baixo de nossas roupas nos esfregando, nos amassando. Ora a Lúcia virava para mim me beijando passando a mão no meu corpo, por cima da cueca no meu pau ora virava par o Marcelo fazendo o mesmo. Segurou nossas cabeças pelas nucas e foi puxando em direção aos peitos. Entre gemidos ela sussurrou: chupem meus peitos que os bicos estão doendo de tão duros! Chupem com vontade seus putos!

Obedecemos imediatamente, eu chupando um e o Marcelo o outro. Revezávamos também nos beijos enquanto chupávamos e dávamos amassos nela. As mãos passando no corpo todo de Lúcia, eu e o meu amigo chupando os peitos e beijando, engolindo a língua marota dela. A bucetinha da Lúcia estava tão molhadinha que dava para sentir o molhadinho por cima da calcinha naquele momento.

Então, foi para cima do colchão, tirou os sapatos e a calcinha abaixou-se tirou primeiro a minha cueca e depois a do Marcelo. Meu pau mais duro do que nunca e por mais que já tivéssemos nos vistos nus – depois do futebol uma chuveirada, por exemplo – nunca tínhamos nos vistos com os nossos paus duros. Com o pau mole eu desconfiava que o pau do Marcelo era maior que o meu e não posso me queixar do meu não. Realmente, o pau do meu amigo era digno de qualquer ator de filme pornográfico. Só pra ter uma ideia, era bem mais comprido que o meu e muito mais grosso. Pensei na hora que ela iria se deliciar naquela noite.

Depois da Lúcia tirar nossas cuecas ficamos bem próximos um do outro porque ela estava segurando nossos paus e deu para ver bem a diferença entre o meu e o dele. Ela sorrindo começou a lamber a cabeça do meu pau e a do pau do Marcelo. Lambia todo o pau, parecia que lambia um sorvete. Desde a ponta até a base, lambia com vontade nossos paus duríssimos. Sem parar ela só lambendo e passando a mão em nossos paus.

De joelhos em cima do colchão disse: Me dá licença meu corninho que agora vou fazer esse gostoso gozar! Que agora a putaria é de verdade!

Eu nem acreditei que fosse possível a Lúcia participar de uma suruba de verdade, quem dirá por na boca aquele pau. O pau do Marcelo tinha a grossura de uma garrafa de coca daquelas pequenas de vidro, mas foi o que a Lúcia fez. Foi abocanhando bem devagar aquele pauzão duro. Chupava, lambia e tocava uma punheta pra ele segurando com as duas mãos aquele cacete.

Nessas alturas eu estava petrificado parado ao lado do amigo com meu pau duríssimo também. A Lúcia chupava com muita vontade, sem parar, e continuava tocando uma pra ele. O Marcelo só falava que tava uma delícia, elogiava o jeito da Lúcia chupar, falava muitas coisas que não me lembro, sei que eram frases e palavras que me deixavam com mais e mais tesão. A Lúcia chupando e o Marcelo foi se torcendo de tesão e quase gritando disse que iria gozar.

Bem, eu e a Lúcia havíamos assistido muitos filmes pornos com os pauzudos gozando muito, mas pela primeira vez na vida eu vi um homem gozar ao vivo. Eu sempre gozei com vontade e não posso me queixar das gozadas que sempre são abundantes, mas não esperava ver o que vi.

O Marcelo avisou que iria gozar e a Lúcia apertou mais o pau dele lambendo e chupando a cabeça sem parar. Quando ela iria dizer alguma coisa o Marcelo deu uma gozada que ficou para história. Não parava mais de sair porra daquele cacetão duro. Lavou a Lúcia, lambuzou o cabelo, o rosto todo dela, o pescoço e os ombros. Ele não parava de gozar, de dar jatos de porra nela. Ela deixou o Marcelo lambuzá-la todinha e depois que ele parou de gozar a Lúcia começou a chupar novamente o pau dele. O pau do Marcelo estava duro ainda e ele estava em pé, ela chupava com tanta força que parecia que o Marcelo ficaria sem o pau dele. Nunca vi a Lúcia chupar tanto, ela se deliciava com o cacete do Marcelo, dava para ver isso, dava par ver no olhar dela, não deixou nenhuma gota de porra no pau do meu amigo.

