O emprego temporário de Sandra


Um conto erótico de Sandra de Campinas
Categoria: Heterossexual
Data: 26/03/2008 09:14:44
Última revisão: 18/01/2012 01:14:32
Nota 8.27
Assuntos:

O Emprego temporário de Sandra

Tudo começou no meu último ano de faculdade. Eu namorava o amor dos meus sonhos, Marquinho Ballaci, e morava com ele. Marquinho era monitor de Direito Civil e estávamos pensando em casar.

Eu queria fazer um book de modelo, mas tive que desistir porque Marquinho e eu precisávamos de dinheiro para continuar tendo um apartamento para nós.

Um dia, olhando o quadro de avisos na faculdade, encontrei um anúncio procurando um estudante de administração para estagiar num escritório de contabilidade.

"Fantástico!"pensei. Isso pode dar a folga que eu e Marquinhos estávamos precisando. Agora eu poderia obter um emprego de meio período e nós poderíamos ter o dinheiro do aluguel, que já estava atrasado um mês.

Quando eu me apresentei no escritório, no dia seguinte, descobri que o dono era um pretinho baixinho e gordo de uns 50 anos de idade. Isso não seria problema algum, a não ser pelo jeito que ele me olhou. Tão logo ele saiu de sua sala para me cumprimentar, ele quase parou no caminho e deu uma examinada de cima a baixo. Eu achei aquilo uma grossura.

Apesar de sua indelicadeza, eu estava decidida a conseguir o emprego - pelo bem de minha relação com Marquinho.

O Dr. Nogueira me conduziu a seu escritório e puxou sua cadeira de detrás de sua escrivaninha, colocando-a bem na minha frente. Ele começou a falar com uma ridicula voz de locutor. Eu pensei: "Não acredito... esse preto velho acha que vai me seduzir!"

Seu Nogueira - ele insistiu que eu o chamasse de "Rosival"- continuou a palrar sobre o escritório e de como ele tinha certeza de que eu iria ser bem "encaixada". Foi rude o modo com que ele enfatizou a palavra "encaixada" quando a disse, mas eu fiz de conta que não percebera a mensagem lúbrica que ele estava transmitindo.

À medida que nossa conversa evoluiu, porém, tenho de admitir, fiquei impressionada com seus modos confiantes e persistentes. A maioria dos rapazes na faculdade ficavam mudos quando chegaram perto de mim. Mas esse com certeza não era o caso com esse neguinho gordinho. Ele parecia convencido de que podia me seduzir... e eu estava ao mesmo tempo um pouco chateada e impressionada com isso.

Enquanto Rosival continou a me falar, estranho como possa parecer, eu comecei a ficar aos poucos mais envolvida naquela coisa de falar como locutor. Ele era bom naquilo. Eu me descobri gostando do som de sua voz... de certo modo ela me fazia sentir... beeemm... sensual, eu acho.

A próxima coisa de que me dei conta foram dos dedos pretos de Rosival acariciando minha perna. Eu tinha vestido uma saia bastante curta para a entrevista. Devo admitir que foi para impressionar o entrevistador. Naquela hora eu estava me dando conta de que estava tendo um efeito maior do que o desejado. Desejei ter vestido umas pantalonas, mas agora era tarde. Minha falha de julgamento estava jogando contra mim. Eu tinha vindo a uma entrevista me mostrando e agora aquele velhinho, de meia idade, extremamente negro que eu mostrasse mais - muito mais!

Eu estava prestes a lhe pedir que, por favor, parasse com o que estava fazendo, mas eu, honestamente, temi que aquilo pudesse arruinar minhas chances de conseguir o emprego de que eu e Marquinho tanto precisávamos. Várias vezes, na hora em que eu estava para dizer algo, ele retirava sua mão. Depois, quando a conversa continuava um pouco, os dedos voltavam a deslizar por minhas coxas.

Tenho vergonha de dizer, mas aquele homem estava me excitando um pouco. E nunca tinha estado com um homem tão auto-confiante e tão agressivo, mas tão sutil.

Finalmente, ele concluiu e me ofereceu o emprego. Um sorriso brincou em seus lábios grossos. Estou certa de que ele estava se sentindo extremamente satisfeito de que tivesse sido capaz de acariciar minhas pernas durante a entrevista, sem que eu pusesse objeção. Provavelmente ele lera aquilo como um consentimento meu a seus avanços. Mas eu não tivera, de modo algum, aquela intenção.

Quando eu saí, estava zangada. Eu não lhe tinha dito que parasse, e me perguntava por que não o fizera. Eu me convencia que fora devido ao dinheiro - eu precisava do dinheiro - e, além do mais, havia Marquinho. Fora por ele que eu o fizera.

Cheguei em casa e me despi. Fiquei surpresa ao descobrir que minha meia calça estava úmida na virilha. Para ser honesta, estava bastante úmida. Eu a estive admirando por longos momentos. Levantei-a e cheirei. Era meu odor de mulher. Mas... não podia ser... aquele pequenino homem negro estranho não podia... não poderia jamais... ter-me deixado... molhada?

Entrei no chuveiro e me ensaboei. Eu podia sentir meu corpo respondendo imensamente a meu toque. Meus mamilos estavam duríssimos. Eu apertei meus seios e senti prazer. Eu os apertei novamente, com muito mais força e brutalmente, dessa vez. Eu estava ficando excitada e muito tesuda. Havia muito tempo que eu não me sentia daquele jeito. Eu amava Marquinho, mas o sexo não era realmente uma parte importante de nossa relação. Ele não era muito experiente. Eu comecei a brincar com meu clitóris e murmurei para mim mesma: "Oh, Marquinho".

Fiz força em meu cérebro para visualizar o home que eu amava enquanto me recostava contra a parede de azulejos do banheiro sob a cascata d'água. Meus dedos estavam trabalhando furiosamente no botãozinho enrijecido que estava prestes a me fornecer o mais forte alívio que eu tivera em meses. E então ele chegou, quase como um raio. Eu estremeci e gemi. Desabei no fundo da banheira enquanto continuava sacolejando e estremecendo com o orgasmo poderoso. Finalmente, quando ele foi acalmando, meus lábios sussurraram alguma coisa... e aquilo ecoou de volta para mim nos confins do banheiro.

Foi um nome...

"Oooooo... Rosival".

Eu fiquei sentada num silêncio surpreendido, minhas coxas arreganhadas tanto quanto o permitiam as paredes da banheira. Eu não conseguia entender o que estava acontecendo comigo.

Naquela noite eu fiquei deitada na cama ouvindo Marquinho roncar. Mas eu estava distraída imaginando o que eu iria vestir no dia seguinte. Deveria vestir a saia preta extra curta, combinando com minha meia-calça branca e sapatos brancos de salto número sete?

De repente, eu me descobri.

Por que eu estava pensando naquilo? O que importava o modo como eu iria me vestir? Eu me senti confusa.

Na manhã seguinte, depois de ir e voltar no quarto diversas vezes, mesmo depois de ter posto umas pantalonas, eu voltei à saia curta. Tirei as pantalonas e, quase que num estranho transe, eu me vi vestindo a meia-calça branca, a saia preta extremamente curta e sapatos saltos sete.

Olhei-me no espelho e me vi parecendo uma gatinha sensual. Por que eu estava agindo assim, refleti?

Quando eu me apresentei no escritório, Rosival ficou evidentemente satisfeito. Embora o vestido que eu usara para a entrevista fosse curto, a saia que eu vesti para o meu primeiro dia de trabalho sob suas ordens era ainda mais curta.

Meu coração estava batendo forte em meu peito. Eu senti que devia ter agido diferente. O que aquele homenzinho super-autoconfiante iria pensar? Era claro que ele iria concluir que eu havia me vestido daquele jeito por causa dele. Ele iria pensar que minha intenção ao vestir aquela saia extra-curta fôra que ele pudesse ter uma melhor visão de mim.

"Fora essa, minha intenção?" eu me perguntei...

"Sandra, almoce comigo hoje", convidou o Dr. Nogueira de um modo que era mais uma ordem que um pedido.

"Hein? Oh... Ok, Dr. Nogueira", respondi sem saber como poderia recusar o convite sem criar uma cena.

Então ele se inclinou e disse suavemente: "O que você prefere na comida, querida?" Ele sabia que aquela frase tinha duplo sentido e sabia que eu também sabia.

Eu me fiz de tonta para tentar ignorar a segunda implicação possível. "Eu gosto de quase tudo", respondi, e então me recriminei por ter respondido de modo tão estúpido. Minha resposta também podia ser tomada em dois diferentes sentidos.

Rosival sorriu como se tivesse entendido minha resposta no mesmo duplo sentido que ele estava tentando usar comigo. "Vamos ver", disse ele sorrindo de modo obsceno. "Vamos ver..."

Rosival me levou a um restaurante caro nos Jardins em sua BMW. Ele estava, evidentemente, bem de vida. Não surpreendentemente, a visão de um velho negro com uma lourinha bastante jovem ainda chamava a atenção.

Quando nós saímos do carro, Rosival foi o tipo do cavalheiro que saiu de moda. Ele abriu a porta para mim e tomou minha mão para me ajudar a sair. Infelizmente, quando nós entramos no restaurante eu senti seu braço na minha cintura. Fui surpreendida ao descobri-lo tão ousado ao ponto de passar seu braço por trás de mim, como se fosse sua companheira ou algo assim.

Aquilo me desgostou, mas eu não sabia como podia por um paradeiro sem criar uma situação desconfortável com meu novo patrão.

Nós fomos conduzidos a uma mesa reservada no fundo do salão e tivemos uma refeição maravilhosa. Rosival insistiu para que eu bebesse vinho antes, durante e depois do almoço. Eu tinha bebido quase três pequenas taças completas. Não sou muito de beber, por isso estava me sentindo um pouco aérea.