Eu que acompanhava de perto a gulosa da minha esposa devorando aquele pau duro, se deliciando e gostando do que estava fazendo pedi para ela me chupar também que eu não estava aguentando. Ela largou o pau do Marcelo e veio para mim, mas não deu tempo nem de começar a tocar punheta eu gozei fazendo ela se babar toda. Ela com a boca cheia com a minha gozada continuava a chupar meu pau e eu tremendo de tesão.

O Marcelo saiu da sala e voltou com uma toalha para ela, porque a lambuzada foi grande, ela limpou-se um pouco e disse que precisava de um banho. Saiu e foi ao banheiro e de repente gritou de lá chamando a gente para o banho também. Eu estava tão agitado e sem pensar muito no que estava acontecendo que nem entendia direito o que o Marcelo estava falando. Ele estava se limpando com a toalha também e eu bebendo um copo de vinho, nos olhamos quando ela nos chamou e imediatamente nos dirigimos até o banheiro.

Ficamos quase uma hora nos ensaboando no meio de amassos que dávamos na Lúcia, na esfregação dela se alternando com os peitos durinhos pra mim ora para o Marcelo. Foram muitos beijos, muitas chupadas nos peitos, muitas mãos passando e se deliciando com o corpo curvilíneo dela. A Lúcia não perdia tempo e também passava a mão em nossos corpos, pegava em nossos paus duros, beijava o Marcelo, depois me beijava, ficava se esfregando, rebolando...isso tudo acontecendo no meio de muitas palavras obscenas, muitas frases desconexas, muitas palavras cheias de tesão. Foi um loucura, até que a Lúcia disse que estava na hora dela sentir aquelas varas dentro da bucetinha dela.

Saímos do chuveiro e fomos para o quarto nos deitando com ela no meio do Marcelo e de mim. Estávamos chupando a Lúcia, eu os peitos e o Marcelo a bucetinha dela que se contorcia de tesão. Ela me empurrou um pouco para o lado e pediu para o Marcelo meter nela. Olhou para mim e disse que depois que o pauzão do Marcelo estivesse bem dentro da bucetinha dela ela queria que eu tocasse uma siririca para ela gozar no pau dele.

Fiquei meio de lado enquanto o Marcelo apontava aquele falo grosso e duro na portinha da xoxota da Lúcia. Ele foi enterrando milímetro por milímetro nela. A Lúcia de pernas bem abertas arregaçando a bucetinha e mordendo os lábios tentava se ajeitar ao máximo para receber aquela pica. Eu olhava e meu pau ficava mais duro que nunca.

Marcelo cravou todo aquele cacete grosso e duro na Lúcia, esperou uns segundos ela se ajeitar e começou um vai e vem. Primeiro bem devagarinho, pausadamente... enquanto eles olhavam-se nos olhos, os bicos dos peitinhos deliciosos da Lúcia durinhos também, o Marcelo enfiando e tirando o bruto da xoxotinha dela cada vez mais rápido. Me lembro que ela disse: _ Vai ou não tocar uma punheta pra mim!

Não precisou! Assim que a Lúcia terminou de falar o Marcelo bombou mais umas duas ou três vezes e vi que ela tremeu. Estava gozando. A Lúcia gemeu e urrou de tesão pedindo para o Marcelo socar forte o pauzão nela. Ele obedecia e cada vez mais forte e mais rápido fazia aquele cacete grosso entrar na bucetinha da Lúcia que não parava de se contorcer e gemer. Logo me posicionei com o meu pau perto do rostinho da Lúcia, ela virou um pouco o rosto e já começou a me chupar enquanto o Marcelo não parava de bombar o cacetão nela eu comecei a brincar com o grelinho da Lúcia.

Como o grelinho estava meio sequinho brinquei um pouco com a língua, ela não se aguentava urrando de tesão. Foi só começar a tocar a siririca para ela que mais uma vez ela começou a tremer. Puxou o Marcelo para cima dela e prensou a minha mão entre eles – eu não conseguia mexer direito os dedos para brincar com o grelinho dela, mas a Lúcia continuava abraçando forte o Marcelo e também tentava trançar as pernas nele.

Gozou um monte, tanto que até escorreu pela bucetinha molhando o lençol da cama. Depois de ter gozado gostoso a Lúcia empurrou o Marcelo para sair de cima dela para ela trocar de lugar com ele. Ele deitou e a Lúcia logo foi posicionando a bucetinha dela para ficar bem na direção do pau do Marcelo, pediu para o meu amigo segurar o pau dele para que ela, que estava de cócoras, fosse engolindo com a xoxotinha cada centímetro daquele mastro duro.

Lúcia foi descendo e subindo sem parar no pau do Marcelo até começar a cavalgar com muita vontade e sem parar o pau dele. Eu que estava apenas olhando e tocando uma fui chamado pela minha puta esposinha para ela mamar meu cacete enquanto cavalgava o meu amigo. Foi isso que fiz. A Lúcia cavalgando, rebolando no pau do Marcelo e me chupando sem parar.

Logo ela pediu para me afastar mais para o lado, ficou de quatro e lembro exatamente o que ela disse olhando para o Marcelo: _ Você vai me foder e gozar do jeito que gozou na minha boca, mas agora vai ser dentro da minha buceta! Eu quero que você me encha de porra, Marcelo!

Empinando bem a bunda gostosa fez eu posicionar meu pau próximo ao rosto dela, começou a me chupar e esperava que o Marcelo começasse a meter. O Marcelo antes de meter começou a lamber e chupar a xoxotinha dela, a brincar com o grelinho. A Lúcia só pedia para ele meter, então ele se posicionou com o pauzão na bucetinha dela.

O Marcelo passava o pau duro dele desde a barriguinha da Lúcia até o cuzinho. Segurava a Lúcia com as duas mãos a cintura fina dela. A Lúcia disse que se ele não metesse aquela hora nela ela iria morder o pau dele. O Marcelo até riu.

Posicionado com o pau pronto para enfiar nela, a Lúcia pediu para eu abrir a bucetinha dela para receber o cacete do meu amigo. Saí da frente dela e fiz o que ela pediu abrindo bem a xoxota que de tão molhadinha que estava escorria, ela empinou mais ainda a bunda gostosa e eu separei as pernas dela arregaçando mais ainda a xoxota.

O Marcelo passou o pau dele no cuzinho e depois apontou a cabeça na bucetinha da Lúcia, e foi enfiando o cacete duro dele na Lúcia. Me posicionei ao lado da Lúcia e passei a tocar uma siririca enquanto o meu amigo socava a pica nela. Nem demorou para a minha esposinha gostosa gozar muito, de novo. Dessa vez, enquanto ela estava gozando, gritando e falando coisas que não me lembro, mais sei que me deixaram louco de tesão o Marcelo começou a urra também e gritou:

_ Vou te encher...vô te encher, sua puta! Vi que ele apertou bem as mãos no quadril dela, suando e se mordendo. Vi o pau dele latejando e bombando. Os dois putos haviam gozado juntos.

Marcelo tirou o pau dele da bucetinha da Lúcia e estava duro ainda, a Lúcia estava desfalida na cama e deitou um pouco de lado. O Marcelo perguntou: _ não vai deixar o maridão gozar em você também, sua putinha? Isso eu quero ver!

Eu tava com o pau duro e nem pensei em nada. Fui por trás da Lúcia e com a bucetinha melecada dela fui enfiando meu cacete nela. Entrou bem folgado um tanto porque ainda estava cheio da porra do Marcelo e também porque meu pau é mais fino do que o pau dele.