No caminho de volta para o escritório, Rosival pôde perceber que eu estava ligeiramente embriagada. Enquanto ele falava, começou a tocar meu joelho. Logo, sua mão estava firmemente plantada nele e começo uma jornada acima ao longo de minha coxa.

Eu queria dizer "basta". Mas eu estava me sentindo fraca e cansada das taças de vinho. Logo a mão de Rosival estava confiantemente alisando minha coxa enquanto nós rodávamos. A maldita saia que eu vestira estava deslizando facilmente para cima até meus quadris. Finalmente, eu coloquei minha mão timidamente em torno do pulso de Rosival, como para lhe dizer que queria que ele parasse. Mas ele ignorou meu sinal. Sua mão continuou a alisar minha coxa, ainda mais descaradamente, mesmo com minha mão envolvendo seu pulso. Na verdade, pareceria, para um observador que estivesse ao lado do carro, que eu estava conduzindo sua mão para baixo de minha saia e entre minhas coxas.

Nós rodamos mais alguns quarteirões e eu me vi cabisbaixa, espantada de ver a mão daquele velho preto barrigudo posta entre minhas pernas. Minhas coxas agora estavam abertas, totalmente arreganhadas. Para qualquer passante eu pareceria uma jovem prostituta loura com sua mão guiando a de um velho negro embaixo de sua saia e entre suas coxas totalmente abertas e convidativas.

Rosival estava manipulando meu clitóris através do fino nylon que eu vestia.

"MMmmmm..." Eu o ouvi gemer obscen quando sentiu minha umidade se espalhando sobre o nylon esticado.

"Você gosta disso, não é Sandrinha?"

Minha única resposta possível foi um gemido. Eu estava dominada pelo tesão e me sentia muito debilitada sob as malvadas manipulações daquele preto velho ousado.

Ele entrou com o carro no estacionamento da empresa e estacionou num lugar afastado e reservado para seu carro. Então eu o senti segurar-me por trás do pescoço e, gentil, mas firmemente, começar a empurrar minha cabeça para baixo na direção de sua virilha.

Eu o ouvi batalhar com o zíper e depois o ouvi abri-lo ruidosamente. Quando ele empurrou minha cabeça para baixo eu só pude oferecer uma resistência insignificante. Eu me sentia exaurida sob as demandas daquele negro surpreendentemente audacioso e poderoso.

No fundo de meu cérebro e lembrei do dia anterior quando eu achara sua aproximação tão ridícula. Agora, ali estava eu, com minha buceta ardente e enxarcada, com minha cabeça sendo forçada para baixo na direção de seu caralho desembainhado.

Eu abri meus olhos e encontrei sua rola monstruosamente gorda e assustadoramente negra posicionada a centímetros de minha boca.

Ele continuou forçando confiante minha cabeça para baixo até que meus lábios estivessem firmemente plantados sobre a cabeça cálida e úmida de seu grosso cacete negro.

Eu tive vontade de chorar, mas me convenci de que estava fazendo aquilo por Marquinho. É por Marquinho, eu insisti dizendo para mim mesma.

Então meus lábios cederam e eu acolhi o pau grosso e tépido dentro de minha boca.

"Essa é minha garota", ouvi Rosival roncar. "O almoço ainda não acabou, meu anjo", ele gracejou.

O restou eu tenho vergonha de admitir. Eu só queria acabar logo com aquilo. Comecei a sacudir minha cabeça para cima e para baixo de seu órgão grosso e exuberante. Eu podia saborear a semente salgada que vazava de seu caralho sob a forma de pré-gozo.

Soa terrível, mas eu gostei do sabor. O gosto dele era maravilhoso. Eu estava ficando cada vez mais tesuda, à medida que enrolava minha língua em torno de sua carnuda arma africana. Ele gemeu e isso me fez sentir orgulhosa de estar dando àquele velho - que certa vez havia considerado ridículo - todo o prazer de eu era capaz.

"Mais rápido, puta", exigiu meu negro dominador. Eu correspondi. Comecei a dar um trato em seu cacete, punhetando-o furiosamente com minha boca, para cima e para baixo, com minha saliva espumando e escorrendo melada pelos cantos de minha boca ao longo daquela tora rechonchuda. De vez em quando eu o puxava para fora de minha caverna oral e lambia em torno do bocal de seu caralho lindo, grosso, preto. Cheguei a beijá-lo algumas vezes, para depois devorá-lo novamente, envolvendo e devolvendo, chupando e lambendo, sugando sua gosma e untando-o com minha baba, engolindo-o até minha garganta e afastando-o, tudo como uma mulher possuída. Agora eu podia ouvir meus próprios roncos e grunhidos equanto trabalhava naquele groso pedaço de carne preta qeu Rosival me oferecia do dentro da braguilha de suas calças.

"Aí vai uma coisa pra molhar toda essa carne, menina", ele gemeu.

E aí começou. O homem que eu tinha considerado um preto velho barrigudinho começou a jorrar uma fonte de esperma grosso em minha boca, numa quantidade que eu nunca tinha experimentado antes. Ele gozou, e gozou, e gozou, até que eu estava com problemas para seguir engolindo.

"Não deixe melar minha calça, cachorra", ele avisou quando eu engasguei e tossi e engoli e engasguei de novo e engoli mais.

Finalmente, senti que estava ficando empanturrada com as cargas excessivas de gozo que meu novo patrão estava descarregando em minha boca. Eu o senti agarrar meus cabelos por trás e arrancar-me de seu membro exaurido. Um cordão de esperma ficou pendurado de meu queixo. Eu o olhei e ele sorriu para mim.

"Puxa, isso foi muito muito bom para um primeiro dia no novo emprego. Mas, não se preocupe, Sandrinha, quando você tiver umas semanas mais nesse trabalho, você vai se sair ainda melhor."

Depois de chupar no estacionamento meu novo patrão, o negro Rosival Nogueira, voltei para o trabalho durante toda a tarde.

Uma grande mancha de sêmen decorava minha blusa na altura dos seios, o que fez com que os outros dois empregados ficassem olhando, certamente tirando conclusões sobre o que havia acontecido durante o almoço entre seu patrão e a nova estagiária.

A tarde toda eu trabalhei em silêncio tumular, como uma sonâmbula, enquanto meu novo patrão me chamava, de vez em quando, casualmente, para ajudá-lo em seu escritório.

"Por favor, pegue esses arquivos e organize-os por ordem alfabética e por data, Sandra", ele me orientava rotineiramente. E então, no momento em que me voltava para sair sair com as pastas eu ganhava uma leve apalpada na bunda. Seu assistente, Leo, viu algumas vezes a apalpadinha que ele dava no meu traseiro e sorriu com admiração para Rosival, que sorria de volta com satisfação condescendente. Ele queria que todos soubessem que a jovem loura era completamente sua!

No fim do dia eu estava exausta e me sentindo derrotada. As mãos de Rosival uma hora estavam em meus quadris, e na outra apalpando meu rabo. Não havia jeito de impedir que aquele patrão negro dominador e arrogante se desse tais direitos sobre mim.

De vez em quando eu tentava parar suas mãos, mas ele persistia e eu cheguei à conclusão de que eram fúteis as tentativas de parar o apalpamento de meu corpo. No fim do dia eu já não fazia nenhum esforço para detê-lo. Em certo momento Rosival veio atrás de mim na sala dos arquivos, enlaçou-me e começou a manusear meus peitos. Ele foi um pouco rude ao fazê-lo, mas de novo eu estava fraca demais para opor qualquer resistência. Leo entrou e viu o que estava acontecendo. "Desculpe", ele falou em voz alta, com uma careta sacana no rosto negro. E depois ele deu meia volta e nos deixou a sós rapidamente.

"Por favor, Dr. Nogueira, isso precisa parar. Eu só quero fazer meu trabalho...", eu implorei ao homem que se introduzira tão completamente em minha vida.

"Este é seu trabalho, Sandra", ele disse com firmeza. "Por isso, trate de ir se acostumando... entendeu?"

"Sim.... sim, senhor..."

Aí ele começou a esfregar seu caralho gordo e carnudo no rego de minha bunda

e me beijou, faminto, o pescoço.

Eu gemi. Ele estava de novo me deixando com tesão. Eu tentei pensar de novo em Marquinho, mas aí Rosival me fez girar e inclinou meu rosto para o seu. Nossos lábios se encontraram e eu me dei conta de que aquele negro audacioso estava me beijando... Era ainda meu primeiro dia no trabalho.

Eu o empurrei, mas ele era forte demais e me manteve colada a seu corpo. Na verdade ele era mais bem mais baixo do que eu, e devia parecer ridículo aquele negrinho barrigudo puxando aquela jovem loura alta para ele e fazendo-a submeter-se a sua vontade.

Em lugar de me envolver numa luta livre com ele, eu finalmente me submeti a seus lábios. E comecei mesmo a beijá-lo de volta. Minha idéia era dar a ele o que ele estava querendo e depois sair dali e nunca mais voltar. Esqueça o dinheiro. Tudo estava fugindo ao controle. Eu estava me tornando o brinquedo sexual daquele homem horroroso. Enquanto nós nos beijávamos, meu negro patrão começou a tentar enfiar sua língua em minha boca. Eu resisti, mas sua maldita persistência o fez continuar a abrir meus lábios. Quando meus lábios cederam, só um pouquinho, a seus esforços tenazes, sua língua grossa serpenteou profundamente para dentro de minha cavidade oral. Nossas duas bocas estavam agora largamente abertas, com sua língua áspera enroscando brutalmente com a minha.

A mão de Rosival Nogueira estava agora acariciando meu seio, seu polegar esfregando meu mamilo. Eu segurei seu pulso, mas nesse momento, eu confesso, sem fazer nenhum esforço para afastá-la. Meu gesto de segurar seu pulso destinava-se apenas a mostrar uma tímida resistência ante o fato de estar sendo possuída por ele. Psicologicamente, eu necessitava sentir que estava pelo menos tentando resistir, mesmo que minha língua estivesse agora voluntariamente enroscando na dele.