Foram poucas as bombadas que eu dei na xoxotinha da minha esposa gostosa, gozei litros também, sentindo um prazer que até aquele momento não havia sentido. Não dá para descrever! O Marcelo me vendo gozar nela falava muitas palavras e frases que eu sei que me deixaram com mais tesão ainda, não lembro direito, mas era a respeito da Lúcia, da xoxota dela, de como ela era gostosa e sabia meter, algo mais ou menos parecido.

Depois que nós três gozamos e estávamos um pouco mais relaxados fomos tomar banho novamente, mas dessa vez foi mais rápido. Logo voltamos para cama e adormecemos.

Quando acordamos no outro dia fomos tomar o café da manhã e depois sentamos e conversamos. Conversamos muito a respeito do que havia ocorrido, como foi gostoso, mas não nos encorajamos de repetir nada naquele momento.

Os três estavam extenuados e doloridos, principalmente, a Lúcia que disse estar com a bucetinha inchada por causa do pau do Marcelo. Depois de muita conversa e com o Marcelo relatando o que queria ter feito antes de acontecer o que aconteceu e discussão sobre prós e contras combinamos de repetir aquela noite, mas o Marcelo queria mesmo que fosse a Sara esposa dele, no lugar da Lúcia na noite anterior.

O Marcelo disse que eu teria que comer a Sara de qualquer jeito. Conversamos muito e a Lúcia concordou, afinal ela tinha decidido pela suruba sem pensar muito [foi o que ela nos falou].

Foi na noite/madrugada de quinta-feira que isso ocorreu, passamos a sexta quase só dormindo e comendo. A noite conversamos mais ainda a respeito do ocorrido e fomos dormir, ainda estávamos cansados e esperávamos pela Sara.

Estávamos acordados desde bem cedo, na manhã de sábado. A Lúcia que havia acordado com a corda toda havia chamado o Marcelo para nossa cama e estávamos no maior dos amassos nós três quando ouvimos a Sara chegar.

Eu a a Lúcia ficamos no quarto transando e o Marcelo foi receber a Sara. Antes de sair do quarto o nosso amigo falou que iria contar tudo o que havia ocorrido conosco para a esposa dele.

Depois de algum tempo entra no quarto o Marcelo, só de cueca, e a Sara toda nua com o sorriso nas orelhas dizendo que até que enfim experimentaria meu pau. E assim foi, transamos nós quatro, dois dias a fio.

Logo após esse final de semana quando voltamos para Curitiba e retomamos nosso cotidiano nos reunimos para fazer um balanço a respeito do final de semana prolongado. Combinamos de continuar transando entre nós e foi isso que aconteceu durantes quase 20 anos, incluímos outras pessoas em nossas transas. As amigas Sil e Val e mais tarde outros quatro casais de amigos.

Transamos quase de todas as maneiras possíveis e com todas as combinações possíveis entre todos nós. Primeiramente, nós quatro juntos, então eu o Marcelo e a Sara, eu o Marcelo e a Lúcia, eu a Lúcia e a Sara, o Marcelo a Sara e a Lúcia. Às vezes saíamos apenas eu e a Sara enquanto o Marcelo e Lúcia saíam juntos e assim continuava.

Com o passar dos anos e o círculo de amizades crescendo as alternativas de troca para transar cresceram também. Um amigo tinha um chácara nas redondezas de Curitiba em que fizemos muitas e muitas festas, mas isso eu conto nos outros relatos em outra hora porque são muitas as histórias e somente agora estou pronto a dividi-las.