Minutos devem ter se passado até que eu me descobri com meus braços em torno de seu pescoço. Eu estava beijando agressivamente aquele homenzinho exoticamente sensual e auto-confiante.

As mãos negras do Dr. Nogueira empalmaram as bochechas de minha bunda e massagearam-nas através de minha saia. Em seguida ele puxou a saia minúscula e passou a apalpar minha bunda com força debaixo do pano.

Eu estava úmida, naquela hora... Tive medo do que eu poderia fazer com meu exigente superior negro, bem ali, num canto do escritório - quando súbitamente o Dr. Nogueira parou, afastou-se e voltou para sua sala.

Eu permaneci de pernas bambas e petrificada por ele ter parado tão abruptamente de me usar.

Depois de me dar alguma atenção no banheiro feminino, dei por terminado meu dia de trabalho. Eu sabia que no fim do dia eu devia apenas sair e nunca mais voltar. Mas, em lugar disso, eu me descobri entrando na sala de Rosival Nogueira para avisá-lo de que estava saindo.

É difícil explicar o que eu estava pensando. Acho que eu não estava pensando. Meu corpo estava apenas reagindo, reagindo ao poder daquele homem negro quase insignificante, mas com a compleição de um boi, que tinha conquistado sua presa em apenas um dia.

Na minha cabeça eu pensei rapidamente em Marquinho e esperei que se ele algum dia descobrisse pudesse me perdoar.

"Eu estou saindo, Dr. Nogueira", eu disse timidamente para aquele homenzinho negro debruçado sobre documentos de trabalho.

"Está bem, Sandra", ele disse, sem olhar para mim. "Mas amanhã eu gostaria que você deixasse a meia-calça em casa. Acho que uma saia xadrez com meias três quartos ficaria linda em você". E aí ele me olhou, manteve-me sob a mira de seu olhar incisivo sobre a armação de seus óculos de leitura: "Certo?"

Depois de uma longa pausa durante a qual eu lutei para não mandá-lo se foder, eu ouvi minha resposta, como se fosse de outra pessoa que estivesse naquela sala:

"Sim, senhor."

Depois de ir à compra da saia e meias, cheguei em casa para encontrar Marquinho refestelado no sofá assistindo um jogo do Palmeiras. Ele percebeu rapidamente a mancha em minha blusa e indagou a respeito. Eu disse que tinha derramado um pouco de café e ele deixou por aquilo mesmo. Afinal, nem num milhão de anos Marquinho ia imaginar que fosse uma mancha do esperma de meu novo patrão negro, que eu tinha babado para meu queixo depois de ter chupado seu cacete maravilhoso no estacionamento depois do almoço, não é?

Marquinho também perguntou sobre as roupas novas que eu tinha comprado. Eu lhe disse que precisava de mais roupas para trabalhar, e ponto final. Ele não tocou mais no assunto. Ele estava contente de que eu estivesse pagando o aluguel. Contudo, eu estava aterrorizada com o preço das roupas. Eu tinha gastado um terço do dinheiro que eu ia ganhar comprando roupas para agradar e impressionar meu novo patrão. Era como se eu fosse sua prostituta e me vestir para ele fosse uma parte importante do desempenho.

Era, de certo modo, humilhante. E no entanto, estranhamente me excitava. Nunca sonhei que pudesse reagir daquele modo a ser tratada apenas como um objeto sexual, mas eu reagi. Eu me sentia mais sexy e mais viva do que jamais tinha me sentido antes.

Eu entrei no chuveiro e abri o jorro calmante de agua quente. Sentada na beirada da banheira, eu comecei a me lembrar de todos os rapazes negros que tinham alguma vez me convidado para sair e que eu sempre tinha dispensado. Eu não via aquilo como manifestação de racismo, mas eu apenas não conseguia me imaginar saindo com um preto.

E agora eu estava pensando no que talvez eu tivesse perdido. Afinal, se um homenzinho de meia idade, pequeno e rechonchudo como Rosival Nogueira podia fazer comigo o que ele tinha feito, o que não poderia fazer um jovem garanhão?

Meus pensamentos iam e voltavam, enquanto eu imaginava se não seria, talvez, a idade de Rosival que lhe acrescentava a confiança em si mesmo que eu tinha achado tão difícil de resistir. Talvez fossem os pretos mais velhos que fossem tão difíceis de rejeitar, que fossem tão super-sexy.

Eu me lembrei de um professor de história que eu tive em uma de minhas matérias na faculdade "A Experiência Negra."Tendo sido criada em uma família muito conservadora o achava e a seus pontos de vista arrogantes e abrasivos. Enquanto eu me lembrava dele, e como ele deslizava confiantemente pela sala de aula enquanto dissertava, eu achei meus dedos bolinando ferozmente meu clitóris. Eu podia ouvir a voz dele, enquanto rosnando petulantemente sobre injustiça e a mesquinharia subjacente à fraqueza da raça branca, e, lentamente, minhas coxas se puseram-se abertas e meus dedos moveram-se mais rápidos. Eu o imaginei espiando debaixo de minha saia enquanto me dava seu sermão sobre meus preconceitos e privilégios, e minhas coxas se arreganharam ainda mais. De repente, a porta do banheiro se escancarou e Marquinho entrou nu. "Uau! O que está acontecendo aqui? Minha menina está com tesão, é?" ele se maravilhou.

Marquinho entrou no chuveiro, sua pele parecendo ainda mais pálida do que eu jamais a tinha visto, de um modo quase doentio.

Seu pintinho pequenininho balançava na frente dele. Era uma pálida amostra - sem trocadilho - em comparação com a jojoba grossa e máscula de Rosival.

Marquinho me abraçou, nossos corpos nus se encontrando, e me beijou.

Eu não senti nada.

Eu retornei o beijo, mas não ofereci minha língua. A língua de Marquinho finalmente insistiu. Eu abri minha boca para ele e quando sua língua se movimentou em minha boca eu me dei conta de que eu não tinha lavado a boca desde que beijara Rosival e, para dizer a verdade, desde que tinha chupado seu potente caralho negro.

Marquinho estava movendo sua língua sobre as sobras de saliva e esperma de meu patrão negro. Eu comecei a rir de tão louco que me pareciam tanto o fato de que minha vida tinha mudado tanto nos dois últimos dias, como a situação de meu noivo agora lambendo de minha boca os restos da porra de um homem negro de meia-idade.

"Do que você está rindo?" Marquinho perguntou aborrecido.

"Nada. Vamos sair..." eu respondi. Ele percebeu que eu não estava correspondendo a suas tentativas de sexo e ficou de biquinho o resto da noite, bebendo cerveja e assistindo futebol.

Eu passei o resto da noite fazendo as unhas e experimentando meu novo modelito, tentando descobrir como podia ficar mais sexy para o Dr. Rosival Nogueira... o novo homem em minha vida.

No dia seguinte eu me apresentei no trabalho em minha saia xadrez extra curta, meias três quartos vermelhas e blusa branca quase transparente. Debaixo da blusa eu vesti um soutien vermelho que podia ser visto através do tecido branco da blusa, e que tinha um corte bem baixo, expondo um decote generoso.

Nos cabelos, eu estava usando um laço vermelho. Eu me vestira como a perfeita aluna de um colégio católico para o Doutor Rosival Nogueira, meu patrão negro... o homem que de fato estava pagando meu aluguel. Eu aprendera muito bem que ele não era um homem para se fazer de tolo, e eu queria definitivamente que ele ficasse satisfeito comigo.

Quando eu entrei em sua sala, um sorriso largo se espalhou pelo rosto do Dr. Nogueira.

"Porra, menina! Você realmente receber instruções, hem?"disse ele com um esgar ainda se espalhando. Eu pensei que ele talvez tivesse tido alguma dúvida sobre se eu iria me apresentar para o trabalho de novo. E agora ali estava eu, e vestida provocantemente - exatamente como ele tinha determinado.

"Vem pro paizinho!"ele disse, braços estendidos, dando a entender que eu devia sentar em seu colo.

Eu o fiz.

Imediatamente as mãos de Rosival acariciaram minhas coxas nuas e depois deslizaram sob minha saia e entre minhas coxas.

Não havia mais nenhum disfarce de preliminares. Minhas coxas se abriram facilmente para ele e eu, de fato, ansiava sentir seus dedos acariciando os lábios inchados de minha vagina.

"Você gostou de se vestir pro papai, não é, Sandra?" ele sussurrou obsceno em meu ouvido.

"Sim..." Eu respondi sussurrando.

"Sim o quê, anjinho?"

"Sim... paizinho".

Bem nessa hora Leo entrou no escritório de Rosival e parou estupefato ante a visão de nós dois. Eu fechei rapidamente minhas coxas com o choque da interrupção... Eu ainda guardava alguma vergonha. Infelizmente, minhas coxas prederam a mão do Dr. Nogueira entre elas.

"Acho que você me pegou com a mão na massa, Leo!" Rosival disse com uma gargalhada, secretamente orgulhoso de ser apanhado na situação em que estávamos.

"Desculpe, chefe", disse Leo com um sorriso, e continuou ali de pé apreciando a mão preta de seu patrão que parecia ter sido devorada entre minhas coxas.

Eu virei minha cabeça para o lado embaraçada, minhas coxas ainda fechadas sobre a mão invasiva de Rosival Nogueira.

"Bem, Leo, em que posso te ajudar, garoto?"perguntou Rosival ao jovem assistente despreocupadamente, sua mão ainda imersa no golfo de minhas coxas.

A partir daí os dois homens entabularam uma conversa sobre algum assunto de trabalho. Enquanto eles tocavam aquela conversa num tom casual, Rosival começou a esfregar sua mão entre minhas coxas, como se fosse a coisa mais natural do mundo. Ele fazia aqui de um modo quase inconsciente, distraidamente, enquanto conversava.

Os olhos de Leo ficavam constantemente espreitando para observar a mão de seu patrão movendo-se lentamente entre as coxas da jovem estagiária loura.

Era tão gostoso... E Leo já tinha testemunhado tanto... Lentamente, enquanto eles falavam, eu deixei minhas coxas se apartarem para facilitar os carinhos de Rosival entre elas. Primeiro, só um pouquinho, depois elas se afastaram mais... e mais... Depois de alguns minutos eu estava sentada no colo de meu patrão negro, com a cabeça mergulhada em seu ombro, coxas totalmente arreganhadas, enquanto aquele aquele negro dominador esfregava minha buceta úmida... tudo isso na frente de outro jovem - e agora extremamente excitado - empregado negro.

Depois de alguns minutos eu pude ouvir que Leo esta fazendo algum esforço para prolongar a conversa e sua permanência no escritório de Rosival, espiando seu patrão manipular a jovem estagiária loura. A conversa tinha longas pausas e se tornou mais formal, enquanto Leo observava, interessado.

Pude sentir Rosival introduzindo seus dedos sob a forquilha de minhas calcinhas úmidas. Seus dedos começaram a me penetrar. Eu gemi.

Ouvi Leo murmurar "Puta merda...!!!"enquanto observava Rosival começar a me dedilhar bem na frente de seu jovem assistente.

"Sabe de uma coisa, Leo, algumas vezes um homem tem de aproveitar a oportunidade quando ela a vê", disse Rosival suavemente enquanto enfiava dois dedos mais entre os lábios úmidos e escorregadios de minha buceta.

"Eu sempre aproveito as oportunidades que outros homens estúpidos deixam disponíveis", continuou Rosival. O barulho molhado de seus dedos em minha buceta rapidamente lubrificando-se podia agora ser ouvido claramente enquanto ele falava a seu assessor. Leo estava silencioso.

"Por exemplo, um homem jovem deixa a linda noiva ir para o mercado para pagar suas necessidades... bem, eu digo que esse jovem é um lixo. Ela merece coisa melhor e ela vai conseguir isto! Quer dizer, 'a mim', é claro", ele disse rindo. Aquele homem dominador estava movimentando seus três dedos grossos para dentro e para fora de mim cada vez mais rapidamente. Eu podia sentir meu próprio odor densamente na sala... e eu estava chegando a um orgasmo rapidamente. "Eu digo que essa coisinha jovem e deslumbrante precisa de um paizinho, um Papai preto. Alguém que cuidará de todas as suas necessidades... todas elas... Um que levará ao cuidado das necessidades dela... E eu pretendo fazer isso com a Sandra aqui.

Ela vai ter TODAS as suas necessidades por este paizinho negro, não é querida", ele sussurrou para mim.

Eu assenti com a cabeça.

E então meu orgasmo chegou em ondas cálidas, quentes ondas. Eu gemi e relinchei e abracei fortemente o pescoço de Rosival.

Quando ele passou e eu pude finalmente abrir os olhos, eu vi Leo ainda sentado ali, com os olhos esbugalhados e boquiaberto com o que seu patrão tinha acabado de fazer.

"Tudo bem, bonequinha. Por ora, chega", disse Rosival enquanto me dava uma palmada na bunda para que eu levantasse e voltasse ao trabalho.

Quando eu me levantei, a mão de Rosival subiu deslizando por trás de minha coxa, debaixo de minha saia, e ele beliscou minha bunda.

"Sandra, você é realmente um pedaço de carne de primeira, boneca", ele disse suavemente.

Depois ele me virou para ele, com as costas para Leo, e levantou minha saia. Mostrando meu rabo nu para Leo (eu tinha vestido apenas um fio dental por baixo da saia).

"O que você acha, Leo?"perguntou Rosival ao empregado chocado.

Leo estava petrificado e silencioso, suas calças pareciam um tenda, devido a seu portentoso tesão.

"Dá uma pegadinha nisso aqui, rapaz", convidou Rosival me envolvendo e apertando uma nádega.

Hesitando, Leo estendeu a mão e alisou a maciez das nádegas carnudas a sua frente. Depois ele começou a beliscar.

"Porra!!!"resmungou Leo. E aí ele se inclinou e colocou os lábios sobre minha bunda. Ele beijou uma nádega e eu senti sua língua desenhar uma rota úmida e morna sobre minhas polpas. Fez cócegas.

A mão de Leo correu ao longo de minha coxa e ele começou a morder minhas nádegas suavemente.

"Menina, eu poderia comer você agorinha, aqui mesmo", Leo grunhiu roucamente.

"Tá bom, rapaz, agora chega. Estou precisando de uns servicinhos dessa menina hoje. Até lá ela deve nos dar algum retorno", brincou Rosival Nogueira enquanto baixava minha saia completamente enrugada.

O Dr. Nogueira apalpou minha bundinha novamente, sinalizando minha liberação. Eu cambaleei para fora de sua sala, de pernas bambas. Tudo que eu sabia era que eu estava com tesão... e que eu queria mais.

O resto do dia eu passei tentando evitar os avanços de Leo e encorajar os de Rosival.

Leo agora queria mais daquilo que seu patrão lhe tinha oferecido um gostinho - figurativa e literalmente.

Ao longo do dia Leo começou a me dar apertões. Uma ou duas vezes ele me deu palmadas na bunda e uma vez na sala dos arquivos ele agarrou meus peitos para apalpar, como ele tinha visto seu patrão fazer no dia anterior.

Eu lhe disse firmemente que não, mas depois do que ele tinha testemunhado naquela manhã, nada iria dissuadi-lo de que ele também poderia gozar dos encantos daquela menina branca a seu bel prazer.

"Porra, menina! Você tem umas tetinhas lindas", ele sussurrou enquanto empalmava meus seios no arquivo.

"Leo!!! Por favor... você sabe que eu estou aqui para o Dr. Nogueira", eu tentei repreendê-lo. Sem dizer aquilo claramente, eu queria que ele entendesse que eu pertencia a Rosival - não a ele.

Quando eu fui embora no fim daquele dia, minha blusa tinha um botão arrancado, minha saia estava uma completa amassadela e minha tanga estava alargada e manchada de minhas próprias secreções. Eu estava humilhada e envergonhada. Tinha me tornado uma prostituta, pensei. Aqueles negros arrogantes e ultra-sexuados tinham me transformado naquilo que eu sempre desprezara - uma puta!

O Dr. Nogueira e Leo tinham passado o dia me apalpando, palmeando meu rabo e me apalpando livremente. Eu não podia ter deixado aquilo acontecer e devia ter mantido meu respeito próprio.

O que meus amigos ou minha família pensariam se soubessem ou vissem como eu tinha me comportado naquele escritório, para aqueles homens negros?

Eu estava decidida a não voltar mais.

Quando eu cheguei em casa, Marquinho estava lá. Como sempre, ele estava assistindo TV e tomando cerveja.

"Venha cá e me dê um beijo", ele pediu quando eu entrei.

Eu passei direto por ele. Eu não estava me sentindo nem um pouco com vontade de ficar com ele. E eu não queria que ele sentisse o cheiro de sexo que me cobria, a partir de minhas calcinhas molhadas.

Eu me vi no banheiro de novo, incrivelmente desvairada de tesão.

"O que esses negros fizeram de mim" eu me perguntei. Meu corpo estava em um constante estado de excitação. Eu dedilhei meu clitóris debaixo da cascata de água que jorrava... e as imagens me vieram novamente.

Eu me vi como Sinhá Moça naquela novela, olhando a plantação. Será que ela não teria imaginado, enquanto olhava os escravos no eito, seus músculos retesando, escorregadios de suar sob o sol quente, se eles não poderiam ter sido melhores amantes que o Rodolfo e o Ricardo? Eu me vi no lugar dela, convidando o Justino ou o Fulgência para ajudar a mudar de lugar um móvel no andar de cima, no meu quarto de dormir. Depois, ao chegar no dormitório, eu me reclinaria casualmente na cama imensa e perguntaria... "Será que você nunca pensou em mim de outro modo que não como filha de seu senhor?"

Ele me olharia num silêncio total.

"Porque eu sempre pensei em você de outro modo, desde que eu era uma garotinha."

O silêncio continuaria absoluto.

"Por favor, venha até aqui na cama."

O negro imenso se aproximaria hesitante, confuso, mas com um tesão crescente pelo que lhe aguardava.

Quando ele chega perto de mim, sentando na cama, eu me inclino em sua direção e começo a desabotoar sua braguilha.

"Sinhamoça, tem certeza que a Sinhazinha quer isso?"

"Justino, eu nunca tive tanta certeza de alguma coisa em toda minha vida", eu digo com uma ansiedade que o convence de que agora eu é que era propriedade dele, e não ele minha.

Eu puxo o grande caralho negro para fora de suas calças e viro meus olhos para cima, para os seus, profundamente, enquanto descasco aquele canhão carnudo. E então, como a flor de toda a linhagem do Barão de Araruna, eu encho minha boca com aquele cacete preto e começo a trabalhar nele como desde tempos ancestrais, lambendo, chupando, punhetando, lubrificando com minha saliva, para extrair a semente negra rica e gosmenta com a qual somente Justino pode me abençoar.

Afinal de contas, a Fazenda do Barão de Araruna vai necessitar de uma nova geração de homens fortes, jovens - negros - para trabalhar nela, agora que a abolição está chegando.

De repente - eu gozei no chuveiro!!!

Nunca em minha jovem vida eu tinha experimentado a quantidade e qualidade dos orgasmos que tinha tido desde meu encontro com Rosival Nogueira. Meu negro empregador tinha despertado meu jovem corpo branco para a vida como nenhum rapaz branco jamais fora capaz de fazer.