Espero que tenham gostado e que aproveitem a vida também.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
21/05/2012 15:38:03
gostei, bastante detalhe e isso ajuda a imaginar o que vc sentiu e o que aconteceu. volta e meia fico de pau duro ao lembrar meu primeiro menage, q aconteceu faz poucos dias
11/01/2012 23:30:48
Maravilhoso conseguiu prender minha atenção do início ao fim,foi um dos melhores que li até hoje.Me envolvi muito também,senti tesão,pareceia que eu estava la participando rsrsr.Espero que os outros sejam iguais ou melhores.Abraço e parabéns !!
29/07/2011 13:43:35
Parabens! Texto muito bem escrito e envolvente, contudo, um pouco longo! Como sugestão tente dividir na próxima. abraço!
28/07/2011 20:09:26
Cansativo




Online porn video at mobile phone


Porno gay Homem chama encanador para olhar o tetoconto erotico velha casada banca negao pirocudoflaguri minha irma pelada e transei com ela you tubeo negrao enrabador ta taradamostrando abuçeta pedindo para alguém comercontos de mulheres de legging so bucetaonovinhohs gostososcontos engravidei mamaeconto erótico tesao em raxinhas minúsculascetona e da bundona tomando banho pelada no banheiro XVídeoirmas safadas relatosxvideos comedo uma mele buchudadando um chupao na sua amiga a forsa lisbico pornofoi mal apertarou aqui sem querperseguindo brasileiras casadas para lhe foder o cu eroticoxvidio casada chupano o amigo do filho escondidosexo anal hAaaaaTudo grandão youtubepornomulher do Espanto dopando a mais gostosaxvidiocasada urando no caralhocontos incestos mãe mais lidos 2017so fotos de gueis novihos dotadosSou mulher casada meu compadre me fodeuacampando contos eroticosflagra convecendo a enpregada fazer sexodepoimento de descabaço bucetaprima gosta da minha pica ele pega e burta na bucerta dela xxx minina cumedo mininoassistir vídeo A Escrava tem a bunda toda cortada com chicotecontos eroticos gostosa de camisola e a rola grossacontos de zoofilia com porcomulheres cariocas fragou seu sublinho tocando punheta olhando asua fotpornô enfermeira dando um trato no paciente bem dotado Ela Ficou assustadanovinho da cabeçaa vermelhinha enfiando devagarzinho na bucetahttp://conto me pagou pra me fuderzoofilia genicologista enfia alargador na buceta da noviacache:O_fz-T5lnJcJ:zdorovsreda.ru/texto/201202304 o amigo do meu marido me estrupou contosai calma tua rola ta entrando no meu cu contos erótico xvideoscomedo atia.comxvideogrates pornor empregada com patraoContinuasao do video porno do pia esfregando na mae video chinesMulher auto e gosano gostosovideo porno casada chorte garupa motoContos eróticos procurando aventura no clube de campoqueria ver vídeo do Nx novinha trepando muito com seus cunhadosflagante de sexo com patricinha de carangolaver mulhe chutando bocetareginaporno abaixarcornomeu padrasto me vigiava tomar banho um dia ele comeu meu cuconto erótico Fui obrigado a violentar minha filhaxvideos vih minha novinha deitada com bunda pra cima e comi elafotonovela fodendo sogra e cunhadatexto entida seduzindo padratofoto.flagas.itiadas nuasbundudas com o capeta no baile funkpau encapado pra esposa timidamulher querendo fazer zoofilia no Rio de JaneiroXVídeos amador caseiros n******** gordinhas loucurinhaporno vizinha de 14anaos de idade de chortinho curto o vizinho comeCavalo pistoludo cabessudo sexovideo da minha jeba arrombando o padrecocontos eroticos fudendoc a marcha do carroxvideos morritoeConto erotico filha apanha pq estourou o cartãobrazileira pedi comi minha buceta i meu cu i gosa degustavo de carinha de anjo trepanobunda branca mole cavalgando na minha rrola no 1.xxxwww. xvidius de cazadas sendo entre marido e i amigogordinha pacotao pornodoido calça lege"noivo me liberou"x videos sogra da remedio pra genro durmir e senta no pau deleContoerotico estuprarao e comerao minha mae no onibusfoto de muie com bucetas largas