Eu me dei conta de que, afinal de contas, eu voltaria para o escritório do Dr. Rosival Nogueira no dia seguinte. Era para minha vida de classe média branca que eu não voltaria nunca mais.

Eu retornei ao trabalho no dia seguinte com a intenção de insistir como meu lascivo empregador negro para que parasse de me tratar com sua vagabunda remunerada. Eu realmente tentei me convencer de que Rosival teria de parar, que tudo aquilo teria de parar. Eu era a noiva de Marquinho e só. Ponto final! Acabou! C'est finis! É finito!

"Mas, então, porque eu tinha de novo vestido uma saia tão curta?" eu me perguntava...

Quando eu entrei na sala de Rosival Nogueira, minha confiança começou a se dissipar. De cara, eu fiquei chocada ao ver o que parecida um negrinho baixinho, barrigudinho, de meia idade. Mas assim que ele olhou para mim, eu senti que estava na presença de um poderoso Chefe Tribal Africano.

"Sandra, não vamos deixar que essas saias fiquem muito compridas, agora", disse ele sorrindo sarcásticamente, mostrando que ele tinha gostado de que minha saia mal cobrisse minha forquilha.

"Há algo que eu possa fazer pelo senhor agora de manhã, Dr. Nogueira", eu perguntei, tentando conduzir nossa relação novamente para bases mais formais e profissionais - ao menos na aparêcia.

"Sim, Sandra. Há algo que você pode fazer por mim agora de manhã." A observação do Dr. Nogueira foi feita com uma formalidade de zombaria. "Por que você não fecha a porta? Este assunto é confidencial, Sandra."

Eu fechei a porta trêmula. Rosival Nogueira então afastou a cadeira de rodinhas da escrivaninha e eu pude ver suas calças grotescamente enchidas como uma tenda pela tensão de seu pau duro. "Sandra, você poderia cuidar imediatamente disto? É sua principal prioridade agora de manhã, mocinha", ele disparou causticamente. E então ele fez a manjuba inchada esticar braguilha dele. "Eu acho... Eu realmente acho... "Sandra você não é paga para pensar!" ele zombou. "Neste escritório eu é que penso. Você é paga para fazer seu trabalho. Entendeu italianinha?

Eu fiquei imóvel diante de sua ordem ríspida.

"Agora, venha até aqui e fique de joelhos... e faça o que nós sabemos que você quer fazer".

Passou um longo momento. Eu não conseguia tirar meus olhos da imensa protuberância que palpitava nas calças do Dr. Nogueira.

Meu joelhos estavam fracos.

"Posso fechar a porta?"

"É claro, criança"

Eu fechei a porta da sala e voltei para o homem cuja vontade sobrepujava de tal modo a minha que eu estava desejosa de me prostituir por ele.

Eu caí de joelhos na frente dele e comecei a alisar a dureza carnuda que jazia debaixo do tecido fino e caro de suas calças.

Eu abri o zipper dele e tirei para fora a negritude grossa que agora dominava de tal modo minhas fantasias e meus pensamentos. Eu caí nele de boca e comecei a sugá-lo, chupá-lo e saboreá-lo. Eu amava aquele ser negro e o aroma grosso que exalava de sua virilha para minhas narinas.

Senti sua mão embalar minha cabeça por trás enquanto eu pistonava e chupava, lambia e beijava a bela torre negra. Eu me vi adorando no altar de seu caralho negro.

Olhei para meu dominador sexual e coloquei meus lábios na cabeça melada de sua jojoba escura.

"Eu te amo, Rosival..." Eu fechei meus olhos e sussurrei. E eu realmente o amava. Dizem que amor de pica é o amor que fica. Eu não tinha mais nenhuma dúvida a respeito disso. Eu fechava meus olhos e via a carne inchada e Rosival me procurando. Meu corpo ardia e tremia para se esfregar no corpo dele, minhas coxas ansiosas de enlaçá-lo para sentir suas pernas peludas e gordas, fortes, arranhando minha pele lisa e perfumada.

"Eu sei que você ama, Sandra. Eu sei... "Rosival respondeu enquanto coçava minha cabeça. "Deixe que eu me preocupo em pensar por nós dois, menina. Eu vou tomar conta de você de agora em diante."

Suas palavras eram como bálsamo para meus ouvidos. Eu queria aquele homem. Eu queria sua força, sua confiança, sua força de vontade... Eu queria seu negrume... para mim e somente para mim.

Eu continuei chupando e sugando seu rígido e gordo arpão de mogno até que ele puxou sua jibóia de meus lábios.

"Eu tenho que te foder agora!!!" ele grunhiu. "Tire isso e vá para o sofá."

Eu não me atrevia mais a questionar aquele homem poderoso. Eu me despi no meio de sua sala, enquanto ele fazia o mesmo.

"Porra, Sandrinha!"ele disse me comendo com os olhos. "Você tem o corpo mais gostoso que eu já vi..."

Eu me deitei de costas no sofá. Olhando para meu gordo patrão africano, eu abri minhas coxas num convite para que ele possuísse e saqueasse minha carne branca como ele bem entendesse.

Rosival Nogueira subiu no sofá e punhetou o gordo caralho negro que me causara repulsa havia apenas três dias.

Ele esfregou a cabeçorra para cima e para baixo ao longo dos lábios inchados e melados de minha feminilidade.

"Pega nele e põe dentro, Sandra", ele me ordenou. Eu deslizei minha mão para baixo e agarrei o falo negro daquele homem de meia idade e o posicionei na minha passagem vaginal, deslizando a glande arroxeada em minha fenda algumas vezes para melar com o tesão que escorria de minhas paredes internas. Enquanto olhava para baixo, profundamente, em meus olhos, Rosival Nogueira, empresário negro, baixinho e pançudo, empurrou seus quadris para a frente e entrou arrombando na menina branca que jazia sob ele.

Em seus olhos eu pude ver que ele estava arrombando todas as meninas brancas que o tinham provocado ou seduzido com suas aparências belas; que o tinham ignorado enquanto flertavam com rapazes brancos sem a metade de sua inteligência ou capacidade; qie tinham desviado o olhar com asco quando o viram admirando-as. Todas elas estavam agora no cio debaixo de seus rins corcoveantes.

Rosival começou a me castigar com metidas poderosas e profundas em minha jovem e delicada buceta branca.

"Unnngghh...Unnngghh...Unnngghh," eu gemia a cada vez que o negro idoso sobre mim chocava sa virilha com a minha.

A jojoba gorda estava alargando, arreganhando e lixando dolorosamente os lábios de minha buceta. Meu exigente superior negro estava me arrombando para adequar-me às dimensões que sua foda requeria. Doeu, as dimensões de seu cacete em minha buceta delicada fizeram com que aquela foda fosse dolorosa, inicialmente. Mas a consciência de que eu não era mais uma mulher livre, de que aquele homem me possuía, dominada e domada pelo caralho exigente e torturante daquele lúbrico bloco de músculos me faziam quase desejar mais dor, desejar mais sofrimento, desde que a majestática vontade de meu negro senhor fosse satisfeita. Eu sabia que ele buscava reafirmar a superioridade do macho negro sobre a fêmea caucasiana, a superioridade do falo potente sobre a feminilidade frágil. E ele o fez como não podia deixar de ser, como estava descrito nos cantos noturnos da selva africana e estava impresso na genética de minha carne branca delicada, trêmula, submissa.

Uma vez e mais outra, durante o que pareceram horas, Rosival Nogueira socou minha brancura macia com a poderosa negritude de seu ser. Rosival não me fodia apenas a buceta faminta. O modo como agarrava e erguia minhas coxas para comprimi-las contra meus seios ensanduichando-as com seu peito cabeludo; o modo como esfregava suas coxas musculosas e peludas em minha bunda lisinha e depois libertava de novo minhas pernas para que nossas coxas se encontrassem enquanto ele jogava todo o corpo sobre o meu, fazia daquela foda uma foda completa. E quando seu corpo pesava sobre o meu e me obrigava a contornar seus quadris com minhas coxas, para esporear suas nádegas e incitá-lo a espancar o centro róseo de minha branca condição feminina com o nervo de sua masculinidade negra sua saliva lambuzava meus peitos para suas mãos deslizarem oleadas, e eu era marcada como propriedade do supremo fodedor, do fodedor negro, do meu amado fodedor negro.

Rosival não fodia somente meu corpo todo. Rosival fodia minha alma para sempre.

Do lado de fora do escritório, sem dúvida, todos ouviam as raquetadas que eram dadas atrás da porta fechada da sala do patrão enquanto ele arrancava toda uma jornada de trabalho de sua jovem estagiária branca.

Sem dúvida alguma ela teve seu "aprendizado prático"tornar-se-ia a piada no escritório nas semanas seguintes devido a esse incidente.

"Deus Todo Poderoso", gemeu Rosival. E então eu senti uma erupção de lava derretida nas profundezas de meu útero caucasiano desprotegido. Do mesmo modo que ele tinha feito no dia em que o chupei no estacionamento, Rosival gozou em infinitas ondas de porra. E sentia como se no fundo de minhas entranhas uma mangueira grossa estivesse esguichadas a espessa, rica semente negra que iria mudar os rumos de minha vida branca até aqui calma.

Rosival Nogueira, estranho e pequeno negro que eu achara grosseiro alguns dias antes tinha agora montado e me emprenhado com a semente da escuridão da África.

Eu olhei nos seus olhos e o beijei com a boca aberta. Minha língua brincou com a dele faminta e indecente.

Agora eu era a amante de Rosival Nogueira.

Rosival e eu passamos a melhor parte de horas nos braços um do outro, no sofá. Ele ficou rígido novamente e nós tivemos várias rodadas de foda violenta e ruidosa ali no sofá de seu escritório.

Quando ele acabou, ele sentou e me disse que era hora de eu me vestir e fazer o resto de minhas tarefas, referindo-se ao serviço do escritório.

O resto do dia eu fiz tudo que podia para me manter distante de Paulinho e dos outros empregados negros. A cada minuto eles pareciam tentar me encontrar sozinha em alguma parte do escritório. Depois de ouvir o patrão me usando a maior parte da manhã, agora eles queriam tentar conseguir um pouco para eles. Mas eu consegui evitar suas incursões.

Gastei meu dia visitando o banheiro feminino e enchendo a virilha de minhas calcinhas com papel toalha de modo que pudesse evitar o escorrimento das sobras da injeção de esperma de Rosival. Eu estava com um medo mortal de me levantar e encontrar uma mancha úmida de sua baba gosmenta na minha cadeira de trabalho.

Durante o dia eu conferi várias vezes a sala de Rosival para saber o que ele estava fazendo. Ele esteve sempre curvado sobre seu trabalho ou ao telefone. E me ignorou quase totalmente.

"Você está nervoso, querido", eu lhe disse desinteressadamente enquanto massageava seus ombros. "Há algo que eu possa fazer por você?"indaguei esperançosa.

"Não, docinho. Agora não. Tenho trabalho a fazer. Mais tarde."

"Legal... se eu puder ajudar", murmurei.

"Você sabe que eu lhe chamo", ele disse sorindo. "Agora mexa essa bunda de volta ao trabalho" ele zombou.

Eu saí de sua sala rebolando exageradamente os quadris. Na porta, voltei-me e olhei por sobre o ombro, alisei minha bunda e disse em voz alta, com um tom sensual:

"É só me dizer quando vai precisar de mim novamente, Dr. Nogueira".

Rosival Nogueira riu com gosto, orgulhoso de que os outros dois empregados tivessem ouvido a óbvia oferta que eu tinha feito a seu patrão.

Naquela noite, quando eu cheguei em casa, Marquinho estava de mau humor.

"Por que agora você chega sempre tarde em casa?" ele latiu.

"Porque um de nós tem que pagar o aluguel", eu contra-ataquei, surpreendendo-o momentaneamente eu seu avanço.

"Você está se encontrando com alguém" ele perguntou como se a idéia lhe tivesse vindo de súbito à mente.

Marquinho me seguiu até o quarto esperando uma resposta. Enquanto eu me despia, nenhuma resposta surgiu.

"Você está! Puta que o pariu!! Você está galinhando por aí" ele berrou.

"Quem é? Diga! Por quê? O que está acontecendo?"ele gaguejou, zangado e ao mesmo tempo assustado.

Marquinho, eu acho que a gente precisa dar um tempo, você não acha? Eu disse, sem nenhuma ênfase, enquanto escovava os cabelos diante do espelho.

"Mas... mas... o quê... pra onde eu vou?", gaguejou ele sem acreditar no que estava acontecendo.

"Eu acho que você vai arranjar um emprego", eu disse rudemente. "A maior parte dos homens faz isso, sabia?"disse eu enfatizando a palavra "homens".

"Quem é ele, Sandra, eu preciso saber", ele pediu.

Marquinho nunca tinha sido passado pra trás por outro homem antes. Sendo monitor de Direito Civil ele sempre tinha garotas correndo atrás dele. Mas os tempos tinham mudado. Um negro experiente era agora seu concorrente. E Marquinho não estava se mostrando à altura. De repente eu vi Marquinho apenas como um menino, confuso e inexperiente. Rosival era um homem: experiente, confiante e potente... e preto.

Minha escolha não era difícil. Marquinho tinha de ir.

"Oh, não..."Marquinho disse, como se algo terrível tivesse chegado a seu conhecimento. "Não, não, puta merda! Você não está trepando com aquele crioulo velho, não é? ele despejou. "Diz pra mim que você não está tendo nada com aquele velho, gorducho, preto filho da puta!"

Eu olhei para ele tremendo de raiva:

"Se você o chamar assim de novo..." Eu não pude finalizar a frase. Eu tinha medo do que eu ia dizer.

"Porra!!! Você está dando pra aquele velho filho da puta. Marquinho agora estava descontrolado.

"Marquinho, eu acho que você devia ir sentar, tomar uma cerveja e esfriar. Eu não vou discutir isso desse modo!"

Marquinho esmurrou a parede e saiu batendo os pés. Eu o ouvi abrir uma lata de cerveja e se jogar no sofá, seu segundo lar.

Eu continuei escovando meu cabelo, mas eu estava tremendo. Marquinho estava zangado - zangado de ciúmes - quase fora de si. Ele nunca passara pela experiência de ter um homem levando sua namorada a trai-lo. Ele tinha feito isso com os outros, como se isso fosse um direito seu pela inteligência brilhante. Mas ele nunca experimentara se ver na condição de vítima antes. E agora ele fora posto nessa condição por um negro baixinho de meia idade.

De repente, a campainha soou.

Eu tinha vestido apenas um blusa leve e ainda desabotoada sobre meu soutien e calcinha. E ainda estava de sapatos altos. Ouvi Marquinho abrir a porta e exclamar:

"Que porra você está fazendo aqui?"

Eu corri para a sala, assim semi-nua como estava.

Lá, na porta, estava Rosival Nogueira. Ele estava imaculadamente vestido num terno e gravata. Ele devia ter vindo direto do trabalho. Eu não podia acreditar que ele tinha feito aquilo, sabendo que eu morava com Marquinho, meu quase noivo.

Tendo 1,82 m. de altura, Marquinho se erguia sobre Rosival.

"Escuta aqui, bundão. Você chegou na hora errada! Eu já sei que você anda trepando com a Sandra, tá legal? Agora, se prepara pra levar umas porradas!"

"Eu não acho, menininho", respondeu Rosival calmamente, confiantemente. "Eu fui treinador de caratê no exército durante dez anos. Agora, se você quer duvidar, e quem sabe arriscar a tomar a maior surra de sua vida, e nas mãos de um velho com metade de seu tamanho e na frente de Sandra... Vamos lá. Escolha! Eu não vou a lugar algum."

Rosival ficou ali de pé, a um passo de Marquinho, olhando-o fixamente. Marquinho ficou gelado. Eu podia ver a vermelhidão subindo de seu pescoço para seu rosto. À medida que longos momentos passaram ele pareceu ir perdendo sua confiança perante aquele homenzinho negro arrogante e pretensioso.

Finalmente, Marquinho baixou o olhar.

"Quer saber, se ela quer você... é a decisão dela", a voz de Marquinho soou como um grasnido nervoso.

"Exatamente", confirmou Rosival. "Fico contente de ver que você enxergou as coisas como elas são, menino. Agora, por que você não vai dar uma voltinha enquanto eu faço uma visitinha a Sandra?"

Eu não podia acreditar que aquilo não arrastasse Marquinho novamente para um posição de briga, mas ele apenas permaneceu ali, de novo por longos momentos. E então ele pegou sua jaqueta, abruptamente, e caminhou para a porta com o rosto púrpura.

Rosival fechou a porta atrás dele sem dar nenhuma importância.

"Você tem de mandar ele arrumar suas coisas ainda esta noite. Você merece coisa melhor... muito melhor, e muito mais preta", ele disse estendendo os braços para mim e com um sorriso largo.

Depois, Rosival Nogueira me tomou pela mão e me levou para o quarto.

Quando chegamos ao quarto, ambos começamos a nos despir, como se fôssemos um casal, casados e juntos há anos.

Depois de me desnudar completamente, eu peguei a roupa de Rosival e a pus num cabide. Eu percebi que não havia espaço no guarda-roupas, por isso eu tirei algumas roupas de Marquinhos e as joguei no chão. Eu imaginei o armário sem as roupas de Marquinhos e me dei conta de que haveria espaço suficiente para Rosival deixar algumas roupas suas ali. Aquilo facilitaria para ele passar a noite.

Nós fomos para a cama e nos beijamos profundamente.

"O que fez você vir até aqui esta noite?" eu perguntei.

"Eu precisava de um pouco disto..." respondeu ele sem mudar a expressão.

"Você não se preocupou com Marquinho?"

"Tá brincando? Ele é um menino. Como eu disse antes, eu quero aquele bundão branco preguiçoso fora daqui amanhã."

Eu balancei a cabeça, assentindo.

"Eu compreendo, querido. E eu concordo."

Rosival me rolou deixando-me deitada sobre as costas e começou a me montar. Sua masculinidade parecia grossa como uma lata de cerveja quando ele começou a pressioná-la contra meus pequenos lábios. Eu entendi oque ele queria. Eu tateei e guiei a grossa maça carnuda para dentro de minha buceta molhada.

Rosival mergulhou na sua propriedade, embainhando a maçaroca com um golpe rápido e duro. Para o prazer dele, eu me senti empalada. Ele então levantou minhas pernas sobre seus ombros e me curvou para trás, para conseguir uma penetração máxima. Com isso, seus quadris começaram a a afundar seu caralho inchado dentro de mim, como um bate-estacas. Eu estava rebolando no pau de um homem que poderia facilmente preencher a definição de máquina sexual.

Rosival Nogueira, de 1,67 m. de altura estava montando a namorada de Marquinho Ballaci, de 1,82 m.

E com cada metida daquela estaca em meu útero, o homenzinho negro estava me arrancando do branco muito maior.

Em algum lugar lá fora, no escuro, Marquinho Ballaci foi forçado a recuar enquanto o verdadeiro macho dominador, Rosival Nogueira, tomou sua mulher para fecundá-la

Eu gemi alto sob o violento ataque de fecundação de Rosival Nogueira.

A rola daquele negro prepotente exibia de modo concentrado as mesmas qualidades que transcendiam de todo seu corpo rechonchudo. Sob sua ação eu sacudia minhas ancas desesperadamente, corcoveando em busca da cortiça que entrava raspando as paredes sensíveis de minha vagina com aquele som molhado de xlupt, xlupt.

Eu me sentia humilhada de necessitar tanto de rebolar naquele pau gostoso, de me amarrar com os braços naquele torso largo, alisando, apalpando e arranhando os pneus de gordura de sua cintura. Mas não podia ser de outra forma. Rosival Nogueira despertara uma fêmea dentro de mim e o sentimento atávico de ter encontrado o macho que me submetera, que domara a potranca rebelde tornando-me viciada em sua pica gorda se impunha agora sobre a educação religiosa de minha familia italiana.

Eu adorava que seu nome fosse tão comprido, porque eu começava a guinchar chamando-o quando a maçaneta rombuda de seu caralho forçava-se ainda nos meus grandes lábios, continuava guinchando seu nome enquanto a carne maciça expulsava meu perfume de mulher da minha fenda, quando ele dava uma girada de saca-rolhas que fuçava no meu clitóris e lambia a sílaba VAL quando ele pilava finalmente no fundo de minha buceta.

Rosival tinha dedos enorme e grossos e com a mão esquerda apertava meu peito empalmado, e beliscava meu mamilo. Da mão direita, os dedos amassavam minha bunda e roçavam suavemente na entrada de meu ânus, fazendo com que eu corcoveasse de encontro a sua rola.

Minha buceta não se contentava em esperar o jorro de seu esperma. Ela se contraia em movimentos de espiral, querendo sugar a seiva de meu amado, a porra do negro poderoso para quem eu me derretia e me fazia menina, falando em tatibitate: "Meu negão tá gotando de fukfuk? Fode, meu totoso. Me fode. Fode tua branquinha."

Depois eu fui tomada de um carinho imenso, de Julieta e Romeu, mas uma Julieta que era também uma piranha que chupava a língua de meu Romeu-Rosivaldo enquanto derramava declarações de amor misturadas com pedidos de "me arromba, meu dono, arromba essa buceta que é sua... me marca com essa sua vara preta".

Meus peitos grandes - sempre grandes demais para meu corpo delgado - estavam agora sacudindo selvagemente, quase me golpeando o queixo, enquanto Rosival socava e pilava dentro de mim.

"Ooooooo Rosival!!!!" eu relinchei enquanto ele me cavalgou tão brutalmente que eu pensei que a cama iria desabar. E aí ele grunhiu e eu senti seus testículos incharem e seu caralho contrair-se espasmódicamente. Ele gozou em pesadas cargas viscosas que inundaram minhas entranhas.

Marquinho sempre tinha usado camisinhas. Eu nunca tive sequer a idéia de pedir a Rosival que usasse uma. Teria parecido ridículo. E, de qualquer forma, eu nunca teria a coragem de pedir. Rosival não era o tipo de homem de quem a gente pede para ser protegida.

Pelo contrário, eu o queria dentro de mim. Eu o queria pele contra pele. Eu queria sentir a vitalidade de sua negritude nua me penetrando e eu queria sentir o calor de sua semente me enchendo e transbordando de mim, como se eu fosse um cálice branco e louro feito apenas para ser preenchido com sua sua viril semente africana.

Eu podia sentir o seu sêmen grudento escorrendo pelo rego de minha bunda. Rosival, porém, ainda estava gozando. Aquilo continuou a escorrer pelo rego de meu rabo e começou a empoçar na cama, manchando o colchão através dos lençóis. Eu me sentia como se um vulcão tivesse entrado em erupção dentro de mim e um ardente e grosso rio de lava agora corresse pela ravina entre minhas nádegas.

Minhas pernas se enroscaram em torno dos quadris de Rosival.

"Me faça um filho, meu amor", eu murmurei em seu ouvido.

Com aquelas palavras eu senti seu cacete se contrair em novos espasmos, fazendo com que mais lava africana escorresse pelas bochechas de minha bunda para aquilo que uma vez fora o leito marital meu e de Marquinho. Marquinho parecia agora estar a um milhão de anos-luz no passado. Eu agora só me preocupava com o homem negro de 50 anos de idade que estava em cima de mim... Rosival Nogueira.

Depois de vários minutos, Rosival saiu de cima de mim e foi ao banheiro urinar.

Quando ele reentrou no quarto, eu pude ver que, surpreendentemente, ele estava começando a ficar duro novamente.

Ele veio para a cama e sentou sobre meu rosto, seus joelhos ao lado de meus ombros.

O negro que eu achara vulgar 3 dias antes por me escrutinar, começou agora a sacudir seu caralho a apenas alguns centímetros de meu rosto.

Ele me fez uma careta enquanto acariciava a carne que engrossava a apenas dois centímetros abaixo de meu nariz. Eu sabia o que ele pretendia. Era rude, mas eu não me importava. Eu queria o que quer que lhe desse prazer. Enquanto ele estava se punhetando eu me inclinei e beijei a cabeça pulsante de seu caralho. Meus lábios ficaram melados. Fui inundada de uma sensação de orgulho e de satisfação por ser bonita, por ser jovem, por ser branca e loura e ter sido arrebatada pelo negro fodedor poderoso. Aquela pica maravilhosa dava sentido a minha vida. Eu ia ser a foda do velho negro exigente e prepotente.

Eu olhei dentro de seus olhos enquanto acariciava suas coxas. Logo eu estava com minhas mãos sopesando suas bolas imensas, arranhando-as e acariciando-as para ajudá-lo em minha própria depravação.

Eu pude sentir um chuviscar de pré-gozo que voava daqui e dali sobre meu rosto, vindo da cabeça furiosamente vergastada de seu membro exagerado.

E aí a represa arrebentou, disparando golfadas de sêmen grosso e viscoso em minha face. Eu fechei meus olhos e pisquei enquanto eu era atingida uma vez e novamente com as poderosas descargas dos genitais viris de Rosival Nogueira.

Um disparo atingiu minha testa e escorreu para meu olho, fechando-o. Outra descarga cruzou o meu nariz e escorreu por minha bochecha. Outra, ainda, atingiu meu cabelo e uma entrou por minha narina fazendo-me tossir e engasgar, enquanto Rosival Nogueira sorria para seu alvo jovem e louro.

"Eu me lembro de sua atitude presunçosa no primeiro dia, puta. Eu queria apagar aquilo de minha memória, Eu quero lembrar de você, para sempre, do jeito que você está agora."

Olhei para ele através de meu único olho descoberto. Rosival colocou a cabeça lambuzada de seu cacete em meus lábios e eu me esforcei para recebê-lo dentro de minha boca. Ele sorriu novamente para mim, com as mãos nos quadris. Ele me olhou, meus lábios esticados em torno da abóbada de sua gorda jibóia negra, seu gozo escorrendo por meu rosto.

Rosival cavalgou-me levemente. Eu o podia sentir esfregando suas bolas peludas em meu queixo.

"Você não quer ficar com uma irritação de pele agora, não é Sandra", ele disse rindo. Eu não podia rir de volta porque ele mantinha minha boca cheia com sua carne inchada.

Finalmente, Rosival puxou seu caralho de minha boca, o que fez soar um forte "pop"!

E começou a esfregar a glande de sua carnosidade sobre meu rosto melado de porra e depois me dava paa mamar. Primeiro ele limpou minha bochecha esquerda e o trouxe até meus lábios, depois a direita. Era como se ele estivesse usando a manjuba como uma concha e alimentando uma criança faminta.

"É isso aí, Sandra. Puxa, puxa, puxa, menina! Você está mesmo uma italianinha gulosa hoje, hem? Pois aqui está um africano que vai manter essa sua barriguinha cheia - de vários modos!"

Eu continuei a ser alimentada por Rosival até que a maior parte da gosma grossa de sua descarga tinha sido retirada de meu rosto e engolida. Meu rosto ainda estava grudento e brilhante da semente de meu amante negro.

A porra de Rosival sobre toda minha face me sugeria um animal marcando seu território. Ele queria deixar claro para mim que agora eu era sua, de mais ninguém... e menos do que todos, de Marquinho.

Eu sorri para ele. Eu me sentiria igualmente feliz banhada em seu melado, se ele quisesse isso de mim.

Embora eu tivesse tirado os lençois da cama, quando Marquinho voltou para casa mais tarde naquela noite ele viu as imensas manchas de esperma espalhadas sobre o colchão. E apenas as olhou. Ele sabia que jamais poderia ter feito iguais. Aquelas eram manchas que somente um homem muito potente poderia deixar para trás.

Marquinho parecia uma vítima de neurose de bombardeio. Ele estava extremamente quieto e polido para comigo. Ele se deu conta de que eu tinha testemunhado o momento em que ele se acovardou na frente de Rosival. Acovardou-se e recuou.

Eu apontei que Rosival queria que ele fosse embora e Marquinho arrumou as malas e partiu no dia seguinte. Foi quase como assistir uma criança perdida sair para o mundo.

Passado algum tempo, Marquinho ligou para ver seu eu podia ajudá-lo com algum dinheiro. Rosival o contratou para lavar uma vez por semana seu carro e o de Leo. Era estranho vê-lo no estacionamento lavando carros. Algumas vezes Leo era brutal com Marquinho, insistindo que havia um ponto esquecido e obrigando-o a relavar tudo. Marquinho nunca discutia. Ele precisava demais do dinheiro.

À medida que os meses passaram, minha barriga inchou enormemente com o primeiro bebê de Rosival.

Nós nos casamos um mês antes da chegada do menininho. A expressão no rosto de maus pais quendo eles conheceram Rosival foi... bem, foi chocante. Mas eu não os recrimino. Quanto eu encontrei Rosival pela primeira vez eu o desconsiderei do mesmo jeito, mas eu tive como aprender melhor depois. Meus pais também teriam - na hora certa.

Eu dei a Rosival, primeiro, um menino. Depois duas menininhas gêmeas pouco mais de um ano depois. Rosival adorava me mostrar grávida para seus amigos. Ele tinha orgulho de mim. Pode-se dizer que eu era sua esposa branca, seu troféu italiano.

Todas as crianças pareciam com ele e eram igualmente negras. Ele me disse que eu era a perfeita égua reprodutora, devido ao fato de que todas as crianças pareciam com o pai.

E eu fui uma boa esposa para Rosival. Mesmo quando eu estava imensa devido à gravidez, eu nunca negligenciei suas necessidades. Em meu sétimo e oitavos meses, grande e inchada, eu ainda me despia e segurava em uma das cabeceiras da cama, de pé, e deixava Rosival me pegar por trás e socar sua ferramenta maravilhosa dentro de mim.

Eu amava o sexo do mesmo jeito, grávida ou não.

Tenho orgulho de dizer que Rosival me botou mais uma vez na condição familiar, com seu quarto filho. Parece que será um novo menino.

Quanto a mim, consegui tudo que eu sempre quis. Uma casa grande, um marido que é um macho viril e bem sucedido, sexo maravilhoso e uma ninhada de crianças saudáveis. Apesar de minha família ser mais escura do que eu imaginei quando criança, eu não a queria de outro modo.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
03/01/2015 15:56:31
pode ser que seja real. mas achei muito longo porem conheço varias mulheres como a autora que sr submte a qualquer coisa por dinheiro r que só não é, prostituta porque não trabalha em puteiro, poisse for real é justamte o caso da autora, pois tudo que ela ssente pelo patrão é nojo, só que o dinheiro falou mais auto.
25/03/2014 12:35:52
Nota 10, com toda certeza. ótimo.
10/08/2013 15:51:11
Olá sou da regiao de Campinas, adoro possuir esposinhas safadas, curto demais apimentar a relação de casais, se for isso que procuram, entrem em contato, vou adorar conhece-los e quem sabe algo mais, bjs
22/07/2012 08:54:57
marqinho tinha q ser um corninho mansinho
16/05/2012 19:11:13
Adorei o conto! Bem escrito! Vale um dez! Esse espaço reune casais (heterossexuais, bissexuais e homossexuais) liberais emprendedores interessados em relacionar-se com outros casais ou pessoas. Se você procura relacionamento entre casais, junte-se a nós! Visite http://clube-de-casais.blogspot.com.br ou http://sites.zdorovsreda.ru/site/casaisliberaisdosdobrasil ou casais-liberais-brasil.webs.com ou casais-liberais.no.comunidades.net ou wix.com/casaisliberaispatroc/abertura Sucessos
01/07/2009 15:44:23
Simplesmente o melhor que já li por aqui, pena que não tem nota mil. Parabéns
30/06/2009 16:23:01
gostei nota 10)me add ()
26/06/2009 16:44:24
Filha
02/04/2008 11:11:40
Isso não é um conto e sim uma novela, e fazer um boquete no primeiro dia,sentindo repudio é coisa de biscate é isso que vc é e ainda por cima colocou o nome e o sobrenome do CORNO DO MARQUINHOS,mas acho que ele se livrou de uma zica na vida, vc é muito facil leva um zero pelo seu comportamento
31/03/2008 20:35:37
Gostei muito do seu conto, apesar de concordar q não entendi se era um BMW ou um Mercedes... mas é muito bom, prendeu atenção do começo ao fim.
31/03/2008 16:41:41
Impressionante como sexo pode ser doentio. O Conto muito extenso, fala do verdadeiro asco que a personagem sentiu pelo patrão, Diversas vezes adota a postura de extremo preconceito racial contra o mesmo. No primeiro dia chupa pro cara (sentindo por ele antipatia), no segundo, é penetrada pelos dedos do cara sendo assistida por um estranho, e no terceiro dia dá pro chefe e diz que o ama. O Noivo até então companheiro e batalhador, transforma-se em cachorro, pois “late” como ela mesma diz. Ainda põe o cara pra fora de casa pra dar pro chefe. Casa-se com ele (chefe) a se regozija em ver o ex lavando carro do marido e do amante. Verdade ou fantasia, esse conto saiu de uma cabeça doentia, sem princípios e materialista! Que nojo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
28/03/2008 11:03:47
otimo 100000
27/03/2008 12:32:03
olha, pra flr a verdade, enquanto lia seu conto, apesar de alguns erros, eu me masturbava, e gozei 2x. Sinceramente, gostei muito, inclusive me cadastrei apenas para parabeniza-la pelo conto. nota 10 ! se quiser trocar ideias mande-me email....
27/03/2008 10:02:50
nenhum homem aceita tal humilhição!!! e por falar do texto, voce tinha ido almoçar no BMW e voltou no MERCEDES? ele tinha o carro no restourante?
26/03/2008 20:12:36
Também sou de campinas e adoraria conhece-la pessoalmente,não vai se arrepender me mande um email
26/03/2008 19:40:10
Contos são textos claramente sucintos, pequenos, condensados. Seu conto é um exagero, parece um romance.
26/03/2008 17:07:14
Fantástico!!!! O melhor que eu li até agora!!!! Não pode ser menos que 10.
26/03/2008 16:49:47
Mto bom parabéns autora notavel pela boa escrita e o nivel de detalhes.
26/03/2008 13:26:35
Muiiiiiito bom! Um beijo da Mateia...http://diggitamos.sites.uol.com.br
26/03/2008 09:44:06
Me manda um email pra conversarmos....bjs.

Online porn video at mobile phone


contoerotico pirralho comedorconto crente bundeiraTia gostosa de vestido curto decostas sobrinho agara ela pra comercontos de sexo selvagemcom velhosmeu sogro e seu irmao me funderam juntos contos eroticosfoi pular carnaval com amigo levou esposa virou cornoseduzida por um estranho contos pornogey fazendo fime porno com homem infindo garrafas no geyeu minha vizinha praticamos zoofilianovinha pediu que tirase da frente e enfiar atras rapidofilme pornô rasgando a vacina novinhacontos eroticos pau grande fculddecomi a mulher do meu cunhado contos xv minha tia tem abusetas graandemulheres casadas se exibindo pro encanador na cozinha sem calcinha por baixo da saia ele ñ aguenta e fode a putafotos reais de mulheres evangelicas com calca enfiadana bundacheirador de cuecasContos eróticos- bem novinha é desvirginada e grita de dorhd xxx descabaca teencasa do contos eróticos publicadospadrasto puxa cabelo forca chupr emgoli porra apanhandox videos lavei o cu pro meu primoconto erotica sendo mimada por meu irmaocontoseroticosvariasgosadasConto comi a catadoraver vidio defilho meteno .na mae gozano na buceta delaesposa da cu sangra e estremece porno caseirocontos. safadinha egostozinha do papaicontos sou rabuda e fui encoxada contoscontos eróticos cagando na minha bocaeu quero ver as feirense mais peladas dando e gemendo e gritando gostosochantageou a coroa para se dar bem contos eroticos.virei viadinho no consolo da titiaContos eronticos de tias papa anjostio comedo a sobirnha daContos erotico iseto tia e subrinhocontos eroticos coroa casada rica leva de presente para sua amiga coroa casada um pau enorme de borrachavideo porno coloquei a minha esposa pra chupa o meu pau em quarto eu dirigiacarine patricinha casa dos contosriandragoon contosCandeias...A Dança Dos Lobos (Romance Gay)homens maduros de barba peladosquadrinhos heroticos com cabacinho muito novo srndo estraçalhadocontos eroticos escrava da minha amiga Janete galeguinha safadinha para meter no Zinho pegadinha que acabaram de abrirputas piriquetes da favelas chupando um cacete no carronovınha sendo comıda por um negao jumentoXVídeos pornô novinha bem gostosa comendo sobrinha Galeguinho pequena de cor bonita grandinhaxvideo mobile el capo anjinhasabrindo meu anelzinho pro criouloestupro esposa contos eroticosfoi sentar no colo do tio sem calcinha e levou ferroqero v mule xupano apica grade e grossa dura cabesa grade picaosafada mostra xoxota pro carteiro no portãocontos sou punheteira desconhecidacuidei da cunhada de dieta e engradei ela contos e sexo.caseiro e videosconto erotico gay meu dono dei meu cu de presente de aniversariogozando.na.loirinha francycontos meu amigo foi em casa e minha mulher o chavecoupassando oleo sabor morango e fazendo boquetiamulher .que cachorro arrebento. abuceta dela com....um . nochorei no pau do meu cachorroenteada morena da bunda empinada dando ocupadocontos eiroticos leilapornguilherme pausudopornô cachorro engatado em mulhercunhada bao queria mas aveitou trnsa com cunhadovideos de noviga peladaconto erotico mae e filho bunda parte 3transendo cominha conhada dospeitaoxvideo bricando park mao boba a quaticogostosa fazendo borquete no carroXvidio.com/afasContos eróticos Trasei com amigas da minha namoradaConto gay dominação- "lobinho"flagrei a novinha metendo no matinho e chantagiei contoscorno eu confessoMeu pai quebrou meu cabacoencoxando evangelica contos eroticosContos Eróticos De. Comi Minha Vizinha Do Ladoincesto com meu vô contosirmas fudendo com irmao1minuto xvideosFime gey roludomAlandro pintudo regasso a novinhaconto erotico com crentecontos eróticos de incesto mamae muito carente dengosagordinha que dá de bruço com a b***** depiladinha gêmeasporno virge mentiu ter ido pra escola pra mae acabou comendo sua irmaXvidios.ima.vai.atrais.do.imau.no.banho.pra.da.aelefodendo o putynho gayMacho casado cheirando pezao de outro macho contoseptar casa dos contosjaponesa novinha no ginecologista fica excitada no examebem novinhas e rolaças xxvideosduas lebiaca se beijando devangarVideo de porno com puta de 19 Anos video de 01h